É uma ba­ta­lha pe­la li­ber­da­de de ex­pres­são na Internet, di­zem as em­pre­sas de tec­no­lo­gia li­de­ra­das pe­la Google e Facebook. Não, res­pon­dem as in­dús­tri­as do en­tre­te­ni­men­to apoi­an­tes do Stop Online Piracy Act (SOPA): é uma lu­ta con­tra os pi­ra­tas e pe­la pro­te­ção da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al. Hoje a Net faz gre­ve. Ninguém pa­re­ce que­rer pro­var es­ta SOPA.

Imagine a se­guin­te si­tu­a­ção: vo­cê acha que os seus do­tes vo­cais são de­ma­si­a­do im­pres­si­o­nan­tes pa­ra se­rem des­per­di­ça­dos na ba­nhei­ra e de­ci­de par­ti­lhar com o mun­do o seu ta­len­to. Como su­ce­de com mui­tas ou­tras pes­so­as, gra­va um ví­deo in­ter­pre­tan­do a sua can­ção pre­fe­ri­da e envia-o pa­ra o YouTube pa­ra que mi­lha­res de uti­li­za­do­res o pos­sam es­co­lher co­mo po­ten­ci­al ído­lo.

Foi a can­tar co­vers no YouTube que Justin Bieber co­me­çou a ser co­nhe­ci­do, por exem­plo. E é por is­so que uma das fra­ses mais fa­mo­sas dos ati­vis­tas anti-SOPA é «li­ber­tem Justin Bieber».

Numa Internet imer­sa na «SOPA» le­gis­la­ti­va apoi­a­da pe­los re­pre­sen­tan­tes das gran­des in­dús­tri­as do en­tre­te­ni­men­to, pas­sar do ba­nhei­ro pa­ra o YouTube se­ria uma ação cri­mi­no­sa com di­rei­to a até cin­co anos de pri­são, se es­te hi­po­té­ti­co no­vo Justin Bieber per­sis­tis­se no in­cum­pri­men­to.

Em úl­ti­ma aná­li­se, tam­bém po­de­ria le­var ao en­cer­ra­men­to do pró­prio YouTube, ca­so es­te não ce­des­se às exi­gên­ci­as do de­ten­tor do copy­right e se re­cu­sas­se a apa­gar o ví­deo.

Imagine uma ou­tra si­tu­a­ção: vo­cê tem um blo­gue no SAPO. Não o abriu pa­ra fa­zer di­nhei­ro ou par­ti­lhar con­teú­do pro­te­gi­do por di­rei­tos de au­tor, mas por­que ado­ra par­ti­lhar as su­as idei­as e vi­vên­ci­as com ou­tras pes­so­as. Como é um bom co­mu­ni­ca­dor e ajeita-se a es­cre­ver, o pe­que­no blo­gue co­me­ça gra­du­al­men­te a re­ce­ber vi­si­tas e co­men­tá­ri­os.

Numa Internet por­tu­gue­sa imer­sa nu­ma «SOPA» le­gis­la­ti­va com os mes­mos con­di­men­tos da que es­tá a ser pro­va­da nos Estados Unidos, po­de­ri­am fechar-lhe o blo­gue de um dia pa­ra o ou­tro: bas­ta­ria que um vi­si­tan­te co­lo­cas­se na zo­na de co­men­tá­ri­os, sem vo­cê se aper­ce­ber, um link pa­ra um si­te pi­ra­ta.

Em úl­ti­ma aná­li­se, por ab­sur­do que pa­re­ça, um úni­co link po­de­ria con­du­zir ao en­cer­ra­men­to do pró­prio ser­vi­ço de blo­gues do SAPO, ca­so es­te se re­cu­sas­se a ce­der às exi­gên­ci­as do de­ten­tor de copy­right do ma­te­ri­al pi­ra­te­a­do.

Um novo 404

Wikipédia

Estas são du­as das pos­sí­veis con­sequên­ci­as prá­ti­cas apon­ta­das pe­los que com­ba­tem es­ta le­gis­la­ção. Gigantes da web co­mo a Google ou fun­da­ções on­li­ne co­mo a Wikimedia e a Mozilla, res­pon­sá­vel pe­lo brow­ser Firefox, con­si­de­ram que si­tu­a­ções se­me­lhan­tes po­de­rão mes­mo vir a su­ce­der, ca­so os pro­je­tos de lei Stop Online Piracy Act, mais co­nhe­ci­do pe­lo acró­ni­mo SOPA, e o Protect IP Act (PIPA), se­jam apro­va­dos pe­lo Senado ame­ri­ca­no.

Numa ati­tu­de sem pre­ce­den­tes, vá­ri­as em­pre­sas – Google, Yahoo!, YouTube, Facebook, Twitter, AOL, LinkedIn, eBay, Mozilla, Reddit, a Wikimedia, en­tre ou­tras – for­ma­ram uma ali­an­ça tem­po­rá­ria pa­ra com­ba­ter o SOPA e pro­gra­ma­ram pa­ra ho­je, 18 de Janeiro, vá­ri­as ações de pro­tes­to e pres­são so­bre os se­na­do­res ame­ri­ca­nos.

A Wikimedia man­te­rá até à meia-noite a ver­são em lín­gua in­gle­sa da Wikipedia en­cer­ra­da; a Google, «em no­me do com­ba­te à cen­su­ra», le­va­rá a sua opo­si­ção à pá­gi­na prin­ci­pal ame­ri­ca­na do seu mo­tor de bus­ca. Fala-se num blac­kout com­ple­to pa­ra o fu­tu­ro, um des­li­gar da Net que se­ria pa­ra os in­ter­nau­tas um acon­te­ci­men­to tão inu­si­ta­do co­mo um dia de ca­lor tro­pi­cal pa­ra um es­qui­mó.

A web ame­ri­ca­na es­tá em gre­ve e ape­la à so­li­da­ri­e­da­de dos in­ter­nau­tas de to­do o mun­do, lembrando-os de que a vi­tó­ria do SOPA irá ge­rar clo­nes le­gis­la­ti­vos em to­do o la­do – ou­tro acon­te­ci­men­to que fi­ca­rá na História da Internet, a gre­ve e a re­pres­são da Web à es­ca­la mun­di­al. Até a Microsoft, sig­na­tá­ria do con­sór­cio anti-pirataria Business Software Aliance, não apoia es­ta le­gis­la­ção.

A guerra das entrelinhas

Contra o Big Brother

O SOPA não foi con­ce­bi­do pa­ra en­cer­rar si­tes co­mo o YouTube, mas pa­ra controlá-los atra­vés do po­der de dis­su­a­são – é uma es­pé­cie de fi­lo­so­fia de Máquina do Fim do Mundo dos tem­pos da Guerra Fria, mas apli­ca­da ao cam­po de ba­ta­lha do on­li­ne; ao mes­mo tem­po, o SOPA pro­cu­ra dar aos Estados Unidos me­ca­nis­mos le­gais de pro­te­ção con­tra o rou­bo da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, in­cluin­do o der­ru­be de si­tes pi­ra­tas e ser­vi­ços na Web que es­te­jam a in­frin­gir as leis do copy­right.

Este me­ca­nis­mo de pro­te­ção, por mais bem in­ten­ci­o­na­do que se­ja, po­de­rá ser efi­caz no mun­do do of­fli­ne, mas na Internet atu­al é ar­cai­co e pe­ri­go­so, e re­vol­tan­te quan­do exer­ci­do so­bre o uti­li­za­dor co­mum.

A Internet não foi con­ce­bi­da pa­ra fun­ci­o­nar a par­tir de um pon­to de con­tro­lo lo­ca­li­za­do a par­tir de um cen­tro ab­so­lu­to. Não exis­te «um cen­tro» na Internet. Tal co­mo o Universo, a Internet é uma re­de in­ter­li­ga­da em cons­tan­te ex­pan­são, com múl­ti­plos cen­tros, ór­bi­tas e gra­vi­da­des; ca­da um de nós é, si­mul­ta­ne­a­men­te, emis­sor e re­ce­tor de in­for­ma­ção.

A che­ga­da dos blo­gues e de re­des so­ci­ais co­mo o Facebook ou Twitter, que na­tu­ral­men­te tam­bém es­tão con­tra o SOPA, veio au­men­tar de for­ma ex­po­nen­ci­al es­ta di­nâ­mi­ca de des­co­ber­ta e par­ti­lha, tor­nan­do qua­se im­pos­sí­vel lo­ca­li­zar a ori­gem do ma­te­ri­al par­ti­lha­do.

As em­pre­sas tec­no­ló­gi­cas – li­de­ra­das pe­la Google – pos­su­em mo­de­los de ne­gó­cio que as­sen­tam na in­crí­vel di­nâ­mi­ca que tan­to ater­ro­ri­za as ve­lhas in­dús­tri­as do en­tre­te­ni­men­to: os links do Google va­lem di­nhei­ro e são o zap­ping das no­vas ge­ra­ções; o YouTube é uma te­le­vi­são par­ti­cu­lar que for­ne­ce aos es­pec­ta­do­res a pos­si­bi­li­da­de de cri­ar a sua pró­pria pro­gra­ma­ção e ca­nais.

As in­dús­tri­as do en­tre­te­ni­men­to co­nhe­cem bem es­ta re­a­li­da­de mas não a acei­tam, pois des­fa­vo­re­ce o seu mo­de­lo de ne­gó­cio sus­ten­ta­do nu­ma pro­gra­ma­ção cen­tra­li­za­da. Na au­sên­cia de um cen­tro na­tu­ral de con­tro­lo, que­rem estabelecer-se co­mo uma es­pé­cie de sin­cro­ni­za­dor cen­tral. O SOPA é vis­to pe­las em­pre­sas on­li­ne co­mo o me­ca­nis­mo de re­pres­são com o qual há mui­to tem­po as in­dús­tri­as so­nham. Sob pro­te­ção le­gal, po­de­rão apli­car em ple­no a agres­si­vi­da­de na ca­ça ao emis­sor.

O Império contra-ataca

O exer­cí­cio li­vre do po­der de po­li­ci­a­men­to so­bre a Internet im­pli­ca que ou­tros ques­ti­o­nem a for­ma co­mo es­se po­der po­de­rá ser exer­ci­do, an­te­ci­pan­do abu­sos.

O se­na­dor re­pu­bli­ca­no que re­di­giu o Stop Online Piracy Act, Lamar Smith, já veio a pú­bli­co cri­ti­car as em­pre­sas que ade­ri­ram à «gre­ve», di­zen­do que se tra­ta ape­nas de um «gol­pe pu­bli­ci­tá­rio».

Esta lei não pre­ju­di­ca­rá a Wikipedia, os blo­gues pes­so­ais ou as re­des so­ci­ais. Os men­to­res des­te pro­tes­to es­tão a pres­tar um mau ser­vi­ço aos uti­li­za­do­res, pois es­co­lhe­ram pro­mo­ver o me­do e não os fac­tos.

O pro­ble­ma nem es­tá tan­to no me­do, mas pre­ci­sa­men­te nos fac­tos.

Atentem no se­guin­te fac­to, mui­to re­cen­te: uma mãe gra­vou as gra­ci­nhas do seu fi­lho de 18 me­ses. A cri­an­ça pu­la­va e gar­ga­lha­va ao som de uma can­ção de Prince, re­pre­sen­ta­do pe­la Universal Music Group.

Esta mãe re­sol­veu par­ti­lhar o mo­men­to e co­lo­cou no YouTube um ví­deo de 29 se­gun­dos pa­ra que fa­mí­lia e ami­gos mais che­ga­dos pu­des­sem ver co­mo é tão que­ri­do o seu be­bé. Poucos di­as de­pois, re­ce­beu um avi­so do YouTube afir­man­do que o ví­deo te­ria de ser re­mo­vi­do de­vi­do a uma quei­xa da Universal por uso não-autorizado do ma­te­ri­al e con­se­quen­te vi­o­la­ção dos di­rei­tos de au­tor.

Este não é o ce­ná­rio hi­po­té­ti­co ima­gi­na­do pe­los opo­si­to­res do SOPA, mas um ca­so ve­rí­di­co de abu­so de po­der com os mei­os de con­tro­lo que atu­al­men­te as in­dús­tri­as do en­tre­te­ni­men­to já dis­põem. A mãe, te­me­ro­sa mas re­vol­ta­da, pe­diu aju­da à Electronic Frontier Foundation e contra-atacou, co­lo­can­do a Universal em tri­bu­nal. Entretanto, o YouTube repôs o ví­deo ofen­si­vo.

Esta his­tó­ria ain­da aguar­da o seu des­fe­cho mas a Universal não es­pe­ra que o fi­nal se­ja de­ma­si­a­do hollywo­o­des­co: o mais pe­que­no irá, ine­vi­ta­vel­men­te, per­der.

Disparar primeiro, perguntar depois

Terminator

Não se po­de es­pe­rar sen­sa­tez ou sen­si­bi­li­da­de nas ações po­li­ci­ais da MPAA ou RIAA, mas ape­nas o ru­gir de um pre­da­dor ce­go, dis­pos­to a tu­do pa­ra pro­te­ger o ter­ri­tó­rio do copy­right, que é on­de o di­nhei­ro, e não a cul­tu­ra ou a Humanidade, flo­res­ce. É co­mo se os le­gis­la­do­res do SOPA qui­ses­sem obri­gar o pla­ne­ta Terra a ser pla­no ou­tra vez.

Deste mo­do, é di­fí­cil ao in­ter­nau­ta não des­con­fi­ar das bo­as in­ten­ções dos le­gis­la­do­res quan­do até uma dan­ça de 29 se­gun­dos de um be­bé po­de dar ori­gem a vi­o­la­ções de copy­right. E é qua­se im­pos­sí­vel não evo­car pa­la­vras tão ca­ras co­mo «cen­su­ra» ou «li­ber­da­de».

Existem tam­bém pro­ble­mas téc­ni­cos que po­dem co­lo­car em cau­sa a se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de da re­de co­mo, por exem­plo, a pos­si­bi­li­da­de de man­dar abai­xo ser­vi­do­res DNS (Domain Name Servers). E ape­nas por sus­pei­ta.

O ve­lho Oeste es­tá de vol­ta: os jus­ti­cei­ros do copy­right de­se­jam fa­zer da Net o seu sa­lo­on e pro­cu­ram, em no­me da jus­ti­ça, pro­te­ção da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al e sal­va­ção dos em­pre­gos, apli­car a ve­lha po­lí­ti­ca de «dis­pa­rar pri­mei­ro, per­gun­tar de­pois». Mas se­rão os di­rei­tos de au­tor mais im­por­tan­tes que os di­rei­tos hu­ma­nos?

E de­pois exis­te um con­fli­to de ge­ra­ções. De um la­do, es­tão aque­les que a ge­ra­ção web vê co­mo ve­lhos do Restelo; do ou­tro, os fi­lhos pró­di­gos de Tim Berners-Lee, o fí­si­co bri­tâ­ni­co a quem é atri­buí­da a pa­ter­ni­da­de da World Wide Web e de al­guns dos seus pres­su­pos­tos fi­lo­só­fi­cos.

Aumentar a re­pres­são e o po­der de dis­su­a­são so­bre as em­pre­sas le­va­rá a que es­tas, pa­ra lu­tar pe­la so­bre­vi­vên­cia, se­jam for­ça­das a po­li­ci­ar e cen­su­rar os pró­pri­os uti­li­za­do­res, ani­qui­lan­do a pró­pria es­sên­cia da Internet: a re­de é de to­dos, não é de nin­guém; não obs­tan­te os seus de­fei­tos e li­mi­ta­ções, é um meio de par­ti­lha e de tro­ca de in­for­ma­ção co­mo ne­nhum ou­tro. A Internet é a pul­sa­ção da Humanidade e à Humanidade per­ten­ce.

SOPA azeda

A Net faz gre­ve e preocupa-se, mas tam­bém re­ju­bi­la: o SOPA es­tá nos cui­da­dos in­ten­si­vos, não vai re­cu­pe­rar.

A eu­fo­ria deve-se ao fac­to de o pre­si­den­te norte-americano Barack Obama ter co­mu­ni­ca­do que não acei­ta­ria uma le­gis­la­ção que co­lo­cas­se em cau­sa a li­ber­da­de de ex­pres­são dos ci­da­dãos. Esta de­cla­ra­ção, sus­ten­tam os mais oti­mis­tas, te­rá si­do su­fi­ci­en­te pa­ra es­tra­gar os pla­nos dos ló­bi do en­tre­te­ni­men­to. Yes, we can?

O se­na­dor Lamar não de­sa­ni­mou com a po­si­ção da Casa Branca e ga­ran­tiu que apro­vei­ta­rá es­te «ponto-morto» na dis­cus­são na Câmara dos Representantes pa­ra apro­fun­dar a lei, pro­me­ten­do dedicar-lhe to­da a sua aten­ção e de­di­ca­ção. I’ll be back?

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?