Ao ob­ser­var o fo­to­jor­na­lis­ta Paulo Nunes dos Santos nes­ta fo­to ti­ra­da por Pete Muller du­ran­te uma ma­ni­fes­ta­ção da Irmandade Muçulmana, no Egito, é di­fí­cil não evo­car as pa­la­vras de Truman Capote, en­tão um jor­na­lis­ta de 22 anos, quan­do acom­pa­nhou Henri Cartier-Bresson em 1946 nu­ma re­por­ta­gem em New Orleans:

«Dançava na cal­ça­da co­mo uma li­bé­lu­la in­qui­e­ta, três gran­des Leica pen­du­ra­das ao pes­co­ço, a quar­ta co­la­da ao olho, tac-tac-tac (a má­qui­na pa­re­ce fa­zer par­te do seu cor­po), dis­pa­ran­do cli­ques com uma in­ten­sa ale­gria e uma con­cen­tra­ção re­li­gi­o­sa de to­do o seu ser.»

Não pos­so di­zer se Paulo Nunes dos Santos tem dan­ça­do nas cal­ça­das do mun­do co­mo uma li­bé­lu­la in­qui­e­ta, à ma­nei­ra do pai de to­dos os fo­to­jor­na­lis­tas, mas a de­di­ca­ção ao ofí­cio e a con­cen­tra­ção re­li­gi­o­sa de que fa­la­va Capote tam­bém são vi­sí­veis no fo­tó­gra­fo por­tu­guês: tal­vez não ha­ja ou­tra for­ma de se es­tar nes­ta profissão.

Paulo Nunes dos Santos

22 de no­vem­bro de 2011: con­fron­tos en­tre ma­ni­fes­tan­tes e po­lí­cia no Cairo

Aos 37 anos, ao ser­vi­ço do se­ma­ná­rio Expresso ou de pu­bli­ca­ções in­ter­na­ci­o­nais, já vi­veu o su­fi­ci­en­te pa­ra vá­ri­as vi­das. Eis al­guns exem­plos: acom­pa­nhou o Exército Popular de Libertação do Sudão du­ran­te a se­gun­da guer­ra ci­vil no país, a lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia dos po­vos Nuba, fo­to­gra­fou na Birmânia, tes­te­mu­nhou a lu­ta dos re­bel­des no Mali, es­te­ve no Saara Ocidental com os com­ba­ten­tes da Frente Polisário, do­cu­men­tou a re­vo­lu­ção egíp­cia, acom­pa­nhou a re­be­lião que der­ru­bou Khadafi na Líbia e as for­ças que ten­tam der­ru­bar Bashar al-Assad na Síria.

E tam­bém es­te­ve na Ucrânia, em Kiev, no cen­tro de uma san­gren­ta ba­ta­lha que pro­vo­cou 119 mor­tos en­tre ma­ni­fes­tan­tes e po­lí­ci­as, e fe­riu 136 jornalistas.

Paulo Nunes dos Santos

Acompanhando a eva­cu­a­ção de um re­bel­de fe­ri­do por um ati­ra­dor fur­ti­vo em Zawiyah, na Líbia

Paulo Nunes dos Santos é co­mo aque­les ca­ça­do­res de tem­pes­ta­des que ve­mos nos do­cu­men­tá­ri­os do National Geographic: vi­a­ja de um la­do pa­ra o ou­tro do mun­do do­cu­men­tan­do os tro­vões da mul­ti­dão, os re­lâm­pa­gos nos ca­nos das es­pin­gar­das, os fu­ra­cões po­lí­ti­cos, so­ci­ais, eco­nó­mi­cos ou re­li­gi­o­sos que po­dem vi­rar um país de per­nas pa­ra o ar ou de­vas­tar o cen­tro de uma ci­da­de mi­le­ná­ria co­mo Kiev. Ao mes­mo tem­po, ten­ta evi­tar ser apa­nha­do pe­la tor­men­ta, ca­mi­nhan­do tan­to quan­to pos­sí­vel en­tre as go­tas da chuva.

Entrevistei-o por ter ado­ra­do o seu port­fó­lio e por que­rer sa­ber mais so­bre a na­tu­re­za e as cir­cuns­tân­ci­as do seu tra­ba­lho. A na­tu­ra­li­da­de com que men­ci­o­na epi­só­di­os que re­ben­ta­ri­am os ner­vos a qual­quer ou­tra pes­soa já diz mui­to da ex­pe­ri­ên­cia que ga­nhou ao lon­gos dos anos: Paulo Nunes dos Santos re­cor­da os mo­men­tos em que es­te­ve per­to de mor­rer, o que se pas­sa na ca­be­ça de um fo­to­jor­na­lis­ta quan­do es­tá a fo­to­gra­far si­tu­a­ções tão ex­tre­mas, co­mo li­dar com a vi­o­lên­cia que o ro­deia e de que for­ma pro­cu­ra con­ci­li­ar uma vi­da de nó­ma­da com a con­di­ção de pai de família.

Teria si­do uma con­ver­sa mui­to ani­ma­da e re­ple­ta de dú­zi­as de per­gun­tas se ti­vés­se­mos ti­do opor­tu­ni­da­de de nos en­con­trar­mos pes­so­al­men­te – mas ele vi­ve em Dublin, na Irlanda, pe­lo que a úni­ca for­ma de con­se­guir a en­tre­vis­ta era en­vi­an­do as per­gun­tas por email. Mas va­leu a pe­na, por­que além de fo­to­gra­far ele tam­bém es­tá à von­ta­de a es­cre­ver – de res­to, é um ca­so pou­co ha­bi­tu­al en­tre fo­to­jor­na­lis­tas, pois tan­to fo­to­gra­fa co­mo es­cre­ve as re­por­ta­gens. Um dia, tal­vez, reu­ni­rá to­das es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as em livro.

Segue-se a en­tre­vis­ta. Todas as fo­tos – ex­ce­to a que abre o ar­ti­go – são da au­to­ria de Paulo Nunes dos Santos.

Paulo Nunes dos Santos

24 de ja­nei­ro: Um Apocalypse Now em Kiev, com os con­fron­tos per­to do es­tá­dio da prin­ci­pal equi­pa da capital.

Como con­se­gue con­ci­li­ar um tra­ba­lho que nor­mal­men­te é fei­to por du­as pes­so­as? E sen­do vo­cê si­mul­ta­ne­a­men­te fo­tó­gra­fo e jor­na­lis­ta, qual é a sua po­si­ção pe­ran­te a ex­pres­são ‘uma ima­gem va­le mais do que 1000 palavras?’

Paulo Nunes dos Santos – Essa é uma per­gun­ta que me é fei­ta mui­tas ve­zes, prin­ci­pal­men­te por co­le­gas e ami­gos fotógrafos.

Levou-me al­gum tem­po até con­se­guir con­ci­li­ar em har­mo­nia o tra­ba­lho de es­cri­ta com a fo­to­gra­fia. Por ve­zes con­ti­nua a ser um de­sa­fio. E em mui­tas oca­siões sou for­ça­do a to­mar a de­ci­são se “ho­je” tra­ba­lho na fun­ção de re­pór­ter ou fo­tó­gra­fo. Tudo de­pen­de das cir­cuns­tân­ci­as e da ne­ces­si­da­de, cla­ro es­tá. Por ve­zes é pos­sí­vel fa­zer os dois em si­mul­tâ­neo sem afe­tar a qua­li­da­de do tra­ba­lho. Outras is­so não é pos­sí­vel. Nestes úl­ti­mos ca­sos, dis­po a ca­pa de fo­tó­gra­fo e tra­ba­lho só co­mo re­pór­ter, ou vice-versa. Mas há oca­siões on­de es­tou sim­ples­men­te de ser­vi­ço co­mo fo­tó­gra­fo. Aí as coi­sas tornam-se um pou­co mais fáceis.

O fac­to de o meu tra­ba­lho co­mo es­cri­tor ser em 99 por cen­to dos ca­sos um tra­ba­lho de re­por­ta­gem dá-me a pos­si­bi­li­da­de de con­ti­nu­ar a fo­to­gra­far en­quan­to es­tou no ter­re­no a ob­ser­var a his­tó­ria em que es­tou a tra­ba­lhar. Se ti­ves­se de es­cre­ver no­ti­ci­as diá­ri­as se­ria mais com­pli­ca­do. Tenho a sor­te de co­la­bo­rar, na mai­o­ria das ve­zes, com uma pu­bli­ca­ção que me pe­de ex­clu­si­va­men­te re­por­ta­gens. Falo do se­ma­ná­rio Expresso, com o qual te­nho uma re­la­ção mui­to boa, e pa­ra o qual me dá um pra­zer enor­me es­cre­ver em ex­clu­si­vo em Portugal. O Expresso, em par­ti­cu­lar o edi­tor Rui Cardoso, jun­ta­men­te com to­da a equi­pa do Internacional, não só me tem aca­ri­nha­do imen­so ao lon­go dos anos, co­mo me tem tam­bém pro­por­ci­o­na­do cres­cer pro­fis­si­o­nal­men­te. Estou-lhes mui­to gra­tos pe­la con­fi­an­ça que têm de­po­si­ta­do em mim.

Não so­mos má­qui­nas. A te­o­ria de que o jor­na­lis­ta não de­ve nun­ca deixar-se afe­tar emo­ci­o­nal­men­te pe­lo su­jei­to que es­tá a do­cu­men­tar é to­tal­men­te descabida.

Quanto à ques­tão da ima­gem va­ler mais do que mil pa­la­vras, pen­so ser uma ex­pres­são cli­ché que nem sem­pre cor­res­pon­de à re­a­li­da­de. Veja-se, por exem­plo, a ima­gem do John Stanmeyer, ven­ce­do­ra da edi­ção des­te ano do World Press Photo. É uma fo­to fan­tás­ti­ca, mas se não es­ti­ver con­tex­tu­a­li­za­da mui­to di­fi­cil­men­te se­rá pos­sí­vel in­ter­pre­tar o seu conteúdo.

No en­tan­to, não se po­de ne­gar o va­lor da fo­to­gra­fia em ge­ral. São do­cu­men­tos que fi­cam pa­ra a his­tó­ria. Daqui a 10, 20 ou 30 anos pou­cos se­rão os que se irão lem­brar de qual­quer re­por­ta­gem fa­bu­lo­sa pu­bli­ca­da so­bre a guer­ra na Síria. Ou mes­mo al­gum dos imen­sos ví­de­os que mos­tra­ram a de­vas­ta­ção cau­sa­da pe­lo sis­mo no Haiti ou as chei­as no Paquistão. No en­tan­to, ha­ve­rá sem­pre al­guém que se re­cor­da­rá de fo­tos que se tor­na­ram íco­nes des­ses mes­mos eventos.

Momentos decisivos, momentos intensos

Paulo Nunes dos Santos

23 de agos­to de 2011: re­bel­des ce­le­bram a to­ma­da da for­ti­fi­ca­ção de Bab Al Azizia em Trípoli.

Cobriu a ba­ta­lha de Aleppo na Síria, a mar­cha pa­ra Trípoli dos re­bel­des na Líbia, os pro­tes­tos na cha­ma­da re­vo­lu­ção egíp­cia e ago­ra os acon­te­ci­men­tos em Kiev, en­tre mui­tos ou­tros. Qual des­tes ser­vi­ços sen­tiu co­mo o mais ar­ris­ca­do, e porquê?

P. N. S. – Cobrir a guer­ra na Líbia foi bas­tan­te ar­ris­ca­do. Foi al­go de no­vo que a mai­o­ria dos jor­na­lis­tas nun­ca ti­nha ti­do a pos­si­bi­li­da­de de ex­pe­ri­men­tar. Não ha­via li­mi­tes. O aces­so à fren­te de com­ba­te era al­go que qual­quer um po­dia ter. Até da­da al­tu­ra do con­fli­to os re­bel­des per­mi­ti­am tudo.

Muitos – prin­ci­pal­men­te jor­na­lis­tas em iní­cio de car­rei­ra – fi­ca­ram mal ha­bi­tu­a­dos com a ex­pe­ri­ên­cia na Líbia. Consequentemente, um ano de­pois co­me­çou a ocor­rer na Síria o que nun­ca an­tes acon­te­ce­ra em tão gran­de nú­me­ro: jor­na­lis­tas mor­tos ou rap­ta­dos, al­guns des­tes ami­gos meus, bas­tan­te ex­pe­ri­en­tes na co­ber­tu­ra de con­fli­to, e por quem eu te­nho mui­ta estima.

Certas si­tu­a­ções não me afe­tam do mes­mo mo­do que me afe­ta­vam há uns anos. Pensei bas­tan­te nis­so na úl­ti­ma se­ma­na em Kiev quan­do vi vá­ri­as pes­so­as ba­le­a­das e cor­pos trans­por­ta­dos pe­las ruas.

Pela per­da de co­le­gas e ami­gos, di­fi­cul­da­de de aces­so e des­con­fi­an­ça por par­te das for­ças re­bel­des, a Síria tem si­do a his­tó­ria mais ar­ris­ca­da que al­gu­ma vez co­bri. Não ne­ces­sa­ri­a­men­te Aleppo, on­de pas­sei por mui­tas di­fi­cul­da­des, tes­te­mu­nhei um ní­vel de vi­o­lên­cia bru­tal e on­de qua­se per­di a vi­da em vá­ri­as ocasiões.

O mo­men­to mais di­fí­cil foi mes­mo quan­do en­trei no país pe­la pri­mei­ra vez em Janeiro de 2012, com aju­da de tra­fi­can­tes de ar­mas nas mon­ta­nhas da Turquia. Foi in­ten­so a ní­vel fí­si­co e psi­co­ló­gi­co. Especialmente por­que nes­sa al­tu­ra ti­nham si­do mui­to pou­cos os jor­na­lis­tas es­tran­gei­ros a ter aces­so à for­ças re­bel­des. Havia mui­ta des­con­fi­an­ça e os re­bel­des qua­se não ti­nham ar­mas. Controlavam ape­nas meia dú­zia de vi­las na pro­vín­cia de Idlib.

Foi com­pli­ca­do en­trar no país. Os dez di­as que pas­sei nes­sa zo­na fo­ram mui­to in­ten­sos. E a saí­da foi ain­da pi­or com a po­li­cia tur­ca a dis­pa­rar so­bre mim e os tra­fi­can­tes du­ran­te a noi­te en­quan­to es­ta­va pre­so em ara­me far­pa­do no meio de um la­ma­çal. Foi intenso!

Quando a frieza é assustadora

, perto da Praça da Independência. | Foto:

24 de ja­nei­ro: Manifestantes ata­cam a po­lí­cia anti-motim às por­tas do es­tá­dio do Dínamo de Kiev, per­to da Praça da Independência.

O sui­cí­dio de Kevin Carter po­de ser­vir co­mo um «avi­so» aos no­va­tos, um exem­plo dos pe­ri­gos de se fo­to­gra­far de­ma­si­a­do per­to as mi­sé­ri­as hu­ma­nas? Até que pon­to se dei­xa afe­tar pes­so­al­men­te pe­lo que fotografa?

P. N. S. – Obviamente que tes­te­mu­nhar cer­tas atro­ci­da­des e mi­sé­ria hu­ma­na nos afe­ta. Algo es­ta­ria de mui­to er­ra­do se as­sim não fos­se. Não so­mos ma­qui­nas. Somos se­res hu­ma­nos com emo­ções. Aquela te­o­ria de que o jor­na­lis­ta não de­ve em mo­men­to al­gum deixar-se afe­tar emo­ci­o­nal­men­te pe­lo su­jei­to que es­tá a do­cu­men­tar é to­tal­men­te des­ca­bi­da. Ser ob­je­ti­vo, sim; despirmo-nos por com­ple­to do nos­so la­do ra­ci­o­nal e emo­ci­o­nal, não faz sentido.

Claro es­tá que nem to­da a gen­te li­da ou re­a­ge do mes­mo mo­do pe­ran­te ce­ná­ri­os me­nos agra­dá­veis. Mas não te­nho dú­vi­das de que a câ­me­ra ser­ve de es­cu­do ou fil­tro emo­ci­o­nal quan­do nos de­pa­ra­mos com si­tu­a­ções que não nos são ne­ces­sa­ri­a­men­te fa­mi­li­a­res ou que não fa­zem par­te do nos­so dia-a-dia.

Noto que cer­tas si­tu­a­ções não me afe­tam do mes­mo mo­do que me afe­ta­vam há uns anos. Pensei nis­so bas­tan­te na úl­ti­ma se­ma­na em Kiev quan­do vi vá­ri­as pes­so­as sen­do ba­le­a­das à mi­nha fren­te e cor­pos trans­por­ta­dos pe­las ru­as. A mi­nha pre­o­cu­pa­ção ime­di­a­ta, pa­ra além de ga­ran­tir a mi­nha se­gu­ran­ça, foi mes­mo a de fa­zer os me­lhor en­qua­dra­men­tos possíveis.

Estive vá­ri­as ve­zes de­bai­xo da mi­ra de ati­ra­do­res fur­ti­vos, com ba­las a pas­sar a cen­tí­me­tros da mi­nha ca­be­ça. Vi mui­ta gen­te a ser mor­ta à mi­nha frente.

Só mais tar­de quan­do es­ta­va a edi­tar é que co­me­cei a pen­sar que re­al­men­te to­da aque­la vi­o­lên­cia a que ti­ve ex­pos­to umas ho­ras an­tes co­me­ça a ser tão ha­bi­tu­al que já não me afe­ta co­mo me afe­ta­va no iní­cio da mi­nha car­rei­ra. Por um la­do, é bom con­se­guir man­ter con­tro­lo da si­tu­a­ção sob tal ce­ná­rio; por ou­tro, depararmo-nos com tan­ta fri­e­za da nos­sa par­te que po­de ser um pou­co assustador.

Quando es­tou de vol­ta a ca­sa ten­to não pen­sar no que tes­te­mu­nhei quan­do es­ti­ve em tra­ba­lho. Tenho con­se­gui­do dei­xar pa­ra trás es­sa ba­ga­gem emo­ci­o­nal e fa­ço ques­tão de não dei­xar que me afe­te no dia-a-dia quan­do es­tou em am­bi­en­te de fa­mí­lia. Até ago­ra tem fun­ci­o­na­do. Espero que con­ti­nue por mui­tos mais anos. No dia em que sen­tir que me afe­ta de­ma­si­a­do, tal­vez se­ja o dia em que dei­xe de me ex­por a si­tu­a­ções destas.

Penso que Kevin Carter se­ria uma pes­soa com ou­tros pro­ble­mas, pa­ra além de es­tar afe­ta­do pe­los hor­ro­res da guer­ra. Duvido que te­nha si­do o que tes­te­mu­nhou no Sudão do Sul a levá-lo ao sui­cí­dio. É fá­cil cul­par a pro­fis­são pe­lo su­ce­di­do, mas acho que es­sa te­o­ria foi lan­ça­da cá pa­ra fo­ra por gen­te que mal o conhecia.

Paulo Nunes dos Santos

Paulo Nunes dos Santos

26 de ja­nei­ro: cho­ran­do Mikhail Zhiznevsky, ma­ni­fes­tan­te de 25 anos mor­to du­ran­te os con­fron­tos com a po­lí­cia em Kiev.

De Robert CapaChris Hondros, o fo­to­jor­na­lis­mo es­tá cheio de exem­plos de gran­des fo­to­jor­na­lis­tas que per­de­ram a vi­da a fo­to­gra­far. Pensou nis­so quan­do es­te­ve na Síria, na Líbia ou em Kiev?

P. N. S. – Sim, sem du­vi­da. Estou sem­pre cons­ci­en­te dos ris­cos que to­mo. E pen­so que o fac­to de es­tar sem­pre cons­ci­en­te des­ses ris­cos me tem ’sal­vo’ de si­tu­a­ções mais gra­ves. Estive vá­ri­as ve­zes de­bai­xo da mi­ra de ati­ra­do­res fur­ti­vos, com ba­las a pas­sar a cen­tí­me­tros da mi­nha ca­be­ça. Vi mui­ta gen­te a ser mor­ta à mi­nha fren­te. Tive um avião de com­ba­te a dis­pa­rar mís­seis di­rec­ta­men­te con­tra o car­ro em que se­guia. Tive tam­bém mor­tei­ros a cair a pou­cos me­tros do meu abri­go. Atravessei inú­me­ras ve­zes fron­tei­ras ile­gal­men­te na com­pa­nhia de tra­fi­can­tes de ar­mas e re­bel­des. Fui pre­so, in­ter­ro­ga­do, agre­di­do e acu­sa­do de es­pi­o­na­gem pe­los ser­vi­ços se­cre­tos no Yemen.

Mas pos­so ga­ran­tir que es­ta­ria a men­tir se dis­ses­se que nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça que a mi­nha ho­ra ti­nha che­ga­do. Não há he­róis quan­do se faz um tra­ba­lho des­tes. Muitas ve­zes passa-se mui­to me­do. Se al­guém al­gu­ma vez dis­ser que não tem me­do de es­tar em si­tu­a­ções des­tas, das du­as uma: es­tá a men­tir ou há al­go de mui­to er­ra­do na ca­be­ça des­sa pessoa.

Pornografia para fotojornalistas

Paulo Nunes dos Santos

24 de ja­nei­ro: pro­tes­tos per­to do es­tá­dio do Dínamo de Kiev.

Fala-se mui­to no mo­men­to de­ci­si­vo na fo­to­gra­fia. Qual foi o seu «mo­men­to de­ci­si­vo» a par­tir do qual de­ci­diu: ‘pron­to, é is­to que eu que­ro fa­zer na vi­da, ser fotojornalista’?

P. N. S. – É di­fí­cil de­fi­nir um “mo­men­to de­ci­si­vo” que me te­nha le­va­do a que­rer ser fotojornalista.

Sempre me lem­bro de ter al­gum in­te­res­se por fo­to­gra­fia, par­ti­cu­lar­men­te por fo­to­gra­fia de re­por­ta­gem, mas sem nun­ca ter fo­to­gra­fa­do. Sempre gos­tei imen­so de ver fil­mes e sé­ri­es te­le­vi­si­vas so­bre jor­na­lis­tas e fo­tó­gra­fos de guer­ra. Delirei quan­do, ain­da ado­les­cen­te, vi «Salvador» do Oliver Stone, «Under Fire» com o Nick Nolte, e «The Killing Fields», um fil­me ba­se­a­do nu­ma re­por­ta­gem es­cri­ta por Sidney Schanberg pa­ra o The New York Times, so­bre a re­ti­ra­da do exér­ci­to norte-americano do Vietname. Pornografia pa­ra fo­to­jor­na­lis­tas, co­mo eu lhe gos­to de chamar.

Mas te­rá si­do du­ran­te o tem­po de Universidade que o in­te­res­se pe­lo fo­to­jor­na­lis­mo cres­ceu e se tor­nou em al­go mais im­por­tan­te na mi­nha vi­da. Foi aí que co­me­cei a ver a fo­to­gra­fia co­mo uma fer­ra­men­ta de tra­ba­lho ide­al pa­ra ilus­trar as re­por­ta­gens que ia es­cre­ven­do. Quando de­ci­di tornar-me fre­e­lan­cer, ape­nas um ano após ter con­cluí­do o cur­so uni­ver­si­tá­rio, dei­xei o país e co­me­cei a vi­a­jar pe­lo mun­do fo­ra, na mai­o­ria das ve­zes so­zi­nho mas sem­pre acom­pa­nha­do por uma câ­me­ra fotográfica.

Com as vi­a­gens, a pai­xão pe­la fo­to­gra­fia cres­ceu ain­da mais e de re­pen­te vi-me nu­ma po­si­ção em que o meu tra­ba­lho es­ta­va re­par­ti­do en­tre a es­cri­ta e a ima­gem. Um com­ple­men­tan­do sem­pre o outro.

Tenho um fi­lho de qua­tro anos e meio de ida­de. É a mai­or pre­ci­o­si­da­de que te­nho na vi­da. Ainda mal sa­bia fa­lar, pediu-me um atlas enor­me na pa­re­de do quar­to, pa­ra sa­ber on­de eu vou quan­do viajo.

Quem me co­nhe­ce des­de cri­an­ça sa­be que sem­pre quis vi­a­jar, co­nhe­cer o mun­do. Cresci nu­ma zo­na ru­ral em Trás-os-Montes, nu­ma al­tu­ra em que aque­la zo­na do país ain­da es­ta­va mui­to iso­la­da. Sou fi­lho de gen­te que veio de África. Apesar de gos­tar mui­to de Trás-os-Montes e Portugal, nun­ca me sen­ti em ca­sa. Talvez pe­lo fac­to de ter re­ce­bi­do uma edu­ca­ção em ca­sa mui­to di­fe­ren­te da gen­te lá da terra.

Sempre sou­be que as­sim que pu­des­se iria ver o mun­do, e a pro­fis­são de jornalista/fotojornalista fre­e­lan­ce foi a pla­ta­for­ma ide­al pa­ra per­se­guir es­se sonho.

Não foi nem é fá­cil. Sobreviver nes­ta pro­fis­são é com­pli­ca­do. Principalmente quan­do se tem uma fa­mí­lia e ca­sa pa­ra sus­ten­tar. Vivo na Irlanda há cer­ca de 12 anos, on­de a vi­da não é na­da ba­ra­ta. Nunca me pas­sou pe­la ca­be­ça que um dia me es­ta­be­le­ce­ria aqui, mas a mi­nha mu­lher é de Dublin e is­so é ra­zão su­fi­ci­en­te pa­ra aqui con­ti­nu­ar. Conhecia-a na Grécia há mui­tos anos e re­sol­vi vir cá visitá-la, mas com bi­lhe­te de vin­da ape­nas. Gostei imen­so da vi­da por aqui e re­sol­vi fi­car. Agora sin­to que a mi­nha ca­sa é aqui mesmo.

Paulo Nunes dos Santos

25 de ja­nei­ro: mo­men­tos de ora­ção em Kiev.

Se um dia, num fu­tu­ro mui­to dis­tan­te, qui­ser con­tar uma his­tó­ria aos seus ne­tos re­la­ci­o­na­da com o seu tra­ba­lho co­mo fo­to­jor­na­lis­ta, que his­tó­ria contará?

P. N. S. – Tenho um fi­lho de qua­tro anos e meio de ida­de. É a mai­or pre­ci­o­si­da­de que te­nho na vi­da e al­guém com quem par­ti­lho imen­sa cum­pli­ci­da­de. Apesar de ser ain­da mui­to pe­que­no, es­tá sem­pre in­te­res­sa­do em sa­ber on­de vou e o que fa­ço. Ainda mal sa­bia fa­lar, pediu-me pa­ra co­lo­car um atlas enor­me na pa­re­de do quar­to, pa­ra sa­ber on­de eu vou quan­do vi­a­jo. Memoriza sem­pre o no­me do país e ci­da­des on­de tra­ba­lho. Fica su­per or­gu­lho­so de ver as mi­nhas fo­to­gra­fi­as em re­vis­tas e jor­nais e faz ques­tão de mos­trar a to­da a gen­te que vem cá a casa.

Sou mui­to sin­ce­ro com ele e explico-lhe que por ve­zes es­tou em si­tu­a­ções de pe­ri­go, on­de há gen­te má e com ar­mas. Mas as his­to­ri­as que fa­ço ques­tão de lhe con­tar, são his­to­ri­as de ami­za­de e ca­ma­ra­da­gem que se vi­ve ao fa­zer es­te trabalho.

O meu fi­lho co­nhe­ce de no­me mui­tos dos meus co­le­gas de pro­fis­são. Alguns fa­lam fre­quen­te­men­te com ele por Skype e têm acom­pa­nha­do o seu cres­ci­men­to. Nomeadamente al­guns que es­ti­ve­ram mui­to pró­xi­mos de per­der a vi­da jun­ta­men­te co­mi­go, em vá­ri­as oca­siões. Amigos que são par­te mui­to im­por­tan­te da mi­nha vi­da e que fa­ço ques­tão de que fa­çam tam­bém par­te da vi­da da mi­nha fa­mí­lia. Quero que ele cres­ça a ou­vir his­to­ri­as de boa gen­te e de bons mo­men­tos que fa­zem par­te des­ta pro­fis­são. Mas o que não que­ro é que ele cres­ça a ou­vir his­tó­ri­as de maus mo­men­tos tam­bém as­so­ci­a­dos a es­te trabalho.

Nunca me vi co­mo um in­di­ví­duo va­len­te ou cheio de co­ra­gem. Na ver­da­de não gos­to que ou­tras pes­so­as me ve­jam com es­ses olhos, sim­ples­men­te por­que não o sou. Os ris­cos e más de­ci­sões que por ve­zes to­mo, ape­sar de fa­ze­rem par­te do meu tra­ba­lho, não de­vem ser lou­va­dos ou se­quer ser­vir pa­ra ali­men­tar fal­sos ide­ais de bravura.

Não te­nho ab­so­lu­ta­men­te pro­ble­ma ne­nhum em fa­lar so­bre maus mo­men­tos que pas­so, as lou­cu­ras em que en­vol­vo ou as bar­bá­ri­es que tes­te­mu­nho, mas tem de ser fei­to no mo­men­to e con­tex­to cer­to. Talvez o tal li­vro que há mui­to aguar­da ser ter­mi­na­do se­ja o meio cer­to pa­ra es­sas histórias.

Nem sempre a foto se torna preferida por ser tecnicamente melhor

Paulo Nunes dos Santos

Monge bu­dis­ta ca­mi­nhan­do no jar­dim de um mos­tei­ro em Mandalay, na Birmânia.

Quando ve­mos uma ga­le­ria de ima­gens de um fo­tó­gra­fo, es­co­lhe­mos uma ou vá­ri­as fo­to­gra­fi­as pre­fe­ri­das. Existem fo­tos do seu port­fó­lio ti­ra­das em cir­cuns­tân­ci­as tão es­pe­ci­ais ou di­fí­ceis que se tor­na­ram as su­as preferidas?

Todos te­mos as nos­sas fo­to­gra­fi­as fa­vo­ri­tas. Muitas ve­zes a li­ga­ção emo­ci­o­nal à his­tó­ria ou ao su­jei­to na ima­gem fazem-nos pre­fe­rir uma ou ou­tra ima­gem. Mas es­co­lher uma em par­ti­cu­lar no meio de tan­tas é com­pli­ca­do. Penso nis­so, mas nun­ca con­se­gui che­gar a ne­nhu­ma con­clu­são es­pe­ci­fi­ca. Obviamente que em to­dos os tra­ba­lhos que se fa­zem, há sem­pre fo­tos que se pre­fe­rem. Mesmo no fi­nal de um dia de tra­ba­lho, quan­do se es­tá a edi­tar, exis­te sem­pre uma ou du­as que se pre­fe­re. Mas após mais de dez anos a fo­to­gra­far, é com­pli­ca­do es­co­lher aque­la fo­to favorita.

Paulo Nunes dos Santos

Georgia, 2008

Tenho vá­ri­as que gos­to mui­to e por vá­ri­as ra­zões. Podem até tec­ni­ca­men­te não ser as me­lho­res, mas pe­las cir­cuns­tân­ci­as ou o mo­men­to em que fo­ram fei­tas, têm sem­pre lu­gar no meu port­fó­lio. Lembro-me, por exem­plo, da fo­to de uma mu­lher, num hos­pi­tal par­ci­al­men­te des­truí­do, a cui­dar da mãe fe­ri­da pe­los bom­bar­de­a­men­tos das tro­pas rus­sas du­ran­te a guer­ra na Georgia em 2008. É um mo­men­to de cal­ma e ca­ri­nho que me deu pra­zer de pre­sen­ci­ar de­pois de mais de du­as se­ma­nas a fo­to­gra­far destruição.

Paulo Nunes dos Santos

Sul da Argélia

Outra que gos­to é a de uma jo­vem Saharaui nu­ma sa­la de uma ca­sa fei­ta de la­ma num cam­po de re­fu­gi­a­dos no de­ser­to a sul da Argélia. Passei cer­ca de um mês nes­tes cam­pos e com os com­ba­ten­tes da Frente Polisário. Esta gen­te vi­ve em con­di­ções mui­to pre­cá­ri­as há mais de 30 anos e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal ignora-os totalmente.

Paulo Nunes dos Santos

Aleppo, Síria

Tenho tam­bém ou­tra de re­fu­gi­a­dos na Síria, em que uma mãe tem ao co­lo um be­bé que ti­nha nas­ci­do ho­ras an­tes en­quan­to fu­gi­am aos com­ba­tes em Aleppo.

Paulo Nunes dos Santos

Afeganistão

Finalmente, uma fo­to dos re­cru­tas da po­li­cia na­ci­o­nal do Afeganistão em exer­cí­ci­os em Kabul. Adoro o ‘mo­vi­men­to’ na imagem.

O meu equipamento

Paulo Nunes dos Santos«Não gos­to de tra­ba­lhar com len­tes zo­om e an­do sem­pre com as du­as câ­me­ras com as quais vou al­ter­nan­do as úni­cas qua­tro len­tes que pos­suo. Devido às con­di­ções em que tra­ba­lho, não ve­jo jus­ti­fi­ca­ção pa­ra in­ves­tir em len­tes ou câ­me­ras que cus­tam uma for­tu­na. Muitas ve­zes par­to ma­te­ri­al no meio de con­fu­são ou agres­sões. E tam­bém já me acon­te­ceu ser as­sal­ta­do à mão armada.»

Câmeras
2 x Nikon D700
1 x Nikon D200 (fi­ca sem­pre em ca­sa co­mo backup)
1 x Nikon F80 (quan­do fo­to­gra­fo em filme)
1 x Polaroid SX-70 (ape­nas pa­ra cer­tos projetos)

Lentes
Nikon 24mm F/2.8 D
Nikon 35mm F/2 D
Nikon 50mm F/1.4 G
Nikon 85mm F/1.8 D

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?