Nós sentimo-nos sem­pre mais jo­vens do que re­al­men­te so­mos. Trago den­tro de mim pró­prio os meus ros­tos an­te­ri­o­res, tal co­mo a ár­vo­re con­tém os seus anéis. A so­ma de­les sou eu. O es­pe­lho ape­nas vê o meu ros­to mais re­cen­te, en­quan­to que eu co­nhe­ço to­dos os meus ros­tos an­te­ri­o­res.

Tomas Transtromer


Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Tom Hussey

Nascemos, cres­ce­mos, en­ve­lhe­ce­mos e mor­re­mos — com al­gu­ma sor­te, pe­lo meio ain­da che­ga­mos a vi­ver. A di­fi­cul­da­de em con­ci­li­ar uma Natureza im­pi­e­do­sa que tan­to cei­fa a ví­ti­ma co­mo o fa­cí­no­ra com o nos­so apu­ra­do sen­ti­do de au­toim­por­tân­cia, levou-nos a cri­ar um sis­te­ma de cren­ças. E es­sas cren­ças asseguram-nos que as leis do Universo po­dem ser adul­te­ra­das ou eli­mi­na­das a nos­so fa­vor.

Afinal so­mos es­pe­ci­ais. Somos mui­to es­per­tos. Temos uma cons­ci­ên­cia de nós mes­mos que ne­nhum ser vi­vo na Terra tem. A nos­sa in­te­li­gên­cia parece-nos tão es­pe­ci­al que nos dá a ilu­são de ocu­par­mos um lu­gar apar­te no Universo. Tudo nas­ce e mor­re — até o pró­prio Universo, pos­si­vel­men­te. Mas nós, não.

A mor­te bi­o­ló­gi­ca não é o nos­so fim. O nos­so cor­po é ape­nas um in­vó­lu­cro bi­o­ló­gi­co de ou­tro cor­po. Este cor­po é ima­te­ri­al e in­tan­gí­vel. É a al­ma.

Tudo o que so­mos e sen­ti­mos — as nos­sas me­mó­ri­as, amo­res, pai­xões, sau­da­des, de­si­lu­sões — es­tá con­ti­do num ór­gão cha­ma­do cé­re­bro e em 86 mi­lhões de neu­ró­ni­os co­nec­ta­dos en­tre si. Mas, por pre­ci­sar­mos de­ses­pe­ra­da­men­te de exis­tir e re­co­nhe­cer que exis­ti­mos, acre­di­ta­mos que o de­sa­pa­re­ci­men­to do cé­re­bro não im­pli­ca o de­sa­pa­re­ci­men­to da nos­sa iden­ti­da­de.

Daqui a cen­te­nas, mi­lha­res de anos, tal­vez um mi­lhão, se con­se­guir­mos so­bre­vi­ver à nos­sa pró­pria es­tu­pi­dez, a Ciência des­co­bri­rá uma for­ma de nos man­ter vi­vos eter­na­men­te. Acabar-se-á o so­no eter­no. Começará a Era da Insónia. Deus dei­xa­rá de ser ne­ces­sá­rio e aca­ba­rá por mor­rer de té­dio.

Talvez nes­se fu­tu­ro lon­gín­quo che­gue­mos à con­clu­são de que vi­ver pa­ra sem­pre não é as­sim tão im­por­tan­te. Ou tal­vez o nos­so des­ti­no se­ja o de nos tor­nar­mos deu­ses — não atra­vés da Religião, mas atra­vés do en­ten­di­men­to do mun­do fí­si­co que só a Ciência nos dá.

Tom Hussey e a surpresa de viver

Até lá, va­mos en­ve­lhe­cen­do, con­de­na­dos a con­tem­plar a nos­sa mor­ta­li­da­de ao es­pe­lho. Às ve­zes vamo-nos ha­bi­tu­an­do e acei­ta­mos o ine­vi­tá­vel, ou­tras so­mos sur­pre­en­di­dos.

Num cer­to dia, o fo­tó­gra­fo ame­ri­ca­no Tom Hussey co­nhe­ceu um des­ses ho­mens apa­nha­dos de sur­pre­sa pe­la pas­sa­gem do tem­po. Era um ve­te­ra­no da II Guerra Mundial. Tinha 80 anos e recusava-se a acei­tar a ida­de do cor­po por se sen­tir ain­da men­tal­men­te jo­vem.

Eis mais uma das par­ti­das do nos­so cé­re­bro: acre­di­tar que a men­te es­tá se­pa­ra­da do cor­po, co­mo se o que pen­sa­mos e sen­ti­mos pu­des­se so­bre­vi­ver à mor­te fí­si­ca. Tom Hussey te­ve en­tão a ideia de cri­ar uma sé­rie de fo­to­gra­fi­as pa­ra ilus­trar es­ta se­pa­ra­ção.

Hussey fo­to­gra­fa pes­so­as con­tem­plan­do as su­as ver­sões mais jo­vens com ca­ri­nho e ge­ne­ro­si­da­de. Apesar da ób­via en­ce­na­ção em al­gu­mas, não dei­xa de ser uma sé­rie co­mo­ve­do­ra de fo­tos: mais tar­de ou mais ce­do, to­dos con­tem­pla­re­mos os vá­ri­os ros­tos do nos­so pas­sa­do com sau­da­de ou al­gu­ma tris­te­za, sa­ben­do que não po­de­mos vol­tar atrás.

Alguns sentir-se-ão ten­ta­dos a di­zer umas quan­tas ver­da­des aos jo­vens ros­tos re­fle­ti­dos nos es­pe­lhos, sa­ben­do mui­to bem que nun­ca po­de­rão ser ou­vi­dos. Outros con­tem­pla­rão os es­pe­lhos com a cons­ci­ên­cia de que con­se­gui­ram fa­zer exa­ta­men­te aqui­lo que, ao prin­cí­pio, ti­nham me­do de fa­zer. E, as­sim, vi­ve­ram.

Até nos tor­na­mos deu­ses, não po­de­mos es­pe­rar mui­to mais. E já é mui­to.

Tom Hussey

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?