O protesto da ACAPOR

A ACAPOR, re­pre­sen­tan­te dos vi­de­o­clu­bes em Portugal, mon­tou uma bar­ra­qui­ta no Largo de Camões, em ple­no cen­tro de Lisboa, pa­ra pro­tes­tar con­tra a pi­ra­ta­ria on­li­ne.

Juntou-lhe uma ac­ção me­lo­dra­má­ti­ca des­ti­na­da a cha­mar a aten­ção dos jor­nais, dei­xan­do um com­pu­ta­dor a fa­zer down­lo­ads ile­gais du­ran­te 24 ho­ras se­gui­das, à vis­ta de to­dos, pa­ra de­mons­trar que é pos­sí­vel fazê-lo de for­ma im­pu­ne.

Enquanto sa­cam os fil­mes, os se­nho­res da ACAPOR po­di­am ten­tar per­ce­ber – e têm 24 ho­ras pa­ra pen­sar – por que ra­zão a pi­ra­ta­ria tem tan­to su­ces­so. Já que es­tão a brin­car aos pi­ra­tas e se sen­tem eti­ca­men­te au­to­ri­za­dos a fa­zer as mes­mas es­co­lhas de quem sa­ca fil­mes ou mú­si­ca de for­ma ile­gal, po­di­am apren­der al­gu­ma coi­sa so­bre a efi­ci­ên­cia dos gran­des si­tes de tor­rents.

Por exem­plo, os se­nho­res vi­ram co­mo é fá­cil en­con­trar o que se pro­cu­ra e tê-lo à dis­po­si­ção no com­pu­ta­dor sem na­da que pos­sa de­li­mi­tar o uso que se lhe quei­ra dar? Notaram que é pos­sí­vel, atra­vés da pi­ra­ta­ria, ter aces­so a obras cul­tu­rais que as in­dús­tri­as des­pre­zam, por não se­rem su­fi­ci­en­te­men­te lu­cra­ti­vas?

Vamos su­por que usa­ram o Demonoid pa­ra trans­fe­rir os fil­mes. Digo «trans­fe­rir» por­que os se­nho­res não «sa­cam», eu sei. Repararam co­mo aqui­lo es­tá tão bem or­ga­ni­za­do e é fá­cil de con­sul­tar? Uma pes­soa che­ga à pá­gi­na, pro­cu­ra um fil­me em que es­tá in­te­res­sa­do e, dois mi­nu­tos de­pois, tem à sua dis­po­si­ção um link pa­ra fa­zer o down­lo­ad. Digam-me os se­nho­res on­de é pos­sí­vel ter aces­so a um ser­vi­ço des­ta ca­te­go­ria que se­ja le­gal – em la­do ne­nhum.

E mes­mo que o as­sun­to se­ja mú­si­ca e não fil­mes, as di­fi­cul­da­des con­ti­nu­am: se eu sa­car um dis­co da Net pos­so usá-lo co­mo qui­ser, sem DRMs ou res­tri­ções de qual­quer es­pé­cie que me im­pe­çam, por exem­plo, de co­pi­ar ou em­pres­tar o que é meu – o que aca­ba por ser uma si­tu­a­ção cu­ri­o­sa, pois en­quan­to pi­ra­ta sou tra­ta­do com mais res­pei­to e con­si­de­ra­ção do que en­quan­to con­su­mi­dor pa­gan­te.

Direitos de au­tor? Claro. Já co­nhe­ço a con­ver­sa. Devemos ser a fa­vor, cla­ro, de­ve­mos con­de­nar, com cer­te­za, e es­tar in­con­di­ci­o­nal­men­te do vos­so la­do por­que os se­nho­res que­rem ter as cos­tas quen­tes pe­la lei.

Vamos en­tão fa­lar de ou­tro ti­po de rou­bos e ou­tro gé­ne­ro de leis. Um dis­co ou um fil­me ven­di­do ho­je a mais de 20 ou 40 eu­ros aca­ba­rá os seus di­as num cai­xo­te de pro­mo­ções oi­to a dez ve­zes mais ba­ra­to – acon­te­ce com frequên­cia, es­tão a ver o di­le­ma, e eu fi­co a pen­sar por que ra­zão exis­te uma dis­cre­pân­cia tão gran­de en­tre os pre­ços, da­do que es­ta­mos a fa­lar do mes­mo pro­du­to e por­tan­to os cus­tos de pro­du­ção são os mes­mos. Bem sei que vi­ve­mos num mun­do em que a no­vi­da­de es­tá sem­pre in­fla­ci­o­na­da, mas parece-me que de­ve­ria exis­tir uma li­nha mui­to ní­ti­da que se­pa­ras­se opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio e abu­so de po­si­ção, mes­mo que es­te es­te­ja san­ci­o­na­do por lei.

Uma vez que os re­pre­sen­tan­tes da in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to são pes­so­as de bem, sem­pre do la­do da lei, he­si­to em di­zer que se tra­ta de um rou­bo – mes­mo sen­tin­do que os meus di­rei­tos de con­su­mi­dor são es­pe­zi­nha­dos por sa­pa­tos da mes­ma mar­ca que os se­nho­res usam.

No que res­pei­ta à ini­ci­a­ti­va de ho­je, es­ta­mos por­tan­to nu­ma si­tu­a­ção iro­ni­ca­men­te se­me­lhan­te: os se­nho­res usu­fru­em da pos­si­bi­li­da­de de fa­zer down­lo­ads ile­gais pa­ra de­nun­ci­ar a ac­ção im­pu­ne de um gru­po de la­drões; eu fa­ço exac­ta­men­te o mes­mo.

Marco Santos

­Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?