Ultimamente os jor­nais têm fa­la­do de uma se­gun­da Terra des­co­ber­ta pe­los te­les­có­pi­os do Observatório Europeu do Sul (ESO) mas, co­mo sem­pre, o tra­ta­men­to a es­tas no­tí­ci­as é mais pre­vi­sí­vel que uma erup­ção so­lar.

Para mim, exis­te uma se­gun­da Terra des­de 1982: o pla­ne­ta Chiron. Na mi­to­lo­gia gre­ga Chiron era um cen­tau­ro in­te­li­gen­te, cul­to e de bom co­ra­ção, ao con­trá­rio dos ou­tros cen­tau­ros, uns bru­tos sem ma­nei­ras que pas­sa­vam a vi­da nos co­pos e eram pro­pen­sos à vi­o­lên­cia quan­do a be­be­dei­ra os aze­da­va.

O no­me do sá­bio e gen­til Chiron pa­re­cia apro­pri­a­do a um pla­ne­ta se­me­lhan­te à Terra, mas tão lon­ge das dis­pu­tas ter­res­tres dos ou­tros «cen­tau­ros» que a es­pé­cie hu­ma­na até po­dia ter uma se­gun­da opor­tu­ni­da­de de so­bre­vi­ver em paz e har­mo­nia. Além dis­so, o pla­ne­ta ha­bi­tá­vel fo­ra des­co­ber­to no sis­te­ma Alfa Centauri, tor­nan­do a de­sig­na­ção du­pla­men­te apro­pri­a­da.

Os hu­ma­nos que co­lo­ni­za­ram Chiron fo­ram en­vi­a­dos nu­ma na­ve es­pa­ci­al ain­da co­mo em­briões con­ge­la­dos. Coube às so­fis­ti­ca­das má­qui­nas a ta­re­fa de co­lo­car es­ses em­briões em úte­ros ar­ti­fi­ci­ais até «nas­ce­rem» e cons­truir to­da a in­fra­es­tru­tu­ra ne­ces­sá­ria pa­ra que os recém-nascidos pu­des­sem so­bre­vi­ver.

A edu­ca­ção das cri­an­ças em Chiron foi as­se­gu­ra­da por an­droi­des, li­ga­dos a um gi­gan­tes­co ban­co de da­dos con­ten­do to­do o co­nhe­ci­men­to hu­ma­no. E a co­ló­nia estabeleceu-se, e flo­res­ceu.

Muitos anos de­pois, uma Terra de­vas­ta­da pe­la guer­ra mas ain­da vi­va, di­vi­di­da en­tre três po­tên­ci­as e vi­ven­do ago­ra em cli­ma de «guer­ra fria», re­ce­beu no­tí­ci­as de que tu­do cor­re­ra bem e a co­lo­ni­za­ção hu­ma­na do pla­ne­ta Chiron se en­con­tra­va em an­da­men­to.

Naves es­pa­ci­ais fo­ram en­vi­a­das pa­ra ir ao en­con­tro dos na­ti­vos e es­ta­be­le­cer a au­to­ri­da­de ter­res­tre em Chiron. Estas na­ves não trans­por­ta­vam ape­nas co­lo­nos, mas tam­bém os re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os em que cres­ce­ram, as re­li­giões, os pre­con­cei­tos, os con­di­ci­o­na­lis­mos apre­en­di­dos no planeta-mãe e um gru­po de mi­li­ta­res pa­ra me­ter os na­ti­vos em or­dem, se ne­ces­sá­rio.

Quando os ter­res­tres che­ga­ram ao no­vo pla­ne­ta, des­co­bri­ram uma so­ci­e­da­de com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da de­les. Todo o tra­ba­lho era as­se­gu­ra­do pe­las má­qui­nas. Os bens, ser­vi­ços e in­for­ma­ções eram tão uni­ver­sal­men­te aces­sí­veis que con­cei­tos co­mo «pos­ses­são ma­te­ri­al» não ti­nham ali qual­quer sig­ni­fi­ca­do.

A po­si­ção so­ci­al não era de­ter­mi­na­da pe­lo di­nhei­ro, que nem se­quer exis­tia, mas pe­lo ta­len­to de ca­da um. A so­ci­e­da­de em Chiron focava-se nas ar­tes, na cul­tu­ra e na tec­no­lo­gia, era li­ber­tá­ria e pro­gres­sis­ta, não pos­suía hi­e­rar­qui­as, au­to­ri­da­des cen­trais ou con­fli­tos ar­ma­dos.

O que re­sul­ta­rá des­te en­con­tro en­tre so­ci­e­da­des é o ine­vi­tá­vel con­fli­to en­tre a men­ta­li­da­de au­to­ri­tá­ria e bu­ro­crá­ti­ca dos «cen­tau­ros» ter­res­tres e es­tes no­vos e pa­cí­fi­cos anar­quis­tas chi­ro­ni­a­nos.

O pla­ne­ta Chiron e a so­ci­e­da­de que se de­sen­vol­veu fo­ram cri­a­dos pe­la ima­gi­na­ção do es­cri­tor de fic­ção ci­en­tí­fi­ca James P. Hogan em «Voyager from Yesteryear», li­vro pu­bli­ca­do em Portugal dois anos de­pois na ex­tin­ta co­le­ção Argonauta sob o tí­tu­lo «A Conquista das Estrelas».

Lembrei-me des­te li­vro por­que es­tou um bo­ca­do far­to de jus­ti­fi­car cer­tas coi­sas que leio ape­nas com a me­ra ig­no­rân­cia, sen­sa­ci­o­na­lis­mo ou «click­bait». Queria com­pre­en­der por que ra­zão, nos úl­ti­mos di­as de agos­to, os me­dia no­ti­ci­a­ram que uma «se­gun­da Terra» fo­ra des­co­ber­ta a or­bi­tar Proxima Centauri sem que exis­ta um úni­co fac­to pas­sí­vel de su­por­tar tí­tu­los des­tes.

O que sabemos sobre a segunda Terra? Quase nada.

 Representação artística do novo planeta em Proxima Centauri

Representação ar­tís­ti­ca do no­vo pla­ne­ta em Proxima Centauri

Sobre es­sa se­gun­da Terra, a Proxima b, co­nhe­ce­mos ape­nas os da­dos re­co­lhi­dos pe­los es­pec­tró­gra­fos: pro­va­vel­men­te, é um pla­ne­ta com 1,3 mas­sas ter­res­tres or­bi­tan­do a es­tre­la a ca­da 11,2 di­as a uma dis­tân­cia mé­dia de 7 mi­lhões de qui­ló­me­tros.

Para te­rem uma ideia de co­mo é uma dis­tân­cia cur­ta, Mercúrio, o pla­ne­ta mais pró­xi­mo do Sol, orbita-o a uma dis­tân­cia de cer­ca de 59 mi­lhões de qui­ló­me­tros. O que acon­te­ce nes­te ca­so é que a es­tre­la em ques­tão, Proxima Centauri, é uma anã ver­me­lha, mui­to mais pe­que­na e me­nos lu­mi­no­sa do que o Sol.

Estar a uns me­ros se­te mi­lhões de qui­ló­me­tros de dis­tân­cia do nos­so sol im­pli­ca­ria ser­mos va­po­ri­za­dos ins­tan­ta­ne­a­men­te; no ca­so des­te pla­ne­ta e da sua es­tre­la anã, ca­lha nu­ma zo­na tem­pe­ra­da on­de te­o­ri­ca­men­te é pos­sí­vel en­con­trar con­di­ções de tem­pe­ra­tu­ra pa­ra a for­ma­ção de água lí­qui­da à su­per­fí­cie.

E é tu­do o que sa­be­mos so­bre es­ta «se­gun­da Terra»: a mas­sa, a dis­tân­cia a que se en­con­tra da sua es­tre­la e o tem­po que de­mo­ra a dar-lhe uma vol­ta com­ple­ta.

Não fa­ze­mos ideia qual a tem­pe­ra­tu­ra à su­per­fí­cie: tan­to po­de ser de 40 graus ne­ga­ti­vos co­mo de cen­te­nas de graus po­si­ti­vos, tu­do de­pen­de da sua at­mos­fe­ra.

Só que nem se­quer sa­be­mos se tem uma at­mos­fe­ra, quan­to mais que ti­po de at­mos­fe­ra po­de­rá ter. Proxima b po­de­rá es­tar gra­vi­ta­ci­o­nal­men­te amar­ra­da a Proxima Centauri de­vi­do à pro­xi­mi­da­de a que es­tá des­ta es­tre­la, o que im­pli­ca­ria apresentar-lhe sem­pre a mes­ma fa­ce e ter me­ta­de do pla­ne­ta a mor­rer de frio e a ou­tra a mor­rer de ca­lor.

Mais uma vez, pre­ci­sa­ría­mos de co­nhe­cer a na­tu­re­za da sua at­mos­fe­ra pa­ra po­der­mos ti­rar al­gu­mas con­clu­sões de jei­to. Se for pou­co den­sa, po­de­mos ter um ar aris­co, ve­ne­no­so e hos­til co­mo Marte. Se for de­ma­si­a­do den­sa, po­de calhar-nos uma at­mos­fe­ra es­ma­ga­do­ra co­mo a de Vénus.

Tal co­mo a ge­ne­ra­li­da­de das anãs ver­me­lhas, es­ta es­tre­la é pro­pen­sa a emi­tir gran­des quan­ti­da­des de Raios-X e ra­di­a­ção ul­tra­vi­o­le­ta, e vi­ver num pla­ne­ta on­de o sol nos ti­ra ra­di­o­gra­fi­as des­de que nas­ce­mos não é pro­pri­a­men­te uma ma­nei­ra de as­se­gu­rar a so­bre­vi­vên­cia de cri­a­tu­ras bi­o­ló­gi­cas. Terá es­ta se­gun­da Terra um es­cu­do mag­né­ti­co co­mo aque­le que nos pro­te­ge aqui? Não fa­ze­mos ideia.

Na ti­me­li­ne do Facebook só te­nho vis­to gen­te a fa­lar com gran­de en­tu­si­as­mo des­ta «se­gun­da Terra» que foi des­co­ber­ta, le­va­da pe­los tí­tu­los ma­ni­pu­la­do­res da im­pren­sa e dos blo­gues que os re­pe­tem.

Claro que es­te é um pla­ne­ta pro­mis­sor – tal­vez o mais pro­mis­sor de to­dos – mas ti­rar con­clu­sões pre­ci­pi­ta­das é uma prá­ti­ca tão co­mum nos jor­na­lis­tas que no­ti­ci­am a Ciência que um dia ain­da se fa­rá uma es­pe­ci­a­li­za­ção na ar­te de co­lo­car a car­ro­ça à fren­te dos bois.

A ra­zão pa­ra tan­to en­tu­si­as­mo parece-me ób­via: to­dos te­mos oca­siões na vi­da em que sen­ti­mos ne­ces­si­da­de de «co­me­çar de no­vo». Um pla­ne­ta se­me­lhan­te à Terra, ain­da por ci­ma tão per­to de nós em ter­mos cós­mi­cos, é a pro­mes­sa de um re­co­me­çar co­le­ti­vo, é man­ter a es­pe­ran­ça de que por mai­or que se­ja a mer­da que fa­ça­mos nes­te, ha­ve­rá ou­tros mun­dos on­de nos po­de­re­mos abri­gar e ten­tar ou­tra vez.

E tal­vez se­ja tam­bém por is­to que me lem­brei do li­vro de James P. Hogan: que le­va­re­mos nós pa­ra es­sa se­gun­da Terra, a men­ta­li­da­de re­tró­gra­da dos cen­tau­ros, sub­mer­sa no pân­ta­no da su­pers­ti­ção e do pre­con­cei­to, ou ten­ta­re­mos ser co­mo o sá­bio e pa­cí­fi­co Chiron, dis­pos­tos a cons­truir uma so­ci­e­da­de on­de o ta­len­to e o tra­ba­lho não são ape­nas va­lo­ri­za­dos pe­la quan­ti­da­de de di­nhei­ro que ge­rem?

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?