Palmyra, do ara­mai­co «Tadmor» (pal­mei­ra), ou­tro­ra com a al­cu­nha de «noi­va do de­ser­to», des­can­sa no cen­tro da Síria, num oá­sis lo­ca­li­za­do 210 km a nor­des­te de Damasco.

Paragem obri­ga­tó­ria pa­ra os nó­ma­das que atra­ves­sa­vam as arei­as da­que­le país, é ho­je um pon­to for­te pa­ra o tu­ris­mo da região.

A ci­da­de man­tém ruí­nas de tem­plos de­di­ca­dos a di­vin­da­des de vá­ri­as cul­tu­ras, en­tre elas a ba­bi­ló­ni­ca, a as­sí­ria e a me­so­po­tâ­mi­ca. É tal a mi­ría­de de in­fluên­ci­as que a UNESCO – que con­si­de­rou Palmyra pa­tri­mó­nio mun­di­al – in­di­ca que, já en­tre os sé­cu­los I e II da nos­sa era, a ca­tár­ti­ca po­vo­a­ção jun­ta­va ele­men­tos da cul­tu­ra greco-romana, lo­cais e persas.

Notável a im­po­nên­cia e até re­si­li­ên­cia da­que­las cons­tru­ções, a mai­o­ria eri­gi­da em ho­me­na­gem a uma pro­vá­vel ver­são do deus Baal, de­no­mi­na­da Bol, pro­tec­tor dos deu­ses do sol e da lua. Pode dizer-se que Palmyra era, no seu au­ge co­mer­ci­al e ci­vi­li­za­ci­o­nal, um ba­lu­ar­te da cul­tu­ra e ar­qui­tec­tu­ra mundiais.

Palmyra es­tá em pe­ri­go – o Estado is­lâ­mi­co aproxima-se e po­de dei­tar tu­do a per­der, em no­me daa des­trui­ção que já cau­sa­ram em Mosul, por exem­plo, e que pro­cu­ram le­gi­ti­mar di­zen­do que a lu­ta é con­tra a idolatria.

Não me alon­ga­rei quan­to à re­li­gião; es­tou a ler o Corão e te­rei opor­tu­ni­da­de de es­cre­ver um ar­ti­go de­di­ca­do ape­nas ao te­ma e fa­zer de­le um apa­nha­do, quan­do terminar.

Posso di­zer is­to: que­rer des­truir he­ran­ças des­tas não é re­li­gi­o­so, não é es­pi­ri­tu­al e não é hu­ma­no. Esse de­se­jo de ca­os não é pro­du­ti­vo e ape­nas vai trans­for­man­do ne­ga­ti­va­men­te a me­mó­ria do Homem, pri­van­do a sua ex­pe­ri­ên­cia de uma ma­gia que já es­cas­seia sem pre­ci­sar de uma es­cu­ri­dão deliberada.

Vamos ver. Palmyra so­bre­vi­veu a uma ten­ta­ti­va in­va­so­ra de Marco António em 41 AC e con­se­gui ser re­des­co­ber­ta após um ter­ra­mo­to em 1089, que pa­re­cia ter es­con­di­do o que de­la res­ta­va. Torçamos pa­ra que aguen­te uma (úl­ti­ma?) vez.

Ana Costa

Bitaite de Ana Costa

Cientista da informação. Escritora. Futura pobre e campista.