Situada no lo­cal on­de ho­je co­nhe­ce­mos o Sudão, Núbia sou­be po­ten­ci­ar os seus re­cur­sos e di­na­mi­zar o seu ter­ri­tó­rio, que se es­ten­deu pe­lo gran­di­o­so an­ti­go Egipto.

Já nos seus úl­ti­mos mo­men­tos de gló­ria, o Baixo Egipto foi in­va­di­do pe­los nu­bi­a­nos, sob a li­de­ran­ça de Piye. Como qual­quer deus pa­ter­na­lis­ta e pi­e­do­so, achou que, me­lhor do que ten­tar sal­var o im­pé­rio mo­ri­bun­do com pa­la­vras, era mes­mo tomá-lo à for­ça e com a bên­ção de Amón.

O sal­do da cam­pa­nha foi po­si­ti­vo – gran­je­ou ter­ras, hon­ras, ad­mi­ra­ção e me­do, nu­ma al­tu­ra em que a re­tó­ri­ca não ti­nha a ca­pa­ci­da­de de abar­ca­men­to tão glo­bal co­mo o que se con­se­gue no nos­so mun­do tec­no­ló­gi­co. Brutalidade era po­der pu­ro, san­gue era mo­e­da e o gi­gan­tis­mo (ou não) de um país não se via em nú­me­ros num ecrã de uma pra­ça bol­sis­ta qualquer.

Avancemos uns séculos

No mes­mo séc. XX em que se co­me­ça­ram a es­ca­var as ma­ra­vi­lhas ar­que­o­ló­gi­cas ali es­que­ci­das, a men­ta­li­da­de era tal que se che­gou a su­ge­rir não po­der ter si­do pos­sí­vel que pes­so­as de pe­le es­cu­ra pu­des­sem cons­truir tais por­ten­tos de empreitada.

A História pro­vou o er­ro, co­mo se sa­be. Não só os nu­bi­a­nos, co­mo tam­bém os egíp­ci­os, ti­nham a pe­le de uma tez o bas­tan­te afas­ta­da do co­pi­nho de lei­te pa­ra se po­der ne­gar qual­quer te­o­ria de su­pre­ma­cia bran­ca, con­tra ar­gu­men­tos que até Hitler ten­tou usar.

Gebel Barkal, por exemplo, é considerada uma área de valor universal pela UNESCO.

Gebel Barkal, por exem­plo, é con­si­de­ra­da uma área de va­lor uni­ver­sal pe­la UNESCO.

Entretanto, a nar­ra­ti­va é cons­ti­tuí­da pe­la saí­da for­ça­da dos nu­bi­a­nos, de­vi­do à cons­tru­ção de uma bar­ra­gem pe­las au­to­ri­da­des egíp­ci­as, con­fli­tos cul­tu­rais e na­ci­o­nais e uma ci­vi­li­za­ção di­vi­di­da ge­o­grá­fi­ca e re­li­gi­o­sa­men­te, mas que dei­xa um le­ga­do imenso.

Hoje, aque­la zo­na é mar­ca­da por pi­râ­mi­des es­que­ci­das e afas­ta­das de to­da e qual­quer ci­vi­li­za­ção, man­ten­do ain­da a au­ra de mis­té­rio e do sa­gra­do pe­la qual se pro­cu­rou caracterizar.

Belas, im­po­nen­tes e inin­te­li­gí­veis aos olhos ac­tu­ais, co­mo é tu­do o que fi­ca pa­ra sem­pre, nem que se­ja só na me­mó­ria, mes­mo fa­ce a fa­na­tis­mos de to­da e qual­quer es­pé­cie. Os im­pé­ri­os reciclam-se; a Terra re­a­ge e sobrevive.

Ana Costa

Bitaite de Ana Costa

Cientista da informação. Escritora. Futura pobre e campista.