Vamos to­dos mor­rer, e a cul­pa de­ve ser das modernices.

Não es­tou aqui pa­ra con­tes­tar os re­sul­ta­dos des­ta re­vi­são sis­te­má­ti­ca, mas pa­ra me­ter o de­do na re­tó­ri­ca alar­mis­ta do au­tor, Hagai Levine. Levine che­gou a afir­mar em en­tre­vis­ta à BBC que, ca­so a ten­dên­cia se man­te­nha, ar­ris­ca­mos a ex­tin­ção da es­pé­cie.

Os re­sul­ta­dos só são con­clu­si­vos pa­ra paí­ses de­sen­vol­vi­dos — América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia— e não per­mi­tem re­la­ci­o­nar com pos­sí­veis cau­sas. A ten­dên­cia pa­ra paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to — con­ti­nen­te sul-americano, Ásia e África — é me­nor, mas não tem sig­ni­fi­cân­cia es­ta­tís­ti­ca, por fal­ta de es­tu­dos e por­que a re­vi­são não in­clui es­tu­dos pu­bli­ca­dos em lín­guas que não o inglês.

Peça do Público

Como vem na pe­ça do Público, em 38 anos a con­cen­tra­ção de es­per­ma­to­zoi­des bai­xou 52,4% pa­ra os 47,1 mi­lhões por mi­li­li­tro. E a con­ta­gem de es­per­ma­to­zoi­des por eja­cu­la­ção bai­xou 59,3% pa­ra os 137,5 milhões.

No en­tan­to, os li­mi­tes da OMS pa­ra de­fi­nir ca­sos de in­fer­ti­li­da­de es­tão em con­cen­tra­ções de 20 mi­lhões de es­per­ma­to­zoi­des por mi­li­li­tro e 40 mi­lhões de es­per­ma­to­zoi­des por eja­cu­la­ção, bem lon­ge ain­da dos pa­râ­me­tros atu­ais. Para mais, o es­tu­do não ava­lia a qua­li­da­de dos espermatozoides.

Com cer­te­za é um pro­ble­ma me­re­ce­dor de aten­ção, e até pos­so con­cor­dar re­la­ti­va­men­te à ur­gên­cia de des­co­brir as cau­sas des­te fenómeno.

Mas acho cu­ri­o­sa a for­ma qua­se des­lei­xa­da com que se apon­ta um pu­nha­do de cau­sas hi­po­té­ti­cas en­tre uma am­pla es­co­lha de cau­sas pos­sí­veis de­ri­va­das da ex­tre­ma com­ple­xi­da­de das vi­das hu­ma­nas nas so­ci­e­da­des modernas.

Como exem­plo, re­fe­rem o ta­ba­co, que efe­ti­va­men­te re­duz o nú­me­ro e a qua­li­da­de dos es­per­ma­to­zoi­des (o es­tu­do ci­ta­do en­con­tra uma re­du­ção de 9.72 milhões/ml na con­cen­tra­ção de es­per­ma­to­zoi­des en­tre fu­ma­do­res).

Segundo a OMS, po­rém, o con­su­mo de ta­ba­co vem de­cain­do nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos e su­bin­do nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, ten­do bai­xa­do pa­ra me­ta­de em 30 anos nos EUA. Ou se­ja, as ten­dên­ci­as não pa­re­cem conjugar-se.

Mas o que mais me es­pan­tou foi a ale­ga­ção do pos­sí­vel efei­to de pes­ti­ci­das nos ali­men­tos, sus­ten­ta­da num ar­ti­go ri­dí­cu­lo que não dis­tin­gue a ti­po­lo­gia dos ali­men­tos da pre­sen­ça de re­sí­du­os de pes­ti­ci­das, pa­ra não fa­lar de ou­tros fac­to­res con­co­mi­tan­tes não con­si­de­ra­dos, co­mo o es­ti­lo de vi­da ou o es­ta­do de saú­de, tão co­mum­men­te re­la­ci­o­na­dos à di­e­ta seguida.

A amos­tra nem te­ria di­men­sões pa­ra um apu­ra­men­to des­sa na­tu­re­za. E is­to num con­tex­to em que a se­gu­ran­ça ali­men­tar me­lho­rou subs­tan­ci­al­men­te nas úl­ti­mas dé­ca­das nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos, de­vi­do aos pro­gres­sos na le­gis­la­ção, na fis­ca­li­za­ção e na evo­lu­ção do per­fil to­xi­co­ló­gi­co dos pesticidas.

Volto a su­bli­nhar que não con­tes­to os re­sul­ta­dos da re­vi­são, mas jul­go que os in­ves­ti­ga­do­res de­vi­am ter mais cui­da­do com as hi­pó­te­ses (e os es­tu­dos que ci­tam pa­ra as sus­ten­tar) lan­ça­dos aos me­dia, que ado­ram bo­des ex­pi­a­tó­ri­os ve­lhos conhecidos.

Alguém da área que se pro­nun­cie, que is­to po­de ser o che­que da Monsanto e da in­dús­tria ta­ba­quei­ra já a fa­la­rem por mim…

Carlos Daniel Abrunheiro

Bitaite de Carlos Daniel Abrunheiro

Músico autodidata, Físico não praticante.