Wolf 1061c — já ou­vis­te fa­lar? Um re­su­mo: é uma Super-Terra po­ten­ci­al­men­te ha­bi­tá­vel que se en­con­tra a uns me­ros 13.8 anos-luz, o ro­cho­so gi­gan­te com po­ten­ci­a­li­da­de pa­ra sus­ten­tar vi­da mais per­to de nós que des­co­bri­mos até hoje.

Cientistas do Planetary Habitability Laboratory ana­li­sa­ram os da­dos dis­po­ní­veis so­bre o exo­pla­ne­ta e ten­ta­ram ima­gi­nar co­mo se­ria vi­ver ali. A con­clu­são foi ób­via: se­ria mui­to, mui­to estranho.

Wolf 1061c or­bi­ta uma anã ver­me­lha — Wolf 1061 — em uma re­gião do Espaço on­de os ní­veis de ra­di­a­ção emi­ti­da pe­la es­tre­la per­mi­tem, em te­o­ria, a exis­tên­cia de água lí­qui­da à su­per­fí­cie. Esta re­gião mais ame­na é co­nhe­ci­da co­mo «Zona de Goldilocks» ou zo­na ha­bi­tá­vel. Um auto-link relevante.

O sistema Wolf 1061

O sis­te­ma Wolf 1061: a anã ver­me­lha ao cen­tro; o pla­ne­ta b, o mais quen­te, na zo­na ver­me­lha; o c na re­gião ver­de, a «zo­na ha­bi­tá­vel»; e o pla­ne­ta d, o mais frio e dis­tan­te, na zo­na azul.

Para efei­tos do post, va­mos par­tir do prin­cí­pio que pe­que­nos de­ta­lhes co­mo, por exem­plo, uma at­mos­fe­ra ami­gá­vel pa­ra res­pi­ra­res à von­ta­de são ab­so­lu­ta­men­te ir­re­le­van­tes pa­ra o teu bem-estar.

Imagina tam­bém que pe­des em­pres­ta­do o te­le­por­ta­dor do Star Trek pa­ra vi­si­tar o pla­ne­ta e be­ber um co­po na es­pla­na­da de Douglas Adams. Antes de apa­nha­res o te­le­trans­por­te pa­ra o sis­te­ma Wolf 1061 e a Super-Terra da nos­sa es­co­lha, con­vém ter uma ideia do que vais encontrar.

O sol quando nasce é para todos

A anã ver­me­lha Wolf 1061 é qua­tro ve­zes mais pe­que­na que o nos­so Sol, mais fria e mui­to me­nos lu­mi­no­sa. Assim que che­ga­res — se não fo­res tí­mi­do e ti­ve­res jei­to pa­ra so­ci­a­li­zar com ali­e­ní­ge­nas —, so­li­ci­ta­rás à ge­rên­cia pa­ra li­gar as lu­zes por­que não se con­se­gue ver na­da na­que­la si­nis­tra pe­num­bra aver­me­lha­da que tu­do en­vol­ve mas ali, na­que­le mun­do es­tra­nho, pas­sa por tar­de soalheira.

A fra­ca vi­si­bi­li­da­de é um dos pro­ble­mas de se vi­ver sob os rai­os di­fu­sos de um sol aver­me­lha­do, mas se fo­res à es­pla­na­da do la­do no­tur­no do pla­ne­ta é mui­to pi­or: não só le­vas com uma es­cu­ri­dão per­pé­tua co­mo es­tá um frio de ra­char extremófilos.

Wolf 1061c es­tá tão per­to do sol que as for­ças de ma­ré da es­tre­la tra­va­ram o mo­vi­men­to de ro­ta­ção do pla­ne­ta, trancando-o com uma fe­cha­du­ra gra­vi­ta­ci­o­nal im­pos­sí­vel de escapar.

É um pla­ne­ta com pro­ble­mas bi­po­la­res. Num la­do é sem­pre de noi­te, no ou­tro é sem­pre de dia; num faz sem­pre frio, no ou­tro faz sem­pre ca­lor. As de­si­gual­da­des so­ci­ais na Terra co­me­ça­ram por mui­to me­nos, pe­lo que um as­tro­nau­ta re­vo­lu­ci­o­ná­rio de es­quer­da não te­ria mãos a me­dir no com­ba­te à vi­da pri­vi­le­gi­a­da dos exo­bur­gue­ses do la­do diurno.

Fernando Botero

Piquenique nas mon­ta­nhas, 1966, Fernando Botero

Se Wolf 1061c não ti­ver um oce­a­no de­cen­te pa­ra dis­tri­buir o ca­lor pe­lo pla­ne­ta ou uma at­mos­fe­ra den­sa co­mo a nos­sa pa­ra fun­ci­o­nar co­mo co­ber­tor du­ran­te as noi­tes, «a vi­da tal co­mo a co­nhe­ce­mos» é pou­co provável.

O pla­ne­ta Wolf 1061c é um gi­gan­te qua­tro ve­zes mais mas­si­vo que a Terra e cer­ca de 60 por cen­to mai­or. Isto sig­ni­fi­ca que a área de su­per­fí­cie de Wolf 1061c equi­va­le a du­as Terras e meia. Não dei­xa de ser um pe­que­no pon­to no Cosmos, co­mo di­ria o sau­do­so Carl Sagan, mas do nos­so pon­to de vis­ta é um pon­to de exclamação.

Tanto ta­ma­nho e mas­sa tem con­sequên­ci­as que sen­ti­rás ime­di­a­ta­men­te as­sim que lá che­ga­res: fi­ca­ri­as 70 por cen­to mais pe­sa­do em Wolf 1061c. Se ti­ve­res 68 qui­los — pa­ra­béns, já ago­ra — sentir-te-ias ali co­mo se pe­sas­ses mais de 110. Os ter­res­tres pas­sa­ri­am por mo­men­tos de do­lo­ro­sa adap­ta­ção du­ran­te os quais jul­ga­ri­am ter fi­ca­do apri­si­o­na­dos num qua­dro de Fernando Botero.

É uma estrela vermelha – mas não é de raiva, vá lá

Nem tu­do é mau: mes­mo se es­ta Super-Terra fos­se um São-Bernardo pa­chor­ren­to e pa­cí­fi­co, a es­tre­la que or­bi­ta po­dia revelar-se co­mo a mai­o­ria das anãs ver­me­lhas, mais iras­cí­vel que um chihuahua.

Felizmente a Wolf 1061 é uma es­tre­la es­tá­vel, não se ve­ri­fi­can­do as ti­tâ­ni­cas e le­tais erup­ções so­la­res de ou­tras es­tre­las do mes­mo ti­po. Estas dei­tam fre­quen­te­men­te cá pa­ra fo­ra as su­as en­tra­nhas ele­tro­mag­né­ti­cas, des­pe­jan­do tu­do so­bre os pla­ne­tas, de on­das rá­dio a rai­os X. A ati­vi­da­de mag­né­ti­ca que im­pul­si­o­na es­tas erup­ções é tão for­te que o apa­re­ci­men­to de uma man­cha so­lar che­ga pa­ra di­mi­nuir a lu­mi­no­si­da­de des­tas es­tre­las em 40 por cento.

É pre­fe­rí­vel evi­tar ce­ná­ri­os ca­tas­tro­fis­tas e deixar-te sos­se­ga­di­nho na es­pla­na­da a go­zar a vis­ta do es­plên­di­do, som­brio e hi­po­té­ti­co oce­a­no que co­bre vas­tas su­per­fí­ci­es do pla­ne­ta. De qual­quer mo­do, tens mais com que te pre­o­cu­par: mes­mo quan­do se en­con­tra mais lon­ge da es­tre­la hos­pe­dei­ra, a dis­tân­cia de Wolf 1061c à anã ver­me­lha é um dé­ci­mo da que exis­te en­tre a Terra e o Sol. Se pe­gás­se­mos no pla­ne­ta e o co­lo­cás­se­mos no nos­so Sistema Solar, fi­ca­ria mais per­to do Sol do que Mercúrio — e se­ria glo­ri­o­sa­men­te estorricado.

Planeta «Globo Ocular»

Planeta «Globo Ocular»

Não te le­van­tes ain­da — um sol en­car­na­do po­de ser im­pres­si­o­nan­te mas é ape­nas um sol anão, mui­to mais frio do que o nos­so. Deve ser uma sen­sa­ção es­tra­nha, re­al­men­te, vi­ver sob um céu aver­me­lha­do e não sen­tir na ca­ra os ba­fos do in­fer­no. Na pi­or das hi­pó­te­ses, é um mun­do bi­zar­ro on­de a vi­da é im­pro­vá­vel, com um de­ser­to se­co e es­té­ril no la­do per­pe­tu­a­men­te vi­ra­do pa­ra a es­tre­la e um de­ser­to ge­la­do e es­té­ril no la­do que lhe vi­rou as cos­tas pa­ra sempre.

Com sor­te, exis­ti­rá uma fai­xa de pe­num­bra com tem­pe­ra­tu­ras mo­de­ra­das cir­cun­dan­do es­ses cen­tros de­sér­ti­cos on­de a vi­da — tal­vez não co­mo a co­nhe­ce­mos, mas vi­va co­mo nós — po­de­rá flo­res­cer. É es­ta a fe­za­da dos cientistas.

Como às ve­zes acon­te­ce quan­do se ten­ta es­tu­dar um ob­je­to a mais de 13 anos-luz de dis­tân­cia, há vá­ri­os ti­pos de fe­za­das. Os as­tro­bió­lo­gos cha­mam a mun­dos co­mo es­te — gra­vi­ta­ci­o­nal­men­te tra­va­dos pe­la estrela-mãe — «pla­ne­tas glo­bos ocu­la­res», com o la­do no­tur­no co­ber­to de ge­lo e o diur­no por um gi­gan­tes­co de­ser­to, com uma es­trei­ta fai­xa tem­pe­ra­da e com água em es­ta­do lí­qui­do a ser­vir de fron­tei­ra en­tre os dois ambientes.

Cientistas pla­ne­tá­ri­os da Universidade de Pequim — Yongyun Hu e Jun Yang — acham que po­de­rá mes­mo exis­tir um oce­a­no e es­te, vis­to do es­pa­ço, não se­rá re­gu­lar mas lem­bra­rá uma la­gos­ta. Sim, eu avi­sei — é uma noia, es­te mundo.

Yongyun Hu e Jun Yang con­si­de­ram que in­ves­ti­ga­ções an­te­ri­o­res não ti­ve­ram em con­ta a for­ma co­mo o ca­lor po­de­ria cir­cu­lar no oce­a­no de um mun­do assim.

Ao com­bi­nar fa­to­res nos mo­de­los com­pu­ta­ci­o­nais co­mo cir­cu­la­ção at­mos­fé­ri­ca, cir­cu­la­ção oceâ­ni­ca e in­fluên­cia re­cí­pro­ca, con­cluí­ram que es­se ti­po de mun­dos não se pa­re­ce em na­da com um glo­bo ocu­lar e que o hi­po­té­ti­co oce­a­no no seu la­do diur­no lem­bra uma la­gos­ta, com du­as «gar­ras» de ca­da la­do do equa­dor e uma «lon­ga cau­da» ao lon­go deste.

Os dois ci­en­tis­tas são oti­mis­tas ao con­si­de­rar que num pla­ne­ta com ca­rac­te­rís­ti­cas as­sim bas­ta que a es­tre­la te­nha bri­lho su­fi­ci­en­te e exis­tam ní­veis su­fi­ci­en­tes de dió­xi­do de car­bo­no a es­tu­far o pla­ne­ta pa­ra que as cor­ren­tes quen­tes des­te oce­a­no pos­sam até fa­zer de­sa­pa­re­cer o ge­lo na zo­na noturna.

Já são copos a mais

Se a ideia é pas­sar uma tem­po­ra­da em Wolf 1061c vais re­pa­rar em fe­nó­me­nos in­vul­ga­res: es­ta­ções que apa­re­cem e de­sa­pa­re­cem com a brus­qui­dão com que os dan­ça­ri­nos me­xem os pes­co­ços num tango.

Barack Obama

Obama acha mui­to bem, em­bo­ra não te­nha per­ce­bi­do nada.

A ór­bi­ta mui­to elíp­ti­ca do pla­ne­ta im­pli­ca uma apro­xi­ma­ção e afas­ta­men­to mais sig­ni­fi­ca­ti­vos do sol. Não é um pla­ne­ta ioiô, mas an­da lá per­to. Para te­res uma ideia, a dis­tân­cia da Terra ao Sol en­tre o seu pe­rié­lio (o pon­to na ór­bi­ta em que se en­con­tra mais per­to do Sol) e afé­lio (quan­do es­tá mais lon­ge) va­ria cer­ca de três por cento.

Em Wolf 1061c, a va­ri­a­ção é de 30 por cen­to — é co­mo se o pró­prio São Pedro ti­ves­se be­bi­do um bo­ca­di­nho de mais e se dei­tas­se na ca­ma ob­ser­van­do a ro­ta­ção do te­to e in­de­ci­so en­tre levantar-se pa­ra vo­mi­tar ou fa­zer xixi.

Isto sig­ni­fi­ca que vais pas­sar por mu­dan­ças sa­zo­nais brus­cas: dois ve­rões, dois ou­to­nos, dois in­ver­nos e du­as pri­ma­ve­ras no es­pa­ço de um mês. Uma at­mos­fe­ra den­sa po­dia mo­de­rar es­tas va­ri­a­ções, mas mes­mo as­sim um hi­po­té­ti­co ha­bi­tan­te te­ria de se ha­bi­tu­ar a va­ri­a­ções cli­má­ti­cas com­ple­ta­men­te ma­lu­cas: tem­pes­ta­des de ne­ve nu­ma se­ma­na, ca­lor de praia nou­tra, chu­vas tor­ren­ci­ais e re­lâm­pa­gos pou­cos di­as depois.

O me­lhor dis­to tu­do é es­tar tão per­to da Terra. Em bre­ve já não pre­ci­sa­re­mos da es­pla­na­da de Douglas Adams pa­ra es­pe­cu­lar­mos so­bre as ver­da­dei­ras con­di­ções em Wolf 1061c, pois te­re­mos ana­li­sa­do a sua at­mos­fe­ra e co­me­ça­do a re­ve­lar os seus pre­ci­o­sos se­gre­dos — vi­da, tal­vez? Boa sor­te, e boa viagem!

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?