Estamos a 9 de janeiro e já tenho a certeza que esta foto tirada na passagem de ano em Manchester fará parte das listas com as melhores de 2016.

É fotojornalismo no seu melhor. Um daqueles raros e preciosos momentos da vida de um fotógrafo em que talento, experiência, sorte e circunstância se combinam para criar uma pequena obra-prima. E não é só devido ao fantástico cromo em destaque.

Tanta coisa acontece em simultâneo na foto que parece estarmos a observar uma pintura em que o artista dedicou todo o tempo que desejou a criar e aprimorar miríades de detalhes.

O caneco dá-te vida

Joel Goodman, o autor da foto, bem pode estar grato ao homem de meia-idade estendido no chão. A pose, a expressão do rosto, a barriguinha rebelde e a própria situação em que se encontra são tão hilariantes que tornam a foto especial a um primeiro olhar.

Reparem bem no cromo: gloriosamente perdido de bêbado, estica-se preguiçosamente para o caneco como se fosse um despertador numa segunda-feira de manhã. A propósito, eis a Internet em ação:

Três memes para uma foto memorável

Três memes para uma foto memorável

Mesmo ao lado do homem indiferente a tudo — menos à cerveja — um outro drama de final de ano se desenrola: um homem é imobilizado no chão pela polícia enquanto a namorada protesta, com ele ou com os agentes, não se sabe. Outra discute com a polícia.

Ao fundo, um grupo de pessoas observa a cena cautelosamente. Um deles permanece de costas para a ação como se já estivesse farto de presenciar figuras tristes — ou talvez estivesse com medo de ser reconhecido. A cada olhar, descobre-se um novo pormenor ou inventa-se o que não se sabe, só por divertimento. Em cima, uma placa na parede diz: «Well Street».

Joel Goodman/Manchester Evening News

Joel Goodman/Manchester Evening News

A foto foi publicada na manhã seguinte no sítio do Manchester Evening News e tornou-se viral quando um editor da BBC a partilhou no Twitter.

Goodman diz que é apenas o típico caso de estar no sítio certo à hora certa, o conhecido «momento decisivo» de Cartier-Bresson, mas a verdade é que se alguém teria possibilidades de conseguir uma foto assim era ele.

A sorte protege os audazes. E os bons fotógrafos

Há oito anos que tira fotografias destes festejos caóticos nas ruas de Manchester, tanto em trabalho como por puro deleite pessoal. Conhece a área, as ruas, cada canto, por isso enquadrar o que viu foi puro instinto: focou-se nos polícias e na placa que ele já sabia ali existir, e clicou.

«O que torna a foto apelativa é o facto de mostrar várias histórias a acontecer ao mesmo tempo» — explica Goodman ao Manchester Evening News. — «Não se torna cansativa como um meme ou uma história viral. Vemo-la pela segunda ou terceira vez e descobrimos coisas novas. O facto de ser uma composição visualmente agradável também ajuda. E também tive um bocadinho de sorte.»

Marco Santos

­ Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Pai em todo o lado. Queres dizer-me alguma coisa?