O pro­gra­ma Ancient Aliens é co­nhe­ci­do por de­fen­der que re­a­li­za­ções an­ti­gas da Humanidade – das Grandes Pirâmides aos cír­cu­los de pe­dra de Stonehenge – não te­ri­am si­do pos­sí­veis sem o au­xí­lio de extraterrestres.

Especialistas co­mo Erich von Däniken e o seu men­tor, Giorgio A. Tsoukalos, vis­lum­bram os nos­sos an­te­pas­sa­dos co­mo me­ros ma­ca­cos so­fis­ti­ca­dos que es­ten­di­am as mãos pa­ra re­ce­ber de vi­si­tan­tes ex­tra­ter­res­tres uma dá­di­va em for­ma de amen­doins tecnológicos.

Quando há di­as pas­sei pe­lo History Channel e vi uma es­tá­tua de Akhenaton, pen­sei in­ge­nu­a­men­te que o ca­nal fi­ze­ra jus ao seu no­me com um bom do­cu­men­tá­rio so­bre o faraó.

Fiquei lo­go es­pe­ca­do di­an­te do te­le­vi­sor, pois Akhenaton é um mis­té­rio den­tro do mis­té­rio que é o Antigo Egito.

Akhenaton, o rei herege

Akhenaton, o rei herege

Afinal não era um do­cu­men­tá­rio co­men­ta­do por egip­tó­lo­gos, ar­queó­lo­gos ou his­to­ri­a­do­res, mas os nos­sos ve­lhos co­nhe­ci­dos do Ancient Aliens a oferecerem-nos a sua de­li­ran­te ver­são so­bre quem foi re­al­men­te o fa­raó pros­cri­to e surpreendendo-nos com a sua mo­no­lí­ti­ca pers­pi­cá­cia: um ser extraterrestre!

Que ou­tra ex­pli­ca­ção po­de­ria ha­ver pa­ra o fac­to de ter si­do re­pre­sen­ta­do co­mo uma es­pé­cie de her­ma­fro­di­ta de crâ­nio alon­ga­do e olhos exa­ge­ra­da­men­te ras­ga­dos, co­mo os ex­tra­ter­res­tres que ve­mos nos fil­mes de fic­ção científica?

O fac­to de as re­fe­rên­ci­as a Akhenaton te­rem si­do apa­ga­das dos mo­nu­men­tos era tam­bém um si­nal de que se fi­ze­ra um es­for­ço pa­ra «en­co­brir» a sua ver­da­dei­ra ascendência.

Este epi­só­dio de Ancient Aliens chamava-se «Alienígenas: Factos en­co­ber­tos», pe­lo que achei nor­mal que, a da­do pon­to, os «teó­ri­cos» do pro­gra­ma te­nham ti­do a ne­ces­si­da­de de jus­ti­fi­car o título.

A te­o­ria dos ex­tra­ter­res­tres não dei­xa de ser in­te­res­san­te, pois per­mi­te aos au­to­res do Ancient Aliens ex­pli­car, de uma as­sen­ta­da, to­dos os mis­té­ri­os e ma­ra­vi­lhas da Antiguidade que não se pre­o­cu­pa­ram em conhecer.

Se não fa­zem ideia das cir­cuns­tân­ci­as que le­va­ram os ar­tis­tas a re­pre­sen­tar a fa­mí­lia re­al da­que­la for­ma, se não sa­bem o que foi o pe­río­do Amarna na his­tó­ria do Antigo Egito e por que mo­ti­vo o no­me do fa­raó foi apa­ga­do dos mo­nu­men­tos com um ze­lo sa­cer­do­tal, a ex­pli­ca­ção ali­e­ní­ge­na torna-se qua­se plausível.

Duvido que a nos­sa no­ção mo­der­na de um ser de ou­tro pla­ne­ta fi­zes­se sen­ti­do pa­ra os an­ti­gos egíp­ci­os, mas há que dar a mão à pal­ma­tó­ria ao Ancient Aliens: se Akhenaton ti­ves­se vi­vi­do nu­ma so­ci­e­da­de em que a pos­si­bi­li­da­de de vi­da ex­tra­ter­res­tre fos­se te­ma fa­mi­li­ar de con­ver­sa, o fa­raó te­ria si­do o al­vo nú­me­ro 1 da me­xe­ri­qui­ce intergaláctica.

Rei Solar

Thomas Coex

Estátua de Akhenaton ex­pos­ta em Paris | Foto: Thomas Coex

A não ser que se se­ja um «teó­ri­co» do Ancient Aliens, são ne­ces­sá­ri­os mui­tos anos de es­tu­do pa­ra se tor­nar um ar­queó­lo­go, mais ain­da quan­do se de­se­ja uma es­pe­ci­a­li­za­ção no es­tu­do da his­tó­ria do Antigo Egito.

Nem dé­ca­das de es­tu­dos e in­ves­ti­ga­ções, con­tu­do, têm si­do su­fi­ci­en­tes pa­ra que os pró­pri­os egip­tó­lo­gos se po­nham de acor­do so­bre o que foi a vi­da, a per­so­na­li­da­de e o des­ti­no do enig­má­ti­co Akhenaton. Uma som­bra enor­me obs­cu­re­ce es­te pe­río­do da História da ci­vi­li­za­ção egíp­cia e as des­co­ber­tas ar­que­o­ló­gi­cas ain­da não são su­fi­ci­en­tes pa­ra o iluminar.

Por is­so as in­ter­pre­ta­ções e opi­niões so­bre a na­tu­re­za de Akhenaton têm si­do mui­tas ao lon­go das dé­ca­das: os fac­tos ra­rei­am, o mis­té­rio adensa-se…

Amarna

Amarna: ruí­nas de um so­nho des­truí­do há mais de 3000 anos.

Quem foi re­al­men­te es­te ho­mem cu­jo des­ti­no ain­da nos in­tri­ga, mais de 3000 anos de­pois? O que fez? Quão di­fe­ren­te era dos seus contemporâneos?

Sabemos, ou jul­ga­mos sa­ber, que es­te fa­raó da 18ª di­nas­tia, fi­lho mais no­vo de Amen-hotep III e da sua es­po­sa prin­ci­pal, Tié, ocu­pou o tro­no de­vi­do à mor­te do ir­mão mais ve­lho – ele não es­ta­va des­ti­na­do a ser um rei.

Sabemos, ou jul­ga­mos sa­ber, que rom­peu com o pan­teão dos deu­ses egíp­ci­os em fa­vor de um úni­co deus, o deus-sol Aton, fun­dan­do um no­vo cul­to que al­guns vi­ram co­mo per­cur­sor do Cristianismo, mais de 1300 anos an­tes do nas­ci­men­to de Cristo.

Nos pri­mei­ros cin­co anos rei­nou co­mo Amen-hotep IV, mas de­pois mu­dou o no­me pa­ra Akhenaton («o es­pí­ri­to atu­an­te de Aton»). Para nós, mu­dar o no­me de Fernando pa­ra Francisco pou­co sig­ni­fi­ca­do tem a não ser, tal­vez, a com­pli­ca­ção bu­ro­crá­ti­ca que é fazê-lo; pa­ra um egíp­cio da­que­la épo­ca, o no­me fa­zia par­te do seu ser – definia-o de for­ma profunda.

Sabemos, ou jul­ga­mos sa­ber, que aban­do­nou a ci­da­de de Tebas e os seus sa­cer­do­tes ma­te­ri­a­lis­tas pa­ra fun­dar, na mar­gem ori­en­tal do Nilo, num de­ser­to a mais de 300 qui­ló­me­tros a sul do atu­al Cairo, uma utó­pi­ca ci­da­de cha­ma­da Akhetaton («Horizonte de Aton»).

Os anos em que por lá vi­veu (até mor­rer) fi­ca­ram co­nhe­ci­dos co­mo o Período Amarna em re­fe­rên­cia ao no­me atu­al da lo­ca­li­da­de on­de o fa­raó man­dou er­guer a no­va cidade.

LeeReex

Akhenaton e Nefertiti: uma vi­são mais ro­mân­ti­ca do «ca­sal so­lar». | LeeReex @DeviantArt

Sabemos tam­bém que a sua es­po­sa prin­ci­pal foi a fa­mo­sa rai­nha Nefertiti, cu­jo no­me sig­ni­fi­ca «a be­la chegou».

Akhenaton re­vo­lu­ci­o­nou a ar­te egíp­cia não só pe­la for­ma co­mo a fa­mí­lia re­al pas­sou a ser re­pre­sen­ta­da, co­mo pe­las ce­nas que os ar­tis­tas eram au­to­ri­za­dos a pin­tar ou es­cul­pir: nun­ca an­tes na his­tó­ria das di­nas­ti­as um fa­raó se dei­xa­ra ver co­mo um pai de fa­mí­lia de­di­ca­do e ca­ri­nho­so, de mãos da­das com a rai­nha, pe­gan­do ao co­lo e bei­jan­do as filhas.

Deve ter si­do um de­vo­to com al­ma de po­e­ta, pois es­cre­veu um hi­no em ho­me­na­gem ao deus-sol que ve­ne­ra­va e de quem se jul­ga­va o prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te na Terra. Foi mais di­plo­ma­ta do que guer­rei­ro, pois pri­vi­le­gi­ou o diá­lo­go com os ri­vais nu­ma épo­ca em que o Egito atin­gi­ra o ex­po­en­te da sua for­ça mas es­ta­va a ser acos­sa­do pe­lo am­bi­ci­o­so rei dos Hititas.

Para uma ci­vi­li­za­ção que atri­buí­ra as su­as vi­tó­ri­as mi­li­ta­res e o bem-estar do im­pé­rio à sa­tis­fa­ção do deus Amon, ago­ra des­pre­za­do pe­lo fa­raó, o pe­río­do da sua re­gên­cia po­de­rá ter si­do vis­to co­mo uma des­gra­ça que ha­ve­ria de ar­rui­nar o Egito e destruir-lhe as conquistas.

Devido à es­cas­sez de ma­te­ri­al ar­que­o­ló­gi­co, às re­pre­sen­ta­ções es­ti­li­za­das da sua fi­gu­ra fí­si­ca e à sua per­so­na­li­da­de, Akhenaton pas­sa en­tão à his­tó­ria co­mo he­ré­ti­co, re­vo­lu­ci­o­ná­rio que com­ba­teu o ma­te­ri­a­lis­mo opor­tu­nis­ta dos ga­nan­ci­o­sos sa­cer­do­tes de Tebas, ho­mem im­po­ten­te, pai ex­tre­mo­so, mu­lher dis­far­ça­da de ho­mem, ma­ri­do apai­xo­na­do, rei for­te, rei fra­co, in­di­ví­duo do­en­te, lou­co, pa­ci­fis­ta, ide­a­lis­ta, um san­to, um de­mó­nio, o cri­a­dor do mo­no­teís­mo, o per­cur­sor do Cristianismo, o men­tor de Moisés – têm exis­ti­do in­ter­pre­ta­ções pa­ra to­dos os gostos.

Visões de Akhenaton

O es­cri­tor egíp­cio e Prémio Nobel da Literatura, o já fa­le­ci­do Naguib Mahfouz, es­cre­veu uma be­la fic­ção ex­plo­ran­do a in­cer­te­za acer­ca da ver­da­dei­ra na­tu­re­za des­te fa­raó: o ro­man­ce «Akhenaton, o Rei Herege», coloca-nos no Egito após a mor­te do so­be­ra­no, acompanhando-o nu­ma de­man­da pe­la ver­da­de de um ho­mem que ia «ar­rui­nan­do um império».

Com a aju­da do pai, um fun­ci­o­ná­rio in­flu­en­te em Tebas, o jo­vem pro­ta­go­nis­ta con­se­gue en­tre­vis­tar vá­ri­as testemunhas-chave – pes­so­as que con­vi­ve­ram de per­to com Akhenaton, in­cluin­do a rainha.

O nos­so es­cri­ba, meio de­te­ti­ve meio jor­na­lis­ta, con­fun­di­do com vi­sões tão di­fe­ren­tes e an­ta­gó­ni­cas do fa­raó, ató­ni­to pe­ran­te o tes­te­mu­nho de quem o ama­va e o des­pre­za­va, abstém-se de re­ve­lar ao pai a sua úni­ca cer­te­za fi­nal: a ina­ba­lá­vel pai­xão que lhe des­per­ta a be­la Nefertiti…

O Ancient Aliens de­fen­de a ideia de que Akhenaton foi um ex­tra­ter­res­tre de­vi­do ao seu as­pe­to bi­zar­ro e in­vul­gar de­sa­pa­re­ci­men­to, mas de­cla­ra­ções es­ta­pa­fúr­di­as so­bre o fa­raó he­ré­ti­co tam­bém se en­con­tram na his­tó­ria da Egiptologia, so­bre­tu­do por mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas ou religiosas.

James Henry Breasted

James Henry Breasted

Para o ar­queó­lo­go e his­to­ri­a­dor norte-americano James Henry Breasted (1865–1935), edu­ca­do no Seminário Teológico de Chicago, Akhenaton foi «o pri­mei­ro in­di­ví­duo da História»:

Era um ho­mem ine­bri­a­do de di­vin­da­de, cu­jo es­pí­ri­to cor­res­pon­dia com uma sen­si­bi­li­da­de e uma in­te­li­gên­cia ex­ce­ci­o­nal às ma­ni­fes­ta­ções de Deus em si pró­prio, um es­pí­ri­to que te­ve for­ça pa­ra dis­se­mi­nar idei­as que ul­tra­pas­sa­ram o qua­dro de com­pre­en­são da sua épo­ca e dos tem­pos futuros.

Arthur Weigall (1880-1934), egip­tó­lo­go in­glês, jor­na­lis­ta e mul­ti­fa­ce­ta­do au­tor de li­vros so­bre o Antigo Egito, bi­o­gra­fi­as his­tó­ri­cas, gui­as tu­rís­ti­cos, ro­man­ces po­pu­la­res, po­e­si­as e pe­ças de te­a­tro, re­fe­re um rei qua­se divino:

O pri­mei­ro ho­mem a quem Deus se re­ve­lou co­mo fon­te de amor uni­ver­sal, isen­to de pai­xões, e com uma bon­da­de que não co­nhe­cia res­tri­ções. Deu-nos, há três mil anos, o exem­plo do que de­ve ser um es­po­so, um pai, um ho­mem ho­nes­to, do que um po­e­ta de­ve­ria sen­tir, um pre­ga­dor en­si­nar, um ar­tis­ta se­guir, um sá­bio crer e um fi­ló­so­fo pensar.

Como ou­tros gran­des mes­tres, sa­cri­fi­cou tu­do aos seus prin­cí­pi­os; a sua vi­da, con­tu­do, mos­trou até que pon­to es­tes prin­cí­pi­os eram impraticáveis.

O pres­ti­gi­a­do pro­fes­sor de Egiptologia e le­xi­có­gra­fo, o ale­mão Adolf Erman (1854–1937), fun­da­dor da Escola de Egiptologia de Berlim mas ex­pul­so da sua fa­cul­da­de pe­lo re­gi­me na­zi por ter «um quar­to de san­gue ju­deu», sa­li­en­tou as ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas do fa­raó – crâ­nio alon­ga­do, lá­bi­os de­ma­si­a­do gros­sos, gran­des olhos, ba­cia lar­ga, ven­tre in­cha­do – em con­tras­te com uma per­so­na­li­da­de mui­to enérgica:

O jo­vem rei, que era fi­si­ca­men­te do­en­te co­mo mos­tram os seus re­tra­tos, era cer­ta­men­te um es­pí­ri­to in­qui­e­to, que cum­priu a sua re­for­ma des­te o iní­cio com um ze­lo ex­ces­si­vo que só o prejudicou.

A do­en­ça de Akhenaton: eis um as­sun­to re­cor­ren­te até ho­je. A es­tra­nha apa­rên­cia do fa­raó, que o Ancient Aliens to­ma co­mo si­nal de des­cen­dên­cia ali­e­ní­ge­na, explica-se pa­ra al­guns egip­tó­lo­gos com o au­xí­lio da medicina.

O in­glês E. A. Wallis Budge (1857 –1934), en­tre ou­tros, acha­va que Akhenaton so­fria de uma do­en­ça cha­ma­da Síndrome de Babinski-Fröhlich:

Os ho­mens atin­gi­dos por es­ta do­en­ça apre­sen­tam com frequên­cia uma cor­pu­lên­cia aná­lo­ga à de Akhenaton.

As par­tes ge­ni­tais não es­tão de­sen­vol­vi­das e po­dem es­tar tão co­ber­tas de gor­du­ra que não são vi­sí­veis. A adi­po­si­da­de po­de repartir-se di­fe­ren­te­men­te con­for­me os ca­sos, mas há uma dis­tri­bui­ção das gor­du­ras que é ti­pi­ca­men­te fe­mi­ni­na, so­bre­tu­do nas re­giões do pei­to, do ab­dó­men, pú­bis, co­xas e nádegas.

Akhenaton deformado, Akhenaton reformador

Uma das con­sequên­ci­as pa­ra o do­en­te que so­fre des­te mal é a in­ca­pa­ci­da­de de ge­rar fi­lhos – uma hi­pó­te­se di­fí­cil de de­fen­der no ca­so de Akhenaton, que te­ve seis fi­lhas com Nefertiti.

Num do­cu­men­tá­rio so­bre Akhenaton que vi re­cen­te­men­te no Discovery Channel, o egip­tó­lo­go e apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma, o norte-americano Bob Brier, pro­põe a uma es­pe­ci­a­lis­ta em Síndrome de Marfan que ob­ser­ve as re­pre­sen­ta­ções do fa­raó em bus­ca de ca­rac­te­rís­ti­cas re­ve­la­do­ras. Esta ex­pli­ca­ção fo­ra pro­pos­ta em 1993 pe­lo egip­tó­lo­go Alwyn L. Burridge.

Este sín­dro­ma é uma de­sor­dem do te­ci­do con­jun­ti­vo ca­rac­te­ri­za­da por ano­ma­li­as a ní­vel es­que­lé­ti­co, ocu­lar e car­di­o­vas­cu­lar, en­tre ou­tras. Mãos e pés ex­ce­ci­o­nal­men­te lon­gos – arac­no­dac­ti­lia – po­dem ser si­nais re­ve­la­do­res da mu­ta­ção. A es­pe­ci­a­lis­ta ad­mi­tiu, com al­gu­ma re­lu­tân­cia, a exis­tên­cia de tais si­nais nas re­pre­sen­ta­ções do faraó.

O Síndrome de Marfan tem a van­ta­gem de não afe­tar a ca­pa­ci­da­de de fa­zer fi­lhos, co­mo o de Babinski-Fröhlich, mas Brier abor­da a hi­pó­te­se com sau­dá­vel cau­te­la: afi­nal quan­tos mé­di­cos acei­ta­ri­am comprometer-se com di­ag­nós­ti­cos fei­tos a par­tir de fo­to­gra­fi­as atu­ais, quan­to mais em es­cul­tu­ras com mais de três mil anos?

Bob Brier

Bob Brier

As múl­ti­plas in­ter­pre­ta­ções pros­se­guem: o egip­tó­lo­go fran­cês Auguste Mariette (1821-1881) es­ta­va con­ven­ci­do de que o fa­raó era um pri­si­o­nei­ro cas­tra­do que as tro­pas egíp­ci­as ti­nham tra­zi­do do Sudão. Por ra­zões que Mariette não ex­pli­cou, te­ria che­ga­do ao po­der e da­do li­vre ex­pres­são à sua doi­di­ce – uma hi­pó­te­se qua­se tão plau­sí­vel co­mo a do alienígena.

Outro fran­cês, Eugène Lefébure (1838-1908), acha­va que Akhenaton era uma mu­lher mas­ca­ra­da de homem.

Sigmund Freud

Sigmund Freud re­ven­do o ma­nus­cri­to «Moisés e o Monoteísmo», Londres, 1938

Para Freud, Moisés era um egíp­cio, um al­to dig­ni­tá­rio na cor­te do fa­raó que após a mor­te des­te e o fra­cas­so do deus Aton no Egito pro­cu­rou dar con­ti­nui­da­de à ideia de uma re­li­gião mo­no­teís­ta, to­man­do os ju­deus co­mo «po­vo elei­to». Freud via em Akhenaton o im­pul­si­o­na­dor do prin­cí­pio da «ex­clu­si­vi­da­de de um deus universal».

Quanto mais se lê so­bre Akhenaton, mais a tra­ma se adensa.

A ideia de mo­no­teís­mo as­so­ci­a­da a Akhenaton sustenta-se so­bre­tu­do na des­co­ber­ta de uma ins­cri­ção in­com­ple­ta do pró­prio fa­raó, que con­si­de­ra­va os res­tan­tes deu­ses do Egito me­ras «es­tá­tu­as cri­a­das pe­los hu­ma­nos e, co­mo elas, efé­me­ros, ao con­trá­rio do deus que se cri­ou a si mesmo».

A vi­são de­pre­ci­a­ti­va do fa­raó ex­pli­ca a au­sên­cia de ima­gens di­vi­nas pa­ra o cul­to nos tem­plos e ca­pe­las de­di­ca­dos ao Aton e à fa­mí­lia re­al. E tam­bém nos aju­da a per­ce­ber por que ra­zão as re­pre­sen­ta­ções da fa­mí­lia re­al se vão tor­nan­do ca­da vez mais es­ti­li­za­das e me­nos re­a­lis­tas: o rei e a rai­nha são ob­je­tos de cul­to jun­ta­men­te com o pró­prio deus Aton, sim­bo­li­za­do por um dis­co so­lar cu­jos rai­os ter­mi­nam em mãos, mãos que aben­ço­am e con­ce­dem a vi­da ao ca­sal mo­nár­qui­co e à sua fa­mí­lia – a eles e só a eles.

Não são ape­nas reis, mas os úni­cos in­ter­me­diá­ri­os en­tre um deus que é, ao mes­mo tem­po, pai e mãe, e to­dos os ou­tros po­vos. Em par­te, é da­qui que nas­ce o es­ti­lo ar­tís­ti­co ca­rac­te­rís­ti­co de Amarna.

Akhenaton tem da­do pa­ra tu­do, co­mo se viu; mes­mo a no­ção de um fa­raó ex­tra­ter­res­tre não co­me­çou com o Ancient Aliens, mas nas­ceu de es­pe­cu­la­ções eso­té­ri­cas que co­me­ça­ram no fi­nal do sé­cu­lo XIX. A pe­que­na le­gião de cro­mos que ali­men­ta o pro­gra­ma nem se­quer con­se­gue ser ori­gi­nal nas men­ti­ras e in­ter­pre­ta­ções ten­den­ci­o­sas que vincula.

Eu penso, logo desisto

Ancient AliensEste ar­ti­go co­me­çou com uma ex­plo­são de fú­ria. Estive pa­ra fa­zer ao meu te­le­vi­sor o que há uns anos um jor­na­lis­ta ira­qui­a­no ten­tou fa­zer a Bush. Como po­de o ca­nal de História dar co­ber­tu­ra a tan­ta desinformação?

Por di­nhei­ro, naturalmente.

Depois acal­mei e to­mei a sen­sa­ta de­ci­são de lar­gar o meu sa­pa­to ima­gi­ná­rio e co­me­çar a pre­pa­rar um ar­ti­go pa­ra o blo­gue: se não fos­se a pa­te­ti­ce do pro­gra­ma, não te­ria che­ga­do a co­nhe­cer de for­ma mais pro­fun­da o mis­té­rio de Akhenaton e do Período Amarna – ain­da as­sim, é pou­co o que sei.

Fui ver a pá­gi­na ofi­ci­al no Facebook des­tes teó­ri­cos da tre­ta, cons­ta­tei que tem mais de tre­zen­tos mil fãs e per­ce­bi por que ra­zão o História se me­ta­mor­fo­se­ou no ca­nal História da Carochinha. A ig­no­rân­cia é mui­to lucrativa.

Mas pa­ra aque­les que le­vam a sé­rio o Ancient Aliens, umas con­si­de­ra­ções adicionais.

Giorgio A. Tsoukalos, o prin­ci­pal pro­du­tor do pro­gra­ma, é um ex-culturista trans­for­ma­do em es­pe­ci­a­lis­ta de ar­que­o­lo­gia, bi­o­lo­gia, an­tro­po­lo­gia, as­tro­no­mia e, so­bre­tu­do, ca­lha­lo­gia.

Calhalogia é a ci­ên­cia que ex­pli­ca o que ca­lhar e ti­ra con­clu­sões ao calhas.

Para te­rem uma ideia de co­mo es­tes in­ves­ti­ga­do­res e au­to­res ti­ram as su­as con­clu­sões, ima­gi­nem um Tsoukalos de um fu­tu­ro mui­to dis­tan­te. O nos­so hi­po­té­ti­co teó­ri­co do sé­cu­lo 60 debruça-se so­bre um cu­ri­o­so e es­tra­nho ar­te­fac­to: uma re­vis­ta de ban­da de­se­nha­da de A Guerra das Estrelas.

O Tsoukalos do fu­tu­ro con­clui­rá, em pri­mei­ro lu­gar, que a nos­sa ci­vi­li­za­ção usou ar­mas la­ser, sa­bres de luz e na­ves es­pa­ci­ais, do­mi­nou uma bi­zar­ra for­ma de ener­gia cha­ma­da Força e co­nhe­ceu nu­me­ro­sas es­pé­ci­es ali­e­ní­ge­nas na galáxia.

A se­gun­da con­clu­são do gé­nio se­rá a de que to­das es­tas coi­sas fo­ram man­ti­das em se­gre­do por uma mis­te­ri­o­sa or­ga­ni­za­ção se­cre­ta cha­ma­da George Lucas. São as­sim as te­o­ri­as do Ancient Aliens.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?