Não tar­da na­da a no­tí­cia es­ta­rá em to­do o la­do: ci­en­tis­tas in­gle­ses afir­mam ter des­co­ber­to pro­vas de vi­da ex­tra­ter­res­tre na es­tra­tos­fe­ra.

As pro­vas, co­mo su­ge­re o bió­lo­go Martin Wainwright, pro­fes­sor na Universidade de Sheffield e lí­der do pro­je­to, fo­ram en­con­tra­das nos pi­nos mi­cros­có­pi­cos de um ba­lão en­vi­a­do pa­ra a es­tra­tos­fe­ra do pla­ne­ta. Esses pi­nos só fi­ca­ram ex­pos­tos à at­mos­fe­ra quan­do o ba­lão atin­giu uma al­ti­tu­de en­tre os 22 e os 27 qui­ló­me­tros.

Que en­con­tra­ram eles quan­do o ba­lão foi re­cu­pe­ra­do, são e sal­vo?

A frús­tu­la de uma di­a­to­má­cea.

Sexy, não acham? Da pró­xi­ma vez que de­se­ja­rem im­pres­si­o­nar uma ra­pa­ri­ga, ex­pe­ri­men­tem elogiar-lhe as frús­tu­las. Aposto que ela não sa­be­rá co­mo re­a­gir ou res­pon­der, o que por si só é já um fei­to no­tá­vel pa­ra nós.

Para um lei­go, es­tes no­mes bem po­dem pa­re­cer ade­qua­dos a ex­tra­ter­res­tres ou pi­a­do­las, mas na ver­da­de têm uma ori­gem bas­tan­te ter­re­na: as di­a­to­má­ce­as são or­ga­nis­mos uni­ce­lu­la­res en­con­tra­dos prin­ci­pal­men­te em ri­os ou ma­res; a frús­tu­la é o no­me que se dá à pa­re­de ce­lu­lar que os co­bre e pro­te­ge.

Bem, en­tão por que ra­zão um pro­fes­sor de Biologia – não se tra­ta de um da­que­les pseudo-investigadores so­bre quem na­da se sa­be – ar­ris­ca­ria a sua re­pu­ta­ção ci­en­tí­fi­ca afir­man­do ter des­co­ber­to vi­da ex­tra­ter­res­tre?

Por uma ques­tão de fé.

Segundo diz Wainwright, «95% con­ven­ci­do» da ve­ra­ci­da­de da sua des­co­ber­ta, só exis­ti­ri­am du­as ma­nei­ras pe­las quais um or­ga­nis­mo ter­res­tre po­dia al­can­çar uma al­ti­tu­de de 27 qui­ló­me­tros: lan­ça­do aos ares por uma erup­ção vul­câ­ni­ca ou por um pro­ces­so qual­quer ain­da des­co­nhe­ci­do.

Dado que Wainwright e a sua equi­pa não des­co­bri­ram evi­dên­ci­as de que uma erup­ção vul­câ­ni­ca te­nha ocor­ri­do nem ime­di­a­ta­men­te an­tes ou du­ran­te o pe­río­do em que o ba­lão es­te­ve no ar e co­mo são adep­tos de uma hi­pó­te­se cen­te­ná­ria cha­ma­da Panspermia, es­co­lhe­ram acre­di­tar que se tra­ta de um or­ga­nis­mo que veio do Espaço, pos­si­vel­men­te de um me­te­o­ri­to, e não da Terra.

Portanto aqui es­tão as «pro­vas».

A Panspermia é uma hi­pó­te­se já mui­to an­ti­ga que de­fen­de que a vi­da po­de ter ti­do ori­gem no Espaço e tra­zi­da pa­ra cá. Sendo as­sim, os cons­ti­tuin­tes bá­si­cos da vi­da po­dem ter apa­nha­do uma bo­leia dos co­me­tas ou vi­a­ja­do des­de Marte, quan­do es­te era ain­da um pla­ne­ta jo­vem mais quen­te e co­ber­to de água, com um cam­po mag­né­ti­co pro­te­tor e uma at­mos­fe­ra de jei­to. O as­tró­no­mo e con­tro­ver­so Fred Hoyle, por exem­plo, era um dos de­fen­so­res da hi­pó­te­se Panspermia.

Com a cabeça na estratosfera

Cá em bai­xo te­mos um pla­ne­ta fer­vi­lhan­te de vi­da; lá em ci­ma, no Espaço, in­de­pen­den­te­men­te dos meus de­se­jos, en­con­trá­mos ze­ro pro­vas de que es­sa vi­da exis­te. Temos in­dí­ci­os, fe­za­das, bo­as ar­gu­men­ta­ções, des­co­ber­tas en­co­ra­ja­do­ras, mas na­da de pro­vas. Wainwright pre­fe­riu se­guir os seus so­nhos, em vez de con­si­de­rar o que é mais plau­sí­vel. Por mim tu­do bem, des­de que os so­nhos não se­jam apre­sen­ta­dos co­mo pro­vas e os jor­nais am­pli­em uma pro­to­des­co­ber­ta.

Mas es­te não é o fim da his­tó­ria: Wainwright e os seus co­le­gas, não obs­tan­te te­rem de­ci­di­do pu­bli­car as su­as con­clu­sões no Journal of Cosmology – cu­jos ar­ti­gos es­tão pa­ra a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca co­mo a sua pá­gi­na on­li­ne es­tá pa­ra o web de­sign – po­dem, de fac­to, ter des­co­ber­to qual­quer coi­sa ver­da­dei­ra­men­te im­por­tan­te.

Quem me de­ra! Mas até lá, an­tes de co­me­çar­mos a fa­lar na mai­or des­co­ber­ta ci­en­tí­fi­ca da his­tó­ria da Humanidade, va­mos es­pe­rar por uma aná­li­se mais de­ta­lha­da cu­jos re­sul­ta­dos – e is­to é mui­to im­por­tan­te! – pos­sam ser ve­ri­fi­ca­dos por ou­tros ci­en­tis­tas. Esta mal­ta da Ciência é mais des­con­fi­a­da do que uma ve­lho­ta alen­te­ja­na pou­co so­ciá­vel, e nor­mal­men­te tem bo­as ra­zões pa­ra is­so.

Afirmações ex­tra­or­di­ná­ri­as re­que­rem pro­vas ex­tra­or­di­ná­ri­as – dá jei­to evo­car es­ta fa­mo­sa fra­se do sau­do­so Carl Sagan. Porque é sem­pre atu­al.

Marco Santos

­Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?