Mihoko Ogaki

Mihoko Ogaki | Foto: Masaharu Sato

A 4 de se­tem­bro de 2008, na Galeria Voss, em Dusseldorf, Alemanha, a ja­po­ne­sa Mihoko Ogaki apre­sen­tou uma ins­ta­la­ção a que cha­mou Milky Ways – Vias Lácteas.

As es­cul­tu­ras ocu­pa­vam po­si­ções cen­trais na sa­la co­mo deu­ses da cri­a­ção, iluminando-a e cri­an­do um imen­so céu nas pa­re­des. Ogaki chamou-lhes «Breath».

Milky Ways

Quando a sa­la era ilu­mi­na­da, si­lhu­e­tas de­se­nha­das nas pa­re­des re­pre­sen­ta­vam uma vas­ta e di­ver­si­fi­ca­da ga­ma de emo­ções hu­ma­nas, po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas. Neste dia cri­a­do por Ogaki, a Humanidade era par­te do Universo mas não es­ta­va uni­da com o Universo. Era na noi­te que o mis­té­rio se re­ve­la­va, quan­do as es­cul­tu­ras se ilu­mi­na­vam a par­tir de den­tro, a par­tir de nós, e pro­je­ta­vam um céu es­tre­la­do.

As es­cul­tu­ras iri­des­cen­tes – mol­da­das a par­tir do pró­prio cor­po da ja­po­ne­sa, o que tor­nou o as­sun­to ain­da mais pes­so­al – cap­ta­ram a aten­ção de vi­si­tan­tes e fo­tó­gra­fos.

Milky Ways

Chamaram a aten­ção por se­rem vi­su­al­men­te es­pe­ta­cu­la­res e in­tri­gan­tes, co­mo o be­bé cós­mi­co de 2001: Odisseia no Espaço, mas tam­bém por in­cor­po­ra­rem uma es­pé­cie de ver­da­de ina­ta que acom­pa­nha a Humanidade des­de que os seus in­di­ví­du­os mais cu­ri­o­sos ten­ta­ram des­ven­dar o mis­té­rio dos céus: so­mos fei­tos do pó das es­tre­las. Somos aque­las es­cul­tu­ras.

Não ad­mi­ra por­tan­to que uma das mais fa­mo­sas fra­ses atri­buí­das ao as­tró­no­mo e co­mu­ni­ca­dor Carl Sagan se­ja a que ele pro­fe­riu no epi­só­dio 9 da sua fa­bu­lo­sa sé­rie de te­le­vi­são Cosmos: «A Terra e to­dos os se­res vi­vos são fei­tos da ma­té­ria das es­tre­las», uma alu­são aos ele­men­tos quí­mi­cos que exis­tem nos cor­pos dos se­res vi­vos, for­ja­dos no in­te­ri­or das es­tre­las.

Tal é a no­to­ri­e­da­de des­te gran­de co­mu­ni­ca­dor que a alu­são pas­sou a confundir-se com a pró­pria fi­gu­ra de Sagan, dan­do ori­gem a inú­me­ros tri­bu­tos na Net, co­mo es­te:

Star Stuff

Na ver­da­de Sagan ci­ta­va um li­vro que o pró­prio es­cre­ve­ra se­te anos an­tes, em 1973, As Ligações Cósmicas – uma pers­pe­ti­va ex­tra­ter­res­tre:

O nos­so sol é uma es­tre­la de se­gun­da ou ter­cei­ra ge­ra­ção. Todo es­te ma­te­ri­al ro­cho­so e me­tá­li­co on­de as­sen­ta­mos, o fer­ro no nos­so san­gue, o cál­cio nos nos­sos den­tes, o car­bo­no nos nos­sos ge­nes fo­ram pro­du­zi­dos há mi­lha­res de mi­lhões de anos no in­te­ri­or de uma es­tre­la gi­gan­te ver­me­lha. Somos fei­tos de ma­té­ria es­te­lar.

Star-stuff, quase tão antigo como os telescópios (ou os deuses)

Sagan não foi a pri­mei­ra pes­soa a fa­lar des­ta re­la­ção um­bi­li­cal en­tre a Terra, os seus ha­bi­tan­tes e as es­tre­las. Na edi­ção de 15 de ju­nho de 1913 do Greensboro Daily News, uma des­co­nhe­ci­da co­lu­nis­ta cha­ma­da Ellen Frizell Wyckoff es­cre­veu uma cró­ni­ca in­ti­tu­la­da Star Land:

A aná­li­se es­pec­tro­grá­fi­ca da luz mos­tra do que es­ta é fei­ta. Qual te­rá si­do a sur­pre­sa dos can­sa­dos in­ves­ti­ga­do­res quan­do des­co­bri­ram me­tais co­muns da Terra ar­den­do no po­de­ro­so Sol!

Uma vez, uma me­ni­na cho­rou de ale­gria quan­do, por um bre­ve mo­men­to, per­ce­beu que a Terra é re­al­men­te um cor­po ce­les­ti­al e que se­ja o que for que nos acon­te­ça, vi­ve­mos de fac­to en­tre as es­tre­las. O Sol é fei­to de ma­té­ria es­te­lar, e a Terra é fei­ta do mes­mo ma­te­ri­al.

A 29 de ja­nei­ro de 1918, Albert Durrant Watson, mé­di­co, as­tró­no­mo e po­e­ta com uma atra­ção es­pe­ci­al pe­los fe­nó­me­nos do es­pi­ri­tis­mo, en­tão pre­si­den­te da Real Sociedade de Astronomia do Canadá, afir­mou, num dis­cur­so mui­to apai­xo­na­do e es­pi­ri­tu­al, que «os nos­sos cor­pos são fei­tos de ma­té­ria es­te­lar».

É ver­da­de que um pri­mei­ro vis­lum­bre de­ta­lha­do do Universo é pas­sí­vel de desencorajar-nos pe­ran­te a evi­dên­cia da nos­sa pró­pria in­sig­ni­fi­cân­cia.

A Astronomia (…) ajuda-nos a com­pre­en­der que os nos­sos cor­pos são par­te in­te­gral do gran­de uni­ver­so fí­si­co e que atra­vés da­que­les se ma­ni­fes­tam leis e for­ças em con­so­nân­cia com as ma­ni­fes­ta­ções do Ser Cósmico.

Chegámos as­sim à con­clu­são de que se os nos­sos cor­pos são fei­tos de ma­té­ria es­te­lar – e não há na­da mais, diz o es­pec­tros­có­pio –, as mais ele­va­das qua­li­da­des do nos­so ser são cons­ti­tuin­tes ne­ces­sá­ri­os da subs­tân­cia uni­ver­sal de que são fei­tos os deu­ses.

Somos fei­tos de in­gre­di­en­tes uni­ver­sais e di­vi­nos, e o es­tu­do das es­tre­las dar-nos-á um co­nhe­ci­men­to fi­nal e ro­bus­to des­se fac­to.

Harlow Shapley

Harlow Shapley

Em 1929, o New York Times en­tre­vis­tou o as­tró­no­mo Harlow Shapley, di­re­tor do Observatório de Harvard, pa­ra um ar­ti­go in­ti­tu­la­do «The Star Stuff That Is Man».

Shapley foi o pri­mei­ro ci­en­tis­ta a fa­zer uma es­ti­ma­ti­va cor­re­ta do ta­ma­nho da Via Láctea e da po­si­ção do nos­so sol na ga­lá­xia, bem co­mo o cri­a­dor dos pres­su­pos­tos teó­ri­cos que de­ram ori­gem ao con­cei­to de «zo­na ha­bi­tá­vel». Eis o que ele dis­se:

Somos fei­tos da mes­ma ma­té­ria que as es­tre­las, por­tan­to quan­do es­tu­da­mos Astronomia in­ves­ti­ga­mos a nos­sa re­mo­ta an­ces­tra­li­da­de e o nos­so lu­gar nes­te uni­ver­so de ma­té­ria es­te­lar.

Os nos­sos cor­pos con­sis­tem dos mes­mos ele­men­tos quí­mi­cos en­con­tra­dos nas mais dis­tan­tes das ne­bu­lo­sas e as nos­sas ati­vi­da­des são gui­a­das pe­las mes­mas re­gras uni­ver­sais.

Quando Carl Sagan as­so­ci­ou to­das as coi­sas vi­vas à ma­té­ria das es­tre­las, limitou-se a re­ca­pi­tu­lar con­clu­sões ci­en­tí­fi­cas es­ta­be­le­ci­das pra­ti­ca­men­te des­de o prin­cí­pio do sé­cu­lo XX. Isto é ain­da mais evi­den­te con­sul­tan­do es­te ar­ti­go do Quote Investigator: não só apre­sen­ta es­tes co­mo ou­tros exem­plos.

Mas ten­do es­ta pro­fun­da as­so­ci­a­ção en­tre a nos­sa na­tu­re­za e as es­tre­las tan­to de ci­en­tí­fi­co co­mo de re­li­gi­o­so, é fá­cil ver que o pro­ble­ma an­da na men­te dos ho­mens des­de que co­me­ça­ram a olhar pa­ra os céus – e pa­ra além des­tes.

Num mag­ní­fi­co en­saio es­cri­to pe­lo pro­fes­sor, es­cri­tor e po­e­ta João de Mancelos, alude-se ao «pó das es­tre­las» co­mo uma ver­da­de ci­en­tí­fi­ca mas, tam­bém, à ver­da­de que es­cri­to­res, po­e­tas e fi­ló­so­fos ti­nham in­tuí­do há mui­to tem­po.

Mesmo em 1969, no fes­ti­val de Woodstock, Joni Mitchell já can­ta­va: We are star­dust. We are gol­den. And we’ve got to get our­sel­ves back to the gar­den. (Suspeito que, no ca­so de Woodstock, a can­ção fos­se mais so­bre pó do que so­bre es­tre­las).

O ar­ti­go de João de Mancelos foca-se so­bre­tu­do na po­e­sia de Walt Whitman e de Eugénio de Andrade, mas re­cor­da tam­bém que mi­lha­res de anos an­tes de qual­quer as­tró­no­mo já a es­co­la bu­dis­ta T’ien-T’ai afir­ma­va que «o ser hu­ma­no se li­ga a to­das as coi­sas, nu­ma re­la­ção de in­ter­de­pen­dên­cia. Assim, o mais sim­ples ato tem o po­ten­ci­al de de­sen­ca­de­ar uma sé­rie de acon­te­ci­men­tos, afe­tan­do o Outro e o uni­ver­so.»

Joni Mitchell

Joni Mitchell

Uma ver­da­de ci­en­tí­fi­ca que po­de ser tão cor­re­ta­men­te des­cri­ta co­mo equa­ção ou po­e­ma ou can­ção, eis co­mo se de­ci­fra um mis­té­rio da Natureza de uma for­ma que nos po­de to­car a to­dos.

No cé­re­bro ou nas en­tra­nhas, a pro­fun­di­da­de da ques­tão revela-se-nos mal te­mos opor­tu­ni­da­de de ob­ser­var um céu sal­pi­ca­do de es­tre­las – não são ape­nas gi­gan­tes­cas bo­las de gás in­can­des­cen­te, mas pau­tas, pá­gi­nas, pro­mes­sas de vi­da, um céu de on­de vi­e­mos e pa­ra on­de os nos­sos áto­mos even­tu­al­men­te po­de­rão re­gres­sar.

São sím­bo­los de vi­da, co­mo as es­cul­tu­ras da ja­po­ne­sa Mihoko Ogak, sím­bo­los da nos­sa vi­da e das vi­das que um dia des­co­bri­re­mos nou­tros pla­ne­tas.

Mas tan­tos fo­ram os se­res hu­ma­nos a de­cla­mar às es­tre­las – atra­vés da Música, da Literatura ou da Matemática – que o me­lhor é ter em con­ta o avi­so fi­nal do áci­do Dino Segrè, es­cri­tor e jor­na­lis­ta ita­li­a­no tam­bém co­nhe­ci­do pe­lo pseu­dó­ni­mo Pitigrilli:

Se se pu­des­sem in­ter­ro­gar as es­tre­las perguntar-lhes-ia se as ma­çam mais os as­tró­no­mos ou os po­e­tas.

Portanto é me­lhor não exa­ge­rar e aca­bar aqui o post, não vão as es­tre­las acu­sar os blog­gers.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?