O mis­té­rio à vol­ta da es­tre­la KIC 8462852 con­ti­nua a ser um enor­me pica-miolos pa­ra os as­tró­no­mos por­que nin­guém con­se­gue che­gar a uma con­clu­são de­fi­ni­ti­va so­bre o que se an­da a pas­sar lá — e es­ta se­ma­na o mis­té­rio adensou-se.

Não, nin­guém des­co­briu cons­tru­to­res cós­mi­cos ex­tra­ter­res­tres, mas uma aná­li­se mais apro­fun­da­da aos da­dos his­tó­ri­cos fei­ta por dois in­ves­ti­ga­do­res, Josh Simon e Ben Montet, in­di­ca que a lu­mi­no­si­da­de da es­tre­la, de for­ma inex­pli­cá­vel e sur­pre­en­den­te, di­mi­nuiu cer­ca de 14 por cen­to nos úl­ti­mos cem anos. Porquê?

Os da­dos mais re­cen­tes — re­co­lhi­dos a par­tir de qua­tro anos de ob­ser­va­ções do te­les­có­pio es­pa­ci­al Keppler — são igual­men­te bi­zar­ros: a es­tre­la di­mi­nuiu a sua lu­mi­no­si­da­de em cer­ca de 1 por cen­to nos pri­mei­ros três anos, dois por cen­to du­ran­te o quar­to e ab­so­lu­ta­men­te na­da nos úl­ti­mos seis me­ses.

Simon e Montet com­pa­ra­ram tam­bém os da­dos com os de ou­tras 500 es­tre­las ob­ser­va­das pe­lo Keppler. Um pe­que­no nú­me­ro apre­sen­ta di­mi­nui­ções gra­du­ais de lu­mi­no­si­da­de, mas ne­nhu­ma com per­das tão in­ten­sas co­mo a mis­te­ri­o­sa KIC 8462852.

Por que ra­zão uma es­tre­la per­de lu­mi­no­si­da­de tão in­ten­sa­men­te e em pe­río­dos que não pa­re­cem ser re­gu­la­res? Ninguém sa­be. Tais va­ri­a­ções po­di­am ser ex­pli­ca­das pe­la pas­sa­gem de co­me­tas ou pla­ne­tas, mas nas per­das de lon­go pra­zo exi­gem ou­tro ti­po de ex­pli­ca­ção. Qual? Ninguém a tem.

Freeman Dyson

Freeman Dyson

A KIC 8462852 — es­tre­la de clas­se F, de co­lo­ra­ção branco-amarela e li­gei­ra­men­te mai­or e mais quen­te que o Sol — an­da a ser no­tí­cia há mais de um ano. Devido às per­tur­ba­ções e à con­fu­são que es­tas cau­sa­ram nos ci­en­tis­tas, os me­dia co­me­ça­ram a pen­sar se os as­tró­no­mos, afi­nal, não ti­nham des­co­ber­to a fa­mo­sa es­fe­ra de Dyson.

A es­fe­ra de Dyson é uma me­ga­es­tru­tu­ra ali­e­ní­ge­na hi­po­té­ti­ca ima­gi­na­da pe­lo fí­si­co e ma­te­má­ti­co in­glês Freeman Dyson. Dyson con­si­de­rou que uma ci­vi­li­za­ção tec­no­lo­gi­ca­men­te mui­to mais avan­ça­da do que a nos­sa po­de­ria cons­truir enor­mes es­tru­tu­ras à vol­ta de uma es­tre­la, de mo­do a captar-lhe a ener­gia. Se qui­sés­se­mos des­co­brir in­te­li­gên­ci­as avan­ça­das, propôs Dyson, de­ve­ría­mos pro­cu­rar evi­dên­ci­as de que tais es­tru­tu­ras exis­tem.

Tendo em con­ta que a luz da es­tre­la KIC 8462852 pa­re­cia es­tar a ser pe­ri­o­di­ca­men­te blo­que­a­da por um ob­je­to gran­di­o­so e que o fe­nó­me­no não se pa­re­cia com na­da do que co­nhe­ce­mos do mun­do na­tu­ral, não é di­fí­cil ima­gi­nar o fre­ne­sim no­ti­ci­o­so que ori­gi­nou.

Embora a hi­pó­te­se ex­tra­ter­res­tre ti­ves­se si­do a úl­ti­ma de uma lon­ga lis­ta de hi­pó­te­ses pro­pos­tas, os as­tró­no­mos do SETI — acró­ni­mo de Search for Extraterrestrial Intelligence — vas­cu­lha­ram a área com o sis­te­ma de ra­di­o­te­les­có­pi­os Allen Telescope Array a ver se es­cu­ta­vam si­nais da me­ga­es­tru­tu­ra. O ob­je­ti­vo era de­te­tar si­nais de rá­dio que in­di­cas­sem a pre­sen­ça de ati­vi­da­de ex­tra­ter­res­tre.

Os ra­di­o­te­les­có­pi­os fo­ram sin­to­ni­za­dos pa­ra frequên­ci­as en­tre os 1 e os 10 gi­gahertz, «mui­to mais ele­va­das que as das nos­sas rá­di­os ou te­le­vi­so­res», es­cre­veu en­tão Seth Shostak, as­tró­no­mo do SETI, num ar­ti­go pa­ra o Huffington Post.

O SETI es­co­lhe pro­cu­rar es­tas frequên­ci­as por­que são as me­lho­res pa­ra co­mu­ni­ca­ções in­te­res­te­la­res. Em frequên­ci­as mais bai­xas, a nos­sa ga­lá­xia emi­te pro­di­gi­o­sas quan­ti­da­des de on­das de rá­dio, o que pro­vo­ca um ba­ru­lho de fun­do en­sur­de­ce­dor.

Com frequên­ci­as mais al­tas, a at­mos­fe­ra ter­res­tre – e pre­su­mi­vel­men­te a de ou­tros pla­ne­tas co­mo a Terra – ab­sor­ve e emi­te frequên­ci­as de rá­dio mui­to mais am­plas. Disto re­sul­ta uma opor­tu­ni­da­de – a «ja­ne­la de micro-ondas», atra­vés da qual são pos­sí­veis co­mu­ni­ca­ções rá­dio de lon­go al­can­ce mui­to mais efi­ci­en­tes.

Este não foi o úni­co ti­po de si­nal que o SETI pro­cu­rou. Os as­tró­no­mos tam­bém ten­ta­ram es­cu­tar fei­xes po­de­ro­sos de ban­das mais es­trei­tas. Estes lem­bram apon­ta­do­res la­ser: po­dem ser mui­to bri­lhan­tes ape­sar da pou­ca ener­gia re­que­ri­da, uma vez que é usa­da nu­ma úni­ca cor es­pe­cí­fi­ca.

No mes­mo sen­ti­do, tais trans­mis­sões con­cen­tram to­da a ener­gia nu­ma pe­que­na par­te do es­pec­tro rá­dio – o ti­po de trans­mis­são, ex­pli­cou Shostak, ca­paz de fun­ci­o­nar «me­lhor co­mo um ca­nal de sau­da­ção».

Mas na­da. Os as­tró­no­mos do SETI pas­sa­ram du­as úl­ti­mas se­ma­nas à pes­ca des­ses in­dí­ci­os de vi­da na­que­la ín­fi­ma par­te do oce­a­no cós­mi­co, mas ne­nhu­ma ci­vi­li­za­ção foi apa­nha­da na re­de.

O mis­té­rio da es­tre­la KIC 84628 per­ma­ne­ce por re­sol­ver, mas os in­ves­ti­ga­do­res acre­di­tam ago­ra que os da­dos re­co­lhi­dos e ana­li­sa­dos con­tém a cha­ve pa­ra a re­so­lu­ção des­te quebra-cabeças cós­mi­co — é uma ques­tão de es­pe­rar­mos.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?