Quando Donald Trump en­trou na cor­ri­da da no­me­a­ção pe­lo Partido Republicano, os me­dia fartaram-se de go­zar o pra­to. Os co­me­di­an­tes es­fre­ga­ram as mãos, agra­de­cen­do a dá­di­va. Ninguém o te­meu ou le­vou a sé­rio, a co­me­çar pe­los adversários.

A can­di­da­tu­ra do em­pre­sá­rio, ava­li­a­dor de apren­di­zes, or­ga­ni­za­dor de con­cur­sos de be­le­za e fa­ze­dor de bo­qui­nhas de pa­to não era se­quer ma­te­ri­al pa­ra as pá­gi­nas de po­lí­ti­ca, mas pa­ra as do en­tre­te­ni­men­to — na me­lhor das hi­pó­te­ses, a po­lí­ti­ca de­le era pa­ra ser tra­ta­da co­mo me­ro en­tre­te­ni­men­to de massas.

Erik S. Lesser

Erik S. Lesser

CJ Gunther

CJ Gunther

Tom Pennington

Tom Pennington

Muitos jor­na­lis­tas par­ti­ram do prin­cí­pio de que as pes­so­as não iri­am ser idi­o­tas a pon­to de es­co­lher Trump co­mo can­di­da­to à pre­si­dên­cia. Julgaram que a aten­ção dis­pen­sa­da era a mes­ma que se dá a al­guém que faz fi­gu­ra de ur­so num pro­gra­ma de apa­nha­dos — e exa­ge­ra­ram na co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa acrí­ti­ca du­ran­te de­ma­si­a­do tem­po, pois a mal­ta gos­ta de coi­sas insólitas.

Tal co­mo mui­tos ou­tros an­tes de­les, os jor­na­lis­tas su­bes­ti­ma­ram o in­crí­vel po­der da idi­o­ti­ce e da ca­pa­ci­da­de des­ta de se es­pa­lhar quan­do exis­te um sis­te­ma de dis­tri­bui­ção ade­qua­do. Se o ti­ves­sem le­va­do a sé­rio des­de o prin­cí­pio, pro­va­vel­men­te nem te­ria fei­to di­fe­ren­ça: Trump es­ta­ria ago­ra na mes­ma po­si­ção, a de po­der vir a ser o co­man­dan­te da mai­or po­tên­cia nu­cle­ar do planeta.

Ninguém é mais es­pa­lha­fa­to­so e efi­ci­en­te a dis­tri­buir idi­o­ti­ce do que ele. E co­mo nin­guém pre­viu a ca­pa­ci­da­de de Donald Trump de ser igual a si pró­prio, mes­mo quan­do a po­li­ti­qui­ce exi­gia tan­gas e dis­si­mu­la­ção, o em­pre­sá­rio ba­teu os ou­tros can­di­da­tos re­pu­bli­ca­nos. Eram to­dos uns pa­nho­nhas, ao con­trá­rio de­le, e as no­tí­ci­as ti­ve­ram mes­mo de ser trans­fe­ri­das pa­ra a sec­ção de po­lí­ti­ca, sem mais sor­ri­sos de desdém.

Joshua Roberts/Reuters

Joshua Roberts/Reuters

Christobal Herrera

Christobal Herrera

Damon Winter/The New York Times

Damon Winter/The New York Times

UPI/Barcroft Images

UPI/Barcroft Images

Mandel Ngan/AFP/Getty Images

Mandel Ngan/AFP/Getty Images

Stacie Scott

Stacie Scott

Mark Wallheiser

Mark Wallheiser

Mark Wallheiser

Mark Wallheiser

Brian Snyder/Reuters

Brian Snyder/Reuters

Justin Lane

Justin Lane

Brian Snyder/Reuters

Brian Snyder/Reuters

Os idi­o­tas que o apoi­am es­tão far­tos de se­rem tra­ta­dos co­mo idi­o­tas. Não con­se­guem per­ce­ber por que ra­zão é en­ca­ra­da de for­ma tão ne­ga­ti­va a von­ta­de de en­xo­tar mu­çul­ma­nos pro­to­bom­bis­tas, bar­rar me­xi­ca­nos pro­to­vi­o­la­do­res ou li­vrar a América de gen­te es­qui­si­ta, quan­do são me­di­das que os fa­zem sen­tir bem, mais des­can­sa­dos e re­go­zi­jam qual­quer pa­tri­o­ta previdente.

Forçados ao iso­la­men­to, fartaram-se de tan­ta in­com­pre­en­são e des­pre­za­ram to­da es­sa gen­te bem-falante e men­ti­ro­sa que não lhes diz as coi­sas co­mo elas são, sim­ples, só­li­das e inequí­vo­cas co­mo muros.

Até que al­guém que não era se­quer po­lí­ti­co, mas se tor­na­ra ri­co e im­por­tan­te co­mo só na América é pos­sí­vel, apa­re­ceu de rom­pan­te pa­ra ga­ran­tir ao pes­so­al que afi­nal era mes­mo ver­da­de, os idi­o­tas têm sem­pre ra­zão e quem dis­ser o con­trá­rio é gen­te es­qui­si­ta que não fre­quen­ta igre­jas e é pou­co pa­tri­o­ta. Cheio de la­ta e ca­ris­ma, o Donald ofereceu-se pa­ra os liderar.

Donald Trump não é um idi­o­ta qual­quer — é um dos gran­des idi­o­tas da História. Um idi­o­ta as­tu­to. Um idi­o­ta ca­paz de pro­me­ter so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas com­ple­xos nu­ma úni­ca fra­se. É o rei da po­lí­ti­ca da bri­co­la­ge: o país es­tá es­tra­ga­do? Arranja-se, e é ele o ho­mem que vai mar­te­lar as so­lu­ções. O ho­mem que os ou­tros idi­o­tas vêm co­mo um exem­plo a seguir.

E um mo­vi­men­to sus­ten­ta­do pe­la idi­o­ti­ce foi cres­cen­do à vol­ta des­te mi­li­o­ná­rio ba­zó­fi­as sem ver­go­nha de di­zer a pri­mei­ra coi­sa que lhe vem à ca­be­ça, co­mo fa­zem to­dos os ou­tros idi­o­tas dig­nos des­se no­me. Um idi­o­ta que rom­peu o iso­la­men­to e jun­tou to­dos os ou­tros nu­ma mas­sa ou­sa­da, ba­ru­lhen­ta e mui­to mo­ti­va­da a votar.

Porque Trump é es­pe­ci­al. É um de­les, em ver­são me­lho­ra­da. Os idi­o­tas não pre­ci­sam de al­guém pa­ra gos­tar, pre­ci­sam de al­guém que con­si­gam com­pre­en­der. E um pre­si­den­te ca­paz de sen­tir or­gu­lho e vai­da­de de to­das as idi­o­ti­ces que diz é um lí­der ins­pi­ra­dor, ca­paz de os fa­zer sen­tir tam­bém or­gu­lho­sos e vai­do­sos de to­das as idi­o­ti­ces que dizem.

Timothy A. Clary

Timothy A. Clary

David J. Phillip

David J. Phillip

Se Trump ga­nhar, os idi­o­tas se­rão fi­nal­men­te san­ci­o­na­dos e per­de­rão a ti­mi­dez. A América te­rá uma de­mo­cra­cia ver­da­dei­ra­men­te re­pre­sen­ta­ti­va. Testemunharemos o tre­men­do po­der dos idi­o­tas em ex­pli­car as ques­tões e so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas. O co­gu­me­lo ca­pi­lar do Trump bri­lha­rá co­mo uma su­per­no­va. E o mun­do, vis­to ago­ra atra­vés dos olhos de­les, dei­xa­rá de ter tons de cinzento.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?