Bebi um ca­fé ao bal­cão en­quan­to es­prei­ta­va uma con­ver­sa ani­ma­da nu­ma das me­sas. Velhotes dis­cu­ti­am a II Guerra Mundial, Hitler, a Alemanha e a neu­tra­li­da­de por­tu­gue­sa.

Quando al­guém se mos­trou ali­vi­a­do por Portugal não ter en­tra­do na guer­ra, por­que de qual­quer mo­do te­ría­mos le­va­do por­ra­da, um dos ve­lho­tes, até en­tão si­len­ci­o­so, pa­re­ceu cho­ca­do. Inspirou uma gran­de quan­ti­da­de de ar e mer­gu­lhou a fun­do na con­ver­sa.

Pois sa­be vo­cê o que dis­se Hitler so­bre nós?» — Perguntou o or­gu­lho­so des­cen­den­te de Viriato, com as na­ri­nas di­la­ta­das pe­lo pa­tri­o­tis­mo. — «Se ti­ves­se ti­do sol­da­dos por­tu­gue­ses, dis­se ele, a Alemanha nun­ca te­ria per­di­do a guer­ra!»

Ninguém o con­tra­ri­ou, mas a ci­ta­ção atri­buí­da ao Führer pareceu-me pro­ble­má­ti­ca.

A guerra de Hitler que os outros perderam

Hitler com a sua cadela Blondi em 1939

Hitler com a sua ca­de­la Blondi em 1939.

Hitler só ad­mi­tiu que a guer­ra es­ta­va per­di­da quan­do o Exército Vermelho se en­con­tra­va a pou­cos qui­ló­me­tros do cen­tro de uma Berlim em ruí­nas. Só ad­mi­tiu que a Alemanha fo­ra der­ro­ta­da quan­do os so­vié­ti­cos es­ta­vam a um dia de al­can­çar a Chancelaria e o bun­ker on­de se re­fu­gi­a­ra.

Não sei se che­gou a ter tem­po de pen­sar em Portugal.

Cada vez mais his­té­ri­co e ins­tá­vel, Hitler ti­nha pas­sa­do os me­ses an­te­ri­o­res a con­sul­tar ma­pas e a man­dar avan­çar di­vi­sões de tro­pas que, na re­a­li­da­de, já não exis­ti­am.

Manteve a es­pe­ran­ça de uma re­vi­ra­vol­ta ope­rá­ti­ca até ao fim. Nas ru­as, mi­lha­res con­ti­nu­a­vam a mor­rer, ale­mães e rus­sos, ci­vis e mi­li­ta­res, ví­ti­mas das fic­ções de­li­ran­tes de um ho­mem que se via co­mo o he­rói de uma ópe­ra de Wagner.

A 29 de abril de 1945, ren­di­do às evi­dên­ci­as, acei­tou que a guer­ra es­ta­va per­di­da e cul­pou to­da a gen­te. Rodeara-se de in­com­pe­ten­tes, trai­do­res e co­bar­des, era a jus­ti­fi­ca­ção. Só ele per­ma­ne­ce­ra ino­cen­te.

Adeus, mundo cruel

Heinrich Hoffmann

Hitler pas­sa pe­las bra­sas ao la­do da aman­te Eva Braun | Foto: Heinrich Hoffmann

Por fim, de­ci­diu suicidar-se. Não que­ria cair nas mãos dos rus­sos. «Não vou ser apa­nha­do de sur­pre­sa por um tan­que rus­so a entrar-me no quar­to!» — Era o que cos­tu­ma­va di­zer com frequên­cia, nos úl­ti­mos tem­pos. Ser exi­bi­do em Moscovo nu­ma pa­ra­da hu­mi­lhan­te sob o olhar triun­fal de bol­che­vi­ques e ju­deus perturbava-o mais do que mor­rer.

Mandou vir um mé­di­co pa­ra tes­tar a cáp­su­la de áci­do prús­si­co na sua ca­de­la Blondi. Hitler não foi ca­paz de ver, só vol­tou quan­do o ani­mal já es­ta­va mor­to. Sempre mos­tra­ra mais afe­to pe­la ca­de­la do que por qual­quer ou­tro ser hu­ma­no com quem con­vi­via, in­cluin­do a aman­te de lon­ga da­ta Eva Braun.

Eva Braun, igual­men­te fi­el, de­ci­di­ra mor­rer com ele. No dia se­guin­te, a 30 de abril, com os rus­sos qua­se a che­gar ao bun­ker, en­tra­ram no ga­bi­ne­te de Hitler pa­ra de­sem­pe­nha­rem os seus pa­péis no ato fi­nal des­ta tra­gé­dia. A por­ta fechou-se e, du­ran­te dez mi­nu­tos, nin­guém se atre­veu a en­trar.

Ninguém sa­be o que dis­se Hitler an­tes de pe­gar nu­ma Walther de 7,65 mm e dis­pa­rar so­bre a têm­po­ra di­rei­ta. Talvez te­nha mur­mu­ra­do umas pa­la­vras de des­pe­di­da à aman­te. Talvez te­nha cul­pa­do os ju­deus pe­lo seu in­for­tú­nio.

O que não con­si­go é imaginá-lo no so­fá pres­tes a trin­car a cáp­su­la de ve­ne­no, com uma ar­ma apon­ta­da à ca­be­ça, a dedicar-nos as su­as úl­ti­mas pa­la­vras: «Sabes, Eva, se eu ti­ves­se sol­da­dos por­tu­gue­ses nun­ca te­ria per­di­do a guer­ra».

Portugal esteve na mira de Hitler

Hitler re­fe­riu Portugal du­ran­te um dis­cur­so de du­as ho­ras e vin­te mi­nu­tos a 28 de abril de 1939 no Reichtag, um par­la­men­to on­de os na­zis eram a úni­ca for­ça po­lí­ti­ca. Foi uma re­fe­rên­cia de pas­sa­gem.

Duas se­ma­nas an­tes, o pre­si­den­te dos EUA, Roosevelt, enviara-lhe uma men­sa­gem na sequên­cia da to­ma­da pe­la Alemanha na­zi da en­tão Checoslováquia.

A car­ta de Roosevelt ape­la­va a Hitler pa­ra que ga­ran­tis­se que não le­va­ria a ca­bo qual­quer ata­que nos 25 anos se­guin­tes con­tra uma lis­ta de trin­ta paí­ses, in­cluin­do Portugal.

Em tom jo­co­so, Hitler re­pe­tiu, um a um, os paí­ses que Roosevelt pe­di­ra pa­ra que não ata­cas­se, ar­ran­can­do gar­ga­lha­das de go­zo e es­cár­nio à au­di­ên­cia.

Verdade se­ja di­ta, Portugal es­te­ve por um fio um ano de­pois da­que­le dis­cur­so.

Em prin­cí­pio de se­tem­bro de 1940, o che­fe su­pre­mo da ma­ri­nha na­zi de­fen­dia co­mo pri­o­ri­da­de a des­trui­ção do po­der da Grã-Bretanha no Mediterrânio e no Próximo Oriente. Hitler con­cor­da­va.

A con­quis­ta de Gibraltar e do Canal de Suez, com a aju­da da Espanha, foi en­tão se­ri­a­men­te con­si­de­ra­da.

Hitler encontrou-se com o «Generalíssimo» Franco per­to da fron­tei­ra es­pa­nho­la. Queria dis­cu­tir a en­tra­da da Espanha na guer­ra ao la­do da Alemanha. O ali­nha­men­to es­pa­nhol com as for­ças do Eixo im­pli­ca­ria a in­va­são de Portugal, pa­ra im­pe­dir que os bri­tâ­ni­cos usas­sem os nos­sos por­tos.

O pla­no con­sis­tia em usar uma di­vi­são blin­da­da ale­mã pa­ra to­mar os por­tos de Setúbal e Lisboa, en­quan­to uma di­vi­são es­pa­nho­la avan­ça­ria pe­la cos­ta nor­te e uma di­vi­são ale­mã de in­fan­ta­ria mo­to­ri­za­da se­gui­ria pa­ra o sul do país.

Adelante, adelante, mi Führer

Hitler com Franco

Hitler com Franco

O pro­ble­ma des­te pla­no é que Franco pe­dia mui­to à Alemanha pa­ra en­trar na guer­ra.

O cau­di­lho es­pa­nhol que­ria Gibraltar, o Marrocos fran­cês e par­te da Argélia. Também pre­ten­dia am­pli­ar a Guiné es­pa­nho­la com a ilha de Fernando Pó, atu­al Bioco, na Guiné Equatorial. E exi­gia quan­ti­da­des exor­bi­tan­tes de ar­ma­men­to e co­mi­da.

Hitler não ti­nha na­da de subs­tan­ci­al a ofe­re­cer a Franco. As pre­ten­sões co­lo­ni­a­lis­tas es­pa­nho­las es­bar­ra­vam com os in­te­res­ses da França co­la­bo­ra­ci­o­nis­ta do ma­re­chal Pétain. Espanha não va­lia tan­ta cha­ti­ce.

Hitler não es­ta­va acos­tu­ma­do a li­dar com uma pes­soa co­mo Franco. Baixo, gor­do, tri­guei­ro, o es­pa­nhol fa­la­va pe­los co­to­ve­los. Hitler gos­ta­va de mo­nó­lo­gos que nin­guém po­dia in­ter­rom­per, des­de que fos­sem os de­le. E co­me­çou a fi­car ca­da vez mais im­pa­ci­en­te.

Quando Franco expôs as exi­gên­ci­as es­pa­nho­las, Hitler fi­cou tão ir­ri­ta­do que deu um pu­lo da ca­dei­ra e se afas­tou da me­sa. Não va­lia a pe­na pros­se­guir a con­ver­sa, dis­se. Acabaria por se acal­mar e vol­tar a sentar-se. A lon­ga reu­nião, con­tu­do, não le­va­ria a ne­nhu­ma con­clu­são prá­ti­ca.

«Não se con­se­gue na­da com es­te su­jei­to», res­mun­gou Hitler à saí­da.

O as­sun­to da Espanha e da in­va­são de Portugal fi­ca­ra en­cer­ra­do. Alguns di­as mais tar­de, Hitler encontrou-se com Mussolini em Florença. «Preferia que me ar­ran­cas­sem três ou qua­tro den­tes a ter de me su­jei­tar a mais no­ve ho­ras de con­ver­sa­ções com aque­le su­jei­to», con­fes­sou.

O chanceler tagarela

Hitler pre­fe­ria ser tor­tu­ra­do pe­lo den­tis­ta do que tor­tu­ra­do por um ta­ga­re­la es­pa­nhol. E as­sim se sa­fou Portugal de ser in­va­di­do.

Hitler pro­va­ra do seu pró­prio ve­ne­no. Os mais pró­xi­mos já sa­bi­am co­mo eram as noi­tes com o Führer: épi­cas ba­ta­lhas con­tra o bo­ce­jo. Alguns até dor­mi­am uma ses­ta à tar­de pa­ra se pre­pa­rem.

Hitler gos­ta­va de fa­lar. Fazia-o du­ran­te ho­ras e ho­ras, en­quan­to os con­vi­da­dos re­sis­ti­am es­toi­ca­men­te em so­fás ca­da vez me­nos con­for­tá­veis. A úni­ca for­ma de fazê-lo ca­lar era propor-lhe ou­vir mú­si­cas de com­po­si­to­res que ele gos­tas­se, so­bre­tu­do Wagner. Aí, fe­cha­va os olhos e en­tra­va em tran­se.

Temos as­sim a agra­de­cer ao «Generalíssimo» Franco. Conseguiu ser mais cha­to do que o pró­prio Hitler. E es­ta era uma pro­e­za que nin­guém na­que­le tem­po jul­ga­ria pos­sí­vel.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?