Invoco tan­tas ve­zes o fa­mo­so tex­to de Carl Sagan nes­te blo­gue por o con­si­de­rar tão be­lo e ins­pi­ra­dor. Estou con­ven­ci­do de que de­ve­ria fa­zer par­te da ma­té­ria de qual­quer es­co­la do mun­do.

Estas pa­la­vras – tão sim­ples e cer­tei­ras na sua sen­sa­tez, sen­si­bi­li­da­de e hu­ma­nis­mo – fa­ri­am me­lhor à men­ta­li­da­de das cri­an­ças do que o en­si­no da re­li­gião, que di­vi­de mais do que une.

Neste tex­to tão fá­cil de en­ten­der e ain­da mais fá­cil de sen­tir, as fron­tei­ras en­tre Arte, Ciência e Filosofia são es­ti­lha­ça­das, con­ver­gin­do num úni­co sen­ti­do: a vi­são cós­mi­ca da exis­tên­cia hu­ma­na.

O mag­ní­fi­co ví­deo que se se­gue, as­si­na­do por David Fu, é cons­truí­do prin­ci­pal­men­te a par­tir de frag­men­tos de fil­mes, ex­cer­tos do au­di­o­bo­ok de Sagan, «Pale Blue Dot», e um te­ma dos Mogwai co­mo ban­da so­no­ra.

As pa­la­vras de Sagan fo­ram tra­du­zi­das por mim de ou­vi­do e de for­ma mui­to li­vre, pau­sa, play, pau­sa, play, pe­lo que po­de­rão exis­tir fa­lhas e im­pre­ci­sões – fi­ca­rei mui­to agra­de­ci­do se as to­pa­rem e cor­ri­gi­rem. Sei que exis­tem ví­de­os já le­gen­da­dos em por­tu­guês do Brasil, mas ignorei-os; apeteceu-me an­tes o pra­zer de tra­du­zir pa­ra o por­tu­guês de Portugal – o tex­to é sim­ples, o que tam­bém aju­dou.

Uma no­ta fi­nal: a ima­gem que sur­ge no player em pau­sa não é do pon­to azul cla­ro de Sagan; trata-se de uma fo­to­gra­fia da Nebulosa do Haltere, a pri­mei­ra ne­bu­lo­sa pla­ne­tá­ria a ser des­co­ber­ta. A fo­to foi re­ti­ra­da des­te blo­gue e o seu au­tor chamou-lhe, pre­ci­sa­men­te, Pale Blue Dot – por is­so a des­co­bri!

Pálido ponto azul

«A na­ve es­pa­ci­al es­ta­va mui­to lon­ge de ca­sa.

Pensei que se­ria uma boa ideia, lo­go de­pois de Saturno, fazê-la olhar pa­ra ca­sa uma úl­ti­ma vez. De Saturno, a Terra sur­gi­ria de­ma­si­a­do pe­que­na pa­ra que a Voyager pu­des­se cap­tar qual­quer de­ta­lhe. O nos­so pla­ne­ta se­ria ape­nas um pon­to de luz, um pi­xel so­li­tá­rio, di­fi­cil­men­te dis­tin­guí­vel de mui­tos ou­tros pon­tos de luz que a Voyager po­dia cap­tar: pla­ne­tas vi­zi­nhos, sóis dis­tan­tes.

Mas pre­ci­sa­men­te de­vi­do à obs­cu­ri­da­de do nos­so mun­do as­sim re­ve­la­da, po­de­ria va­ler a pe­na ter uma fo­to des­sas. Fora bem en­ten­di­do pe­los ci­en­tis­tas e fi­ló­so­fos da Antiguidade Clássica que a Terra era um me­ro pon­to num vas­to e abran­gen­te Cosmos, mas ain­da nin­guém a vi­ra as­sim. Era a nos­sa pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de – e tal­vez a úni­ca, nas dé­ca­das que se se­gui­ri­am.

Portanto… Aqui es­tá: um mo­sai­co qua­dri­cu­la­do es­ten­di­do so­bre os pla­ne­tas e um fun­do sal­pi­ca­do de es­tre­las dis­tan­tes. Por cau­sa do re­fle­xo da luz do Sol na na­ve, a Terra pa­re­ce re­pou­sar num raio de luz, co­mo se exis­tis­se um sig­ni­fi­ca­do es­pe­ci­al nes­te pe­que­no mun­do… Mas é ape­nas um aci­den­te de ge­o­me­tria e óti­ca.

Não há ne­nhum si­nal de hu­ma­nos nes­ta fo­to – das nos­sas mo­di­fi­ca­ções na su­per­fí­cie do pla­ne­ta, das nos­sas má­qui­nas, de nós pró­pri­os. Deste pon­to de vis­ta, a nos­sa ob­ses­são com o na­ci­o­na­lis­mo não apa­re­ce evi­den­ci­a­da em la­do ne­nhum. Somos de­ma­si­a­do pe­que­nos. Na es­ca­la dos mun­dos, os hu­ma­nos são in­con­se­quen­tes – uma fi­na pe­lí­cu­la de luz num obs­cu­ro e so­li­tá­rio pe­da­ço de ro­cha e me­tal.

A Terra vista da Lua

A Terra vis­ta da Lua du­ran­te a mis­são Apollo 15

Vista des­te dis­tan­te pon­to de ob­ser­va­ção, a Terra tal­vez não te­nha ne­nhum in­te­res­se es­pe­ci­al. Mas, pa­ra nós, é di­fe­ren­te.

Considerem no­va­men­te aque­le pon­to. É aqui. É a nos­sa ca­sa. Somos nós. Nele, to­dos aque­les que ama­mos, to­dos os que co­nhe­ce­mos ou de quem ou­vi­mos fa­lar, to­dos os se­res hu­ma­nos que já exis­ti­ram, vi­vem ou vi­ve­ram as su­as vi­das.

Toda a nos­sa mis­tu­ra de ale­gria e so­fri­men­to, as inú­me­ras re­li­giões, ide­o­lo­gi­as e dou­tri­nas eco­nó­mi­cas, to­dos os ca­ça­do­res e sa­que­a­do­res, he­róis e co­var­des, cri­a­do­res e des­trui­do­res de ci­vi­li­za­ções, reis e cam­po­ne­ses, jo­vens ca­sais apai­xo­na­dos, pais e mães, cri­an­ças es­pe­ran­ço­sas, to­dos os in­ven­to­res e ex­plo­ra­do­res, pro­fes­so­res de mo­ral, po­lí­ti­cos cor­rup­tos, «super-estrelas», lí­de­res su­pre­mos, to­dos os san­tos e pe­ca­do­res na his­tó­ria da nos­sa es­pé­cie vi­ve­ram ali, num grão de po­ei­ra sus­pen­so num raio de sol.

A Terra é um pal­co mui­to pe­que­no nu­ma vas­ta are­na cós­mi­ca. Pensem nos ri­os de san­gue der­ra­ma­dos por to­dos os ge­ne­rais e im­pe­ra­do­res pa­ra que, em gló­ria e triun­fo, pu­des­sem ser os mo­men­tâ­ne­os se­nho­res de uma fra­ção de um pon­to.

Pensem nas in­fi­ni­tas cru­el­da­des co­me­ti­das pe­los ha­bi­tan­tes de um can­to des­te pi­xel so­bre os qua­se in­dis­tin­guí­veis ha­bi­tan­tes de ou­tro can­to qual­quer; quão fre­quen­tes são os seus de­sen­ten­di­men­tos; quão de­ter­mi­na­dos es­tão em matar-se uns aos ou­tros; quão in­fla­ma­do é o seu ódio.

A nos­sa ati­tu­de, a nos­sa ima­gi­na­da auto-importância, a ilu­são de que te­mos uma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da no Universo, são de­sa­fi­a­das por es­te pon­to de luz pá­li­da. O nos­so pla­ne­ta é um pon­ti­nho so­li­tá­rio na gran­de es­cu­ri­dão cós­mi­ca cir­cun­dan­te. Na nos­sa obs­cu­ri­da­de, em to­da es­ta imen­si­dão, não há ne­nhum in­dí­cio de que a aju­da ve­nha de ou­tro lu­gar pa­ra nos sal­var de nós mes­mos.

A Terra é, até ago­ra, o úni­co mun­do co­nhe­ci­do que al­ber­ga a vi­da. Não há ne­nhum ou­tro lu­gar, pe­lo me­nos num fu­tu­ro pró­xi­mo, pa­ra on­de a nos­sa es­pé­cie pos­sa mi­grar. Visitar, sim; estabelecer-se, ain­da não. Goste-se ou não, de mo­men­to a Terra é o nos­so úni­co pos­to.

Tem si­do di­to que a Astronomia é uma ex­pe­ri­ên­cia de hu­mil­da­de e for­ma­do­ra de ca­rác­ter. Talvez não exis­ta me­lhor de­mons­tra­ção das lou­cu­ras da vai­da­de hu­ma­na do que es­ta dis­tan­te ima­gem do nos­so mi­nús­cu­lo mun­do. Para mim, su­bli­nha a res­pon­sa­bi­li­da­de de nos re­la­ci­o­nar­mos mais gen­til­men­te uns com os ou­tros e de pre­ser­var­mos e aca­ri­nhar­mos o úni­co lar que co­nhe­ce­mos: o pá­li­do pon­to azul.»

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?