As per­gun­tas que se se­guem foram-me en­vi­a­das por al­guém que re­co­nhe­ceu o meu no­me nas le­gen­das do Game of Thrones. A in­ten­ção era fa­zer um ví­deo so­bre os vo­lun­tá­ri­os que fa­zem as le­gen­das e fa­lar des­te mun­do da tra­du­ção ama­do­ra de sé­ri­es e fil­mes. Desejo-lhe boa sor­te e bom tra­ba­lho.

Como o ma­te­ri­al em ques­tão não é se­gre­do de Estado, o que eu di­go não é na­da de es­pe­ci­al e ele pro­va­vel­men­te irá en­tre­vis­tar mui­tas mais pes­so­as, fi­ca aqui a mi­nha pe­que­na con­tri­bui­ção.

Já ou­tras pes­so­as me fi­ze­ram al­gu­mas des­tas per­gun­tas. De fu­tu­ro, em vez de es­tar sem­pre a re­pe­tir as mes­mas coi­sas, bas­ta­rá mostrar-lhes es­ta pá­gi­na.

Quando é que co­me­ças­te a cri­ar le­gen­das?

Durante a ter­cei­ra tem­po­ra­da do Game of Thrones. Fazia-o só pa­ra con­su­mo fa­mi­li­ar. Não me pas­sa­va pe­la ca­be­ça partilhá-las on­li­ne. A pai­sa­gem lu­nar era-me mais fa­mi­li­ar do que o mun­do das le­gen­das.

E ain­da bem que não par­ti­lhei, por­que nes­sa al­tu­ra não sa­bia na­da so­bre o que é le­gen­dar: tem­pos, nú­me­ro má­xi­mo de ca­ra­te­res, por aí fo­ra. Tal co­mo qual­quer ou­tro no­va­to, acha­va que le­gen­dar era ape­nas tra­du­zir. Legendar é mui­to mais do que is­so.

À me­di­da que fui ga­nhan­do con­fi­an­ça, pen­sei: «Bem, já que es­tou a fazê-las, mais va­le partilhá-las». Comecei a fazê-lo atra­vés do Facebook. Inevitavelmente, a le­gen­da aca­ba­va por apa­re­cer em to­dos os sí­ti­os de le­gen­das. Nunca vi ne­nhum co­men­tá­rio a di­zer que es­ta­vam uma boa mer­da, por is­so senti-me en­co­ra­ja­do. Criei con­ta em dois ou três si­tes e co­me­cei a partilhá-las eu.

Crias le­gen­das pa­ra ou­tras pla­ta­for­mas?

Para o YouTube, mas só mui­to oca­si­o­nal­men­te. E é sem­pre pa­ra ilus­trar ar­ti­gos do blo­gue.

Que ti­po de fer­ra­men­tas usas pa­ra cri­ar le­gen­das?

Subtitle Edit

O pro­gra­ma Subtitle Edit. Muita gen­te acon­se­lha o Subtitle Workshop, mas eu pre­fi­ro es­te. Existe soft­ware pro­fis­si­o­nal de cri­a­ção de le­gen­das, mas eu não sou pro­fis­si­o­nal nem es­ta­ria dis­pos­to a gas­tar uma for­tu­na em apli­ca­ções só pa­ra par­ti­lhar le­gen­das de for­ma ama­do­ra. O Subtitle Edit é gra­tui­to, é Open Source e as su­as fun­ci­o­na­li­da­des po­dem ser en­ri­que­ci­das com plu­gins, tam­bém gra­tui­tos. Serve-me per­fei­ta­men­te.

As res­tan­tes fer­ra­men­tas são as ha­bi­tu­ais: um bom di­ci­o­ná­rio e um cé­re­bro.

É um tra­ba­lho fei­to a so­lo ou em equi­pa?

Prefiro tra­ba­lhar so­zi­nho mas, com as pes­so­as cer­tas, tra­ba­lhar em equi­pa é um pra­zer e ace­le­ra o pro­ces­so. Divide-se a le­gen­da e ca­da um fi­ca com uma par­te. Junta-se a le­gen­da com a con­tri­bui­ção de to­dos. Por fim, um dos ele­men­tos da equi­pa pre­vi­a­men­te de­sig­na­do encarrega-se da re­vi­são fi­nal, que in­clui cor­ri­gir gra­lhas e in­con­sis­tên­ci­as.

Dracarys, Camões

Dracarys

Quais fo­ram as mai­o­res di­fi­cul­da­des que en­con­tras­te a cri­ar le­gen­das?

Achar que le­gen­dar era tra­du­zir. E que tra­du­zir era pas­sar o que se diz de um idi­o­ma pa­ra ou­tro de for­ma qua­se li­te­ral.

Legendar im­pli­ca não só tra­du­zir, mas ter em con­ta o tem­po de ex­po­si­ção das li­nhas, o nú­me­ro de ca­ra­te­res e o tem­po de lei­tu­ra. O ob­je­ti­vo é fa­zer com que as pes­so­as pas­sem o me­nor tem­po pos­sí­vel a olhar pa­ra a le­gen­da sem per­der na­da do que es­tá a ser di­to. É mais di­fí­cil do que pa­re­ce.

Nesse pro­ces­so aju­da bas­tan­te a re­de­fi­ni­ção do que é tra­du­zir. Ter-se, pe­lo me­nos, a no­ção de que tra­du­ções li­te­rais ra­ra­men­te fun­ci­o­nam. Isto é al­go bá­si­co pa­ra qual­quer tra­du­tor pro­fis­si­o­nal, mas não pa­ra um ama­dor co­mo eu.

Tão im­por­tan­te co­mo tra­du­zir, é sa­ber in­ter­pre­tar. Os pro­fis­si­o­nais que acom­pa­nham os po­lí­ti­cos em vi­si­tas ao es­tran­gei­ro tra­du­zem o que os che­fes de Estado di­zem, mas não são cha­ma­dos tra­du­to­res. São in­tér­pre­tes.

O le­gen­da­dor é, de cer­ta for­ma, um in­tér­pre­te. Os per­so­na­gens e os te­les­pec­ta­do­res são che­fes de Estado de paí­ses di­fe­ren­tes. O ob­je­ti­vo é que o es­sen­ci­al da men­sa­gem de um pa­ra ou­tro se­ja en­tre­gue sem de­tur­pa­ções. Idealmente, é uma pre­sen­ça in­vi­sí­vel. E, tal co­mo acon­te­ce com os ár­bi­tros de fu­te­bol, quan­to me­nos o te­les­pec­ta­dor der por ele, me­lhor.

Também é im­por­tan­te res­pei­tar a lín­gua Portuguesa. Alguns cri­a­do­res de le­gen­das fa­zem ao Português aqui­lo que a Daenerys Targaryen cos­tu­ma fa­zer aos ini­mi­gos.

Em que dis­po­si­ti­vo cri­as le­gen­das?

Num PC. Uso Windows, in­fe­liz­men­te, por­que o meu sis­te­ma ope­ra­ti­vo pre­fe­ri­do, o Ubuntu, não é ca­paz de re­co­nhe­cer a mi­nha pla­ca de som. Sem som, não há le­gen­das. Ou, mais im­por­tan­te ain­da, mú­si­ca!

Conheces mais pes­so­as que o fa­çam?

Somos pou­cos, mas bons. E de­di­ca­dos.

Também so­mos cri­a­tu­ras mui­to sen­sí­veis. Muito cons­ci­en­tes do ca­rác­ter fi­lan­tró­pi­co do que fa­ze­mos e das ho­ras de tra­ba­lho que per­de­mos por de­di­ca­ção à cau­sa. Também so­mos pou­co to­le­ran­tes pa­ra quem sa­ca as le­gen­das e nem uma men­sa­gem de agra­de­ci­men­to en­via, en­fim, in­gra­tos, san­gues­su­gas, que vão to­dos pa­ra o raio que os par­ta.

De uma for­ma ge­ral, te­mos con­se­gui­do ul­tra­pas­sar es­ses trau­mas… em­bo­ra às ve­zes não pa­re­ça.

Que pro­ces­so se­gues quan­do co­me­ças a cri­ar le­gen­das?

Cada um tem o seu pro­ces­so. O meu é um bo­ca­do tor­tu­o­so. Vejo to­do o epi­só­dio ou fil­me em in­glês. Se já exis­ti­rem le­gen­das es­cri­tas em in­glês, tan­to me­lhor. Se não exis­ti­rem, o pro­ces­so é mais de­mo­ra­do.

Eu só tra­du­zo em in­glês. Posso tra­du­zir pe­que­nas par­tes em fran­cês, es­pa­nhol ou ita­li­a­no, mas não me sin­to qua­li­fi­ca­do pa­ra o fa­zer com ví­de­os mais ex­ten­sos.

Trabalho a conta-gotas. Ou, nes­te ca­so, a conta-cenas. Traduzo uma ce­na, pa­ro e revejo-a já com as le­gen­das em Português, é uma pri­mei­ra fa­se da re­vi­são. Quando aca­bo to­das as ce­nas, re­ve­jo o epi­só­dio de uma pon­ta à ou­tra. É a se­gun­da, e úl­ti­ma, fa­se de re­vi­são. Pelo meio, é sem­pre ne­ces­sá­rio fa­zer al­gu­mas «sin­cro­ni­za­ções fi­nas» pa­ra que a le­gen­da fi­que com a me­lhor sin­cro­ni­za­ção pos­sí­vel.

Para sin­cro­ni­zar é pre­ci­so uma pa­ci­ên­cia de san­to. Nem sem­pre a te­nho. Mas co­mo es­te mun­do das le­gen­das tem uma co­mu­ni­da­de co­la­bo­ra­ti­va, há sem­pre al­guém que faz sin­cro­ni­za­ções pa­ra as di­ver­sas ver­sões de fi­chei­ros que exis­tem.