Despertei pa­ra os mis­té­ri­os do Universo com uns qua­tro ou cin­co anos fo­lhe­an­do, de­sen­fre­a­do, os li­vros de ge­o­gra­fia da mi­nha mãe. Além dos ma­pas do im­pé­rio ul­tra­ma­ri­no por­tu­guês, ti­nham uma pe­que­na sec­ção de­di­ca­da ao Sol e aos pla­ne­tas, com ilus­tra­ções, em re­tros­pe­ti­va, pou­co inspiradoras.

Nos anos se­guin­tes, as­tro­nau­tas, na­ves es­pa­ci­ais, pla­ne­tas, es­tre­las e ali­e­ní­ge­nas fo­ram de lon­ge os con­di­men­tos mais co­muns nas mi­nhas brincadeiras. 

Brad Goldpaint

A Via Láctea e um me­te­o­roi­de so­bre o Monte Rainier em Washington. | Foto: Brad Goldpaint

Aos 13 anos, es­sa cu­ri­o­si­da­de evo­luiu com na­tu­ra­li­da­de pa­ra uma pai­xão vi­ta­lí­cia quan­do, ao anoi­te­cer de um dia quen­te de Junho, dei por mim a ob­ser­var uma es­tre­la tre­men­da­men­te brilhante.

Tinha de sa­ber «o que era aquilo».

Voltei-me pa­ra os li­vros e co­me­cei a apren­der as cons­te­la­ções de­se­nhan­do as es­tre­las mais bri­lhan­tes que ob­ser­va­va à noi­te num blo­co de no­tas e ten­tan­do en­con­trar pa­drões se­me­lhan­tes nos ma­pas do céu. Ao fim de al­guns me­ses e des­co­ber­tas, apren­di a ler o céu e a tra­tar as es­tre­las por tu.

«Aquilo» era o pla­ne­ta Vénus.

Michael Jaeger

O co­me­ta Lovejoy. | Foto: Michael Jaeger

As des­co­ber­tas eram ab­so­lu­ta­men­te tri­vi­ais, fru­to de um pro­ces­so nor­mal de apren­di­za­gem por ten­ta­ti­va e er­ro — por ser eu a fazê-las de for­ma in­de­pen­den­te, senti-me deslumbrado.

Lembro-me co­mo se fos­se ho­je da­que­la noi­te de Agosto, es­ta­va eu na al­deia a go­zar as fé­ri­as gran­des, quan­do acor­dei por aca­so de ma­dru­ga­da e, es­prei­tan­do pe­la ja­ne­la or­va­lha­da, ob­ser­vei a cons­te­la­ção de Orionte e mui­tas ou­tras pe­la pri­mei­ra vez. Nessa noi­te des­co­bri que, de­vi­do à ro­ta­ção da Terra, as cons­te­la­ções que ve­mos du­ran­te a noi­te não são sem­pre as mesmas.

Além des­ta in­ti­mi­da­de con­se­gui­da com as es­tre­las, ha­via al­go mais que me atraía no fir­ma­men­to. Sentado na es­cu­ri­dão qua­se com­ple­ta de um cam­po de mi­lho, com o meu blo­co de no­tas, um lá­pis e uma pe­que­na lan­ter­na, po­dia ob­ser­var to­do o in­crí­vel en­re­do que se de­sen­ro­la­va pe­ran­te mim.

Patrick Gilliland

Remanescente de uma es­tre­la su­per­no­va na cons­te­la­ção Gémeos. | Foto: Patrick Gilliland

Um céu com mi­lha­res de es­tre­las, atra­ves­sa­do pe­la Via Láctea, qual co­lu­na ver­te­bral se­gu­ran­do a abó­ba­da ce­les­te. Sabia mui­to pou­co so­bre as es­tre­las e a enor­me ga­lá­xia ali mes­mo por ci­ma de mim, mas era o su­fi­ci­en­te pa­ra me aper­ce­ber da mi­nha pe­que­nez no «es­que­ma das coi­sas». Por al­gum mo­ti­vo, es­se sen­ti­men­to sem­pre me ser­viu de con­for­to, em es­pe­ci­al nos anos di­fí­ceis que, não ima­gi­na­va na al­tu­ra, iria ter pe­la frente.

Com o pas­sar do tem­po apercebi-me de que há al­go de pro­fun­da­men­te es­pi­ri­tu­al, no sen­ti­do não re­li­gi­o­so da pa­la­vra, na con­tem­pla­ção do céu no­tur­no. No meu ca­so, re­sul­ta de uma amál­ga­ma de cau­sas: pra­zer es­té­ti­co, sentir-me par­te (ín­fi­ma) de al­go mui­to mai­or e, cu­ri­o­sa­men­te, a com­pre­en­são do que observo.

Tive a fe­li­ci­da­de de es­tu­dar dis­ci­pli­nas co­mo ma­te­má­ti­ca, quí­mi­ca, fí­si­ca e bi­o­lo­gia, que me per­mi­ti­ram per­ce­ber, tan­to quan­to é pos­sí­vel a um não es­pe­ci­a­lis­ta, as leis e os pro­ces­sos que re­gem o Universo em to­das as es­ca­las e a for­ma es­pan­to­sa co­mo tu­do es­tá in­ter­li­ga­do, des­de a ga­lá­xia mais lon­gín­qua à ma­qui­na­ria mo­le­cu­lar das nos­sas células.

A com­pre­en­são do que ob­ser­vo, de co­mo se en­cai­xa no «es­que­ma das coi­sas», de co­mo fun­ci­o­na, é pa­ra mim par­te es­sen­ci­al na ex­pe­ri­ên­cia do céu noturno.

Miguel Claro

A Via Láctea nu­ma noi­te de Verão, de Miguel Claro

Isto po­de pa­re­cer pa­ra­do­xal pa­ra al­guns lei­to­res, mas o que me atrai mais e tor­na tu­do is­to mais be­lo, é o fac­to de, tan­to quan­to a Ciência nos per­mi­te ver, o Universo não ter qual­quer sen­ti­do ou pro­pó­si­to. Simplesmente es­tá lá e fun­ci­o­na de acor­do com leis que po­de­mos com­pre­en­der e des­cre­ver com ma­te­má­ti­ca maravilhosa.

Adoro es­ta ideia, es­ta sim­pli­ci­da­de, es­ta tem­pe­ran­ça nos ato­res e no ar­gu­men­to. É es­pan­to­so ob­ser­var co­mo «dan­do tem­po ao tem­po», a com­ple­xi­da­de sur­ge es­pon­ta­ne­a­men­te no Universo  —  na ver­da­de há quem pen­se que é por is­so que «exis­te» o tem­po  —  e eu, pro­du­to de um des­tes de­lí­ri­os das for­ças da na­tu­re­za, te­nho o pri­vi­lé­gio im­pro­vá­vel e efé­me­ro de aqui es­tar e me­di­tar so­bre isto.

Luís Lopes

Bitaite de Luís Lopes

Professor na Universidade do Porto e astrónomo amador há mais de 30 anos.