A vi­da muda-nos e muda-nos tam­bém os gos­tos. Há al­guns anos tal­vez não me dei­xas­se to­car tan­to pe­la mú­si­ca «Jesus Alone», re­ti­ra­da do úl­ti­mo pro­je­to de Nick Cave, mas o meu fra­qui­nho por te­mas que fa­lam de per­das ir­re­pa­rá­veis au­men­tou de for­ma ex­po­nen­ci­al. E Nick Cave é um po­e­ta.

Com a sé­rie «The Leftovers», da HBO, passa-se o mes­mo. É uma das mais to­can­tes que vi nos úl­ti­mos tem­pos, mas não sei se há uns anos pas­sa­ria se­quer dos pri­mei­ros epi­só­di­os.

Justin Theroux

Justin Theroux, um dos pro­ta­go­nis­tas de «The Leftovers»

«The Leftovers» tam­bém fa­la de per­das ir­re­pa­rá­veis, mas en­quan­to a can­ção de Nick Cave par­te de uma tra­gé­dia re­al — a mor­te do fi­lho —, a sé­rie tem co­mo pre­mis­sa um fe­nó­me­no im­pos­sí­vel de acon­te­cer no mun­do fí­si­co em que vi­ve­mos: num mi­li­o­né­si­mo de se­gun­do, dois por cen­to da po­pu­la­ção mun­di­al de­sa­pa­re­ce sem dei­xar ras­to.

Ninguém con­se­gue ex­pli­car por que ra­zão mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do — ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças — se des­va­ne­cem co­mo nun­ca ti­ves­sem exis­ti­do. A Ciência não con­se­gue ra­ci­o­na­li­zar a tra­gé­dia, mui­to me­nos descrevê-la, e a Religião tem di­fi­cul­da­de em con­ci­li­ar o even­to com a vi­são de um deus be­ne­vo­len­te.

O cri­a­dor de «The Leftovers» é Damon Lindelof, mais co­nhe­ci­do por ter si­do o «sho­wrun­ner» da sé­rie de cul­to «Lost», tam­bém en­vol­ta em mui­tos mis­té­ri­os. Nunca ti­ve in­te­res­se em vê-la, mas sei que a re­so­lu­ção pro­pos­ta pe­los ar­gu­men­tis­tas pa­ra o mis­té­rio prin­ci­pal es­te­ve lon­ge de ser con­sen­su­al. A ideia en­tre mui­tos fãs é a de que «Lost» se dei­xou aba­ter pe­lo pe­so dos seus mis­té­ri­os e nun­ca mais re­cu­pe­rou.

Lindelof não vol­tou a cair nes­sa ar­ma­di­lha, até por­que adap­tou o li­vro de Tom Perrotta, com quem for­mou equi­pa a es­cre­ver e produzi-la. O pon­to de par­ti­da é o mis­té­rio, tal­vez o mai­or mis­té­rio da his­tó­ria da Humanidade, mas lo­go se per­ce­be que o ob­je­ti­vo da his­tó­ria não é o de esclarecê-lo. O que in­te­res­sa em «The Leftovers» é mostrar-nos co­mo um acon­te­ci­men­to inex­pli­cá­vel e bru­tal­men­te trau­ma­ti­zan­te po­de mu­dar as pes­so­as e a so­ci­e­da­de.

Como se po­de vi­ver em paz quan­do se des­co­nhe­ce a na­tu­re­za de um even­to que po­de­rá vol­tar a ocor­rer da mes­ma ma­nei­ra inex­pli­cá­vel? Como afe­ta­rá as re­la­ções en­tre as pes­so­as? Haverá co­ra­gem pa­ra se re­la­ci­o­na­rem ou vi­ve­rão con­ge­la­das pe­lo me­do? A que ex­tre­mis­mos da­rá ori­gem? A que fal­sos pro­fe­tas?

Amy Brenneman

Amy Brenneman

Este é um acon­te­ci­men­to im­pro­vá­vel nes­te nos­so mun­do go­ver­na­do pe­las leis da Física, mas ima­gi­nem: de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, sem ex­pli­ca­ção, uma pes­soa que amam de­sa­pa­re­ce pa­ra sem­pre — não mor­re, sim­ples­men­te de­sa­pa­re­ce.

Podemos não acei­tar a mor­te, mas pe­lo me­nos con­se­gui­mos compreendê-la, enquadrá-la num qua­dro de re­fe­rên­cia, fa­zer­mos o lu­to, despedirmo-nos ri­tu­al­men­te. Imaginem um even­to que não con­se­gui­mos acei­tar, com­pre­en­der ou atin­gir qual­quer ti­po de re­so­lu­ção.

Explorar o mun­do e a men­te des­tas pes­so­as trau­ma­ti­za­das é mui­to mais in­te­res­san­te do que em­bar­car nu­ma ca­ça ao gam­bo­zi­no cós­mi­co res­pon­sá­vel pe­la «par­ti­da» de to­das es­sas pes­so­as — e é por aí que a sé­rie vai, usan­do a Ficção Científica e o Fantástico co­mo pre­tex­to pa­ra con­tar ou­tra his­tó­ria.

«The Leftovers» é de­li­ci­o­sa­men­te am­bí­gua: à ex­ce­ção do mis­té­rio ini­ci­al, to­dos os even­tos po­dem ser ex­pli­ca­dos ra­ci­o­nal­men­te ou de for­ma so­bre­na­tu­ral, de­pen­de da po­si­ção do te­les­pec­ta­dor em re­la­ção a es­ses as­sun­tos. A fron­tei­ra en­tre a men­te con­tur­ba­da dos per­so­na­gens e a re­a­li­da­de que os ro­deia não se en­con­tra de­mar­ca­da ou, se es­ti­ver, usa David Lynch co­mo guar­da fron­tei­ri­ço.

Carrie Coon

Carrie Coon

Acho-a ex­ce­len­te. Tal co­mo acon­te­ceu com «Black Sails» — um ‘bi­cho’ com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, mas igual­men­te im­per­dí­vel —, comecei-a por não me ape­te­cer fa­zer mais na­da a não ser ve­ge­tar no so­fá. Duas ho­ras de­pois, já pas­sa­va de epi­só­dio em epi­só­dio com o fre­ne­sim com que fo­lhe­a­mos as pá­gi­nas de um li­vro que es­ta­mos a ado­rar.

Se os pri­mei­ros três, qua­tro epi­só­di­os con­se­gui­rem man­ter o vos­so in­te­res­se e não es­ti­ve­rem mui­to pre­o­cu­pa­dos em ver o mis­té­rio pri­mor­di­al es­cla­re­ci­do, en­tão fi­ca­rão pre­sos até ao fim por cau­sa da ri­que­za psi­co­ló­gi­ca dos per­so­na­gens e da ex­ce­lên­cia dos ato­res, so­bre­tu­do Carrie Coon. A ter­cei­ra e úl­ti­ma tem­po­ra­da es­treia pa­ra o ano, ain­da sem da­ta de­fi­ni­da, por is­so há tem­po pa­ra apa­nhar as du­as pri­mei­ras. Vale a pe­na.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?