Estamos to­dos aqui sen­ta­dos na es­pla­na­da do res­tau­ran­te de Douglas Adams e o as­sun­to é a des­co­ber­ta de três super-Terras na zo­na ha­bi­tá­vel do sis­te­ma de Gliese 667.

O me­lhor é co­me­çar pri­mei­ro pe­las cer­ve­ji­nhas e os tre­mo­ços.

«A cer­ve­ja po­de não ser cer­ve­ja, po­de ser um lí­qui­do que en­ga­ne os sen­ti­dos», avi­sa o en­ge­nhei­ro Pedro Cotrim, au­tor de vá­ri­os li­vros de di­vul­ga­ção ci­en­tí­fi­ca. Bebe um go­li­nho à cau­te­la, mas pa­re­ce fi­car sa­tis­fei­to com os re­sul­ta­dos da ex­pe­ri­ên­cia. «No que diz res­pei­to à cer­ve­ja, sou um ti­po di­fí­cil de en­ga­nar.»

A cer­ve­ja é au­tên­ti­ca e três sóis erguem-se di­an­te de nós nos céus do pla­ne­ta Gliese 667Cc, um dos se­te do sis­te­ma (fal­ta con­fir­mar a exis­tên­cia do sé­ti­mo, mas é mui­to pro­vá­vel que exis­ta) e uma das três super-Terras que os as­tró­no­mos des­co­bri­ram – não sei o que vo­cês pen­sam so­bre o as­sun­to, mas con­tem­plar um sis­te­ma tri­plo nu­ma pai­sa­gem se­mi­de­sér­ti­ca ex­tra­ter­res­tre é um pre­tex­to tão bom co­mo qual­quer ou­tro pa­ra mo­lhar a gar­gan­ta.

planeta 667Cd

O sis­te­ma tri­plo de Gliese 667 vis­to a par­tir do pla­ne­ta 667Cd (Ilustração: ESO/M. Kornmesser)

Neste sí­tio tão lon­gín­quo to­do o cui­da­do é pou­co — po­de ha­ver gen­te es­qui­si­ta de ou­tras ga­lá­xi­as a co­mer no res­tau­ran­te. Abstenho-me de pe­dir o car­dá­pio por­que te­nho um estô­ma­go im­pres­si­o­ná­vel e es­tou pron­to a ju­rar a pé jun­tos que o car­bo­no é pre­ju­di­ci­al ao co­les­te­rol ali­e­ní­ge­na. Alguns ET’s po­de­rão es­tar en­fras­ca­dos. Já os ima­gi­no a apon­tar pa­ra nós, di­zen­do «George Lucas» em voz al­ta e de­sa­tan­do a rir.

Somos «es­tra­nhos nu­ma ter­ra es­tra­nha», co­mo di­ria Robert Heinlein, e não co­nhe­ce­mos a cli­en­te­la da es­pla­na­da em Gliese 667Cc. Podemos até apa­nhar uma be­be­dei­ra co­mo eles, mas na­da de ex­cla­mar triun­fal­men­te «a noi­te ain­da é uma cri­an­ça» por­que os hi­po­té­ti­cos cli­en­tes que vi­vem no he­mis­fé­rio per­pe­tu­a­men­te no­tur­no do pla­ne­ta po­dem pen­sar que es­ta­mos a go­zar com eles.

Cheers! A ima­gi­na­ção é o com­bus­tí­vel mais po­de­ro­so que exis­te e os lu­ga­res aon­de nos con­duz po­dem ser aco­lhe­do­res co­mo ber­ços ou in­qui­e­tan­tes co­mo bu­ra­cos ne­gros. O res­tau­ran­te não fi­ca no fim do Universo, co­mo o do ge­ni­al Douglas Adams, mas ain­da as­sim é bas­tan­te dis­tan­te: 22 anos-luz da Terra.

Vinte e dois anos-luz é uma coi­sa ir­ri­só­ria no gran­de es­que­ma cós­mi­co das dis­tân­ci­as, mas não dei­xa de ser um nú­me­ro tra­ma­do.

Se er­guer a mi­nha ca­ne­ca de cer­ve­ja pa­ra brin­dar com o as­tro­bió­lo­go Carlos Oliveira à saú­de das ama­zo­nas su­e­cas de Aldebaran-4, o meu ges­to e a ca­ne­ca se­rão ob­ser­va­dos ao mes­mo tem­po pe­los ou­tros ob­ser­va­do­res na me­sa – é as­sim a tre­men­da ve­lo­ci­da­de da luz, re­al e ilu­só­ria, ca­paz de pren­der ao pre­sen­te ges­tos que já per­ten­cem ao pas­sa­do.

Um pouco de depressão cósmica só para dar mais ambiente

Delphifilm

Cosmic Loneliness 4 | Delphifilm @DeviantArt

Enquanto Carlos Oliveira vai pen­san­do na me­lhor ma­nei­ra de apa­nhar um au­to­car­ro es­pa­ci­al pa­ra Aldebaran-4, ou­tro ci­en­tis­ta con­si­de­ra a ve­lo­ci­da­de da na­ve mais rá­pi­da cons­truí­da pe­lo ho­mem – a Voyager 1 – e faz as con­tas: «18 qui­ló­me­tros por se­gun­do. A es­sa ve­lo­ci­da­de, pa­ra per­cor­rer 22 anos-luz, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os mais de 366 mil anos», ex­pli­ca Ricardo Cardoso Reis, do nú­cleo de di­vul­ga­ção do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto.

«Se usar­mos a ve­lo­ci­da­de de 50 km por se­gun­do do mo­tor ió­ni­co que apre­goa a mai­or ve­lo­ci­da­de, o VASIMR», pros­se­gue Ricardo, «ain­da as­sim de­mo­ra­ria (sem con­tar com o tem­po de ace­le­ra­ção e de­sa­ce­le­ra­ção), pou­co me­nos de 132 mil anos a fa­zer 22 anos-luz. Ah, e que­ro ca­ra­cóis a acom­pa­nhar a im­pe­ri­al.»

Caracóis? Com cer­te­za. Cento e trin­ta e dois mil anos? Estes já cus­tam a en­go­lir. Mesmo na es­pla­na­da de Douglas Adams é um nú­me­ro im­pres­si­o­nan­te. Há 132 mil anos a Humanidade ain­da an­da­va en­tu­si­as­ma­da a go­zar o úl­ti­mo gri­to da tec­no­lo­gia: a fo­guei­ra. Coisa de hips­ters fri­o­ren­tos.

Se o te­les­có­pio de uma ci­vi­li­za­ção ex­tra­ter­res­tre a 150 mil anos-luz de dis­tân­cia cap­tar a luz de um ho­mi­ní­deo al­gu­res em Zhoukoudian, uma al­deia chi­ne­sa 50 qui­ló­me­tros a su­des­te do que é ho­je Pequim, po­de­rá tes­te­mu­nhar a des­co­ber­ta do fo­go – mas na­da sa­be­rá so­bre as nos­sas na­ves ma­ra­vi­lho­sa­men­te pri­mi­ti­vas e o que já con­se­gui­mos ob­ser­var com as nos­sas lu­ne­tas cós­mi­cas.

Bem sei que a com­pa­nhia é boa, as pai­sa­gens des­lum­bran­tes e a cer­ve­ja por con­ta da ca­sa, mas es­tes cál­cu­los deixam-me de­pri­mi­do: não me fa­lem em oce­a­nos cós­mi­cos e dispensem-me as ana­lo­gi­as com os gran­des des­co­bri­do­res do pas­sa­do, por fa­vor.

Aqueles aven­tu­rei­ros não ca­mi­nha­ram na di­re­ção dos seus na­vi­os em câmara-lenta. Quanto tem­po de­mo­ra­ria Fernão Magalhães a circum-navegar o glo­bo se ele e as su­as naus fos­sem mi­lha­res de ve­zes mais len­tos?

«A ve­lo­ci­da­de ve­to­ri­al da Voyager é de cer­ca de 0.006% da ve­lo­ci­da­de da luz. E se­ria pa­ra um fly-by, pas­sar por aqui du­ran­te uns três di­as e zar­par dis­pa­ra­da em fren­te, e mui­to mais de­pres­sa» – re­for­ça o fí­si­co Manuel Rosa Martins, sem qual­quer pre­o­cu­pa­ção com a for­ma co­mo a cer­ve­ja me cai mal quan­do pen­so na nos­sa in­sig­ni­fi­cân­cia cós­mi­ca. – «Para tra­var e fa­zer um voo or­bi­tal do sis­te­ma de­mo­ra­ria mais do que o do­bro do tem­po».

«Fui con­fir­mar à pá­gi­na da Voyager Interstellar Mission», con­ti­nua Ricardo Cardoso Reis, ci­en­te de que na es­pla­na­da de Douglas Adams as li­ga­ções sem re­de não só têm bom si­nal co­mo são in­te­res­te­la­res. «Segundo o que lá es­tá, a Voyager es­tá a ‘es­ca­par’ do Sistema Solar a 3,6 uni­da­des as­tro­nó­mi­cas por ano, ou se­ja, cer­ca de 538,5 mi­lhões de km por ano. Portanto, pa­ra fa­zer 22 anos-luz (cer­ca de 2×10^14 km) pre­ci­sa de mais de 386 mil anos».

Carlos Oliveira re­su­me a pro­ble­má­ti­ca nu­ma úni­ca fra­se: «É bué da lon­ge».

Eis uma vi­são da Humanidade, con­tem­plan­do as es­tre­las co­mo uma cri­an­ça in­ca­paz de al­can­çar uma gu­lo­sei­ma na pra­te­lei­ra de ci­ma. Acabámos de des­co­brir três super-Terras, acha­mos que po­de­rão ter con­di­ções pro­pí­ci­as ao sur­gi­men­to da vi­da mas não po­de­mos con­fir­mar pes­so­al­men­te as nos­sas sus­pei­tas – a não ser que es­te­ja­mos a be­ber umas cer­ve­jo­las à saú­de do Douglas Adams.

Super-Terras, já ago­ra, são pla­ne­tas enor­mes – não têm mais mas­sa do que Úrano ou Neptuno, por exem­plo, mas pos­su­em mais do que a Terra.

Estarem na cha­ma­da zo­na ha­bi­tá­vel da es­tre­la – on­de a água po­de exis­tir em es­ta­do lí­qui­do à su­per­fí­cie – é uma cir­cuns­tân­cia pro­mis­so­ra, mas não sig­ni­fi­ca que exis­ta vi­da. No nos­so sis­te­ma so­lar, Vénus es­tá no li­mi­te mais in­fe­ri­or des­sa zo­na e Marte no li­mi­te ex­te­ri­or, e to­dos sa­bem que o pri­mei­ro é uma es­pé­cie de pan­que­ca vul­câ­ni­ca ina­bi­tá­vel e o se­gun­do um de­ser­to se­co e frio – ame­no pa­ra um es­qui­mó, mas pou­co hos­pi­ta­lei­ro pa­ra uma es­co­la de sam­ba.

Quando a noite desaba sobre as nossas cabeças

Rowena Morrill

Isaac Asimov pin­ta­do por Rowena Morrill

Uma ca­rac­te­rís­ti­ca co­mum aos três pla­ne­tas fez-me lem­brar um li­vro de fic­ção ci­en­tí­fi­ca es­cri­to a mei­as por Isaac Asimov e Robert Silverberg, Anoitecer, ba­se­a­do num con­to do pri­mei­ro pu­bli­ca­do em 1941.

A ca­rac­te­rís­ti­ca a que me re­fi­ro é o fac­to de qual­quer um des­ses três pla­ne­tas apre­sen­tar sem­pre a mes­ma fa­ce vol­ta­da pa­ra a es­tre­la, o que sig­ni­fi­ca que os seus di­as e os seus anos têm a mes­ma du­ra­ção e num la­do do pla­ne­ta é sem­pre dia e no ou­tro sem­pre noi­te.

Que me­lhor oca­sião pa­ra ima­gi­nar­mos vi­da ex­tra­ter­res­tre do que es­tar­mos nu­ma es­pla­na­da mon­ta­da num des­ses bi­zar­ros cor­pos cós­mi­cos?

A bió­lo­ga Diana Barbosa co­me­ça por dei­tar água na fer­vu­ra es­pe­cu­la­ti­va: «É qua­se im­pos­sí­vel con­je­tu­rar co­mo se­rá a vi­da nou­tro pla­ne­ta. Na Terra te­mos o que se de­sig­na por ‘vi­da ba­se­a­da em car­bo­no’. Noutro pla­ne­ta po­de ser di­fe­ren­te. Ainda que pu­des­se ser ‘vi­da co­mo a da Terra’, as con­di­ções am­bi­en­tais se­ri­am tão di­fe­ren­tes que a evo­lu­ção te­ria um ru­mo tam­bém com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te».

Na no­ve­la Anoitecer, o pla­ne­ta fic­tí­cio tem seis sóis e a ci­vi­li­za­ção que o ha­bi­ta nun­ca co­nhe­ceu o cre­pús­cu­lo, quan­to mais a noi­te cer­ra­da. Nunca pre­ci­sou de in­ven­tar lâm­pa­das ou qual­quer ou­tro sis­te­ma de ilu­mi­na­ção, por­que sem­pre ob­te­ve to­da a luz de que ne­ces­si­ta.

Asimov lembrou-se de es­cre­ver o con­to quan­do o edi­tor da Astounding Science Fiction lhe mos­trou uma ques­tão lan­ça­da pe­lo fi­ló­so­fo Ralph Waldo Emerson: «Que acon­te­ce­ria se ti­vés­se­mos 2050 anos de dia e só en­tão noi­te?»

Asimov de­ci­diu res­pon­der com uma das me­lho­res his­tó­ri­as de FC al­gu­ma vez es­cri­tas. Quando pe­la pri­mei­ra vez em 2000 anos se dá um ali­nha­men­to que mer­gu­lha o pla­ne­ta na mais cer­ra­da es­cu­ri­dão, sem sóis no céu e com as es­tre­las vi­sí­veis pe­la pri­mei­ra vez, a ci­vi­li­za­ção fi­ca à bei­ra do ca­os e da lou­cu­ra, di­vi­di­da en­tre o fa­na­tis­mo re­li­gi­o­so e o ra­ci­o­na­lis­mo dos ci­en­tis­tas.

Que ti­po de ci­vi­li­za­ção ex­tra­ter­res­tre po­de­ria emer­gir nu­ma super-Terra per­pe­tu­a­men­te di­vi­di­da en­tre a noi­te e o dia? A vi­da se­ria, se­quer, pos­sí­vel?

O pri­mei­ro a fi­lo­so­far é Paulo Palma Ramos, en­ge­nhei­ro de soft­ware: «Não se­rá a vi­da ape­nas uma de­sig­na­ção pa­ra fe­nó­me­nos quí­mi­cos com­ple­xos? A in­te­li­gên­cia hu­ma­na sur­giu quan­do pri­ma­tas frá­geis au­men­ta­ram a ca­pa­ci­da­de de ino­var pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de so­bre­vi­vên­cia e pro­ble­mas ge­ra­dos pe­la pró­pria fan­ta­sia.»

«Gostamos de cri­ar pro­ble­mas pa­ra os re­sol­ver» – con­clui Paulo Ramos, não sen­do cla­ro des­ta vez se es­ta­va a referir-se a vi­da ex­tra­ter­res­tre, sis­te­mas Windows ou se Ecrã Azul da Morte e pro­ble­mas de so­bre­vi­vên­cia têm, pa­ra ele, o mes­mo sig­ni­fi­ca­do.

Um bilhete para Aldebaran-4 a quem especular mais

«Por que não exis­ti­rem ci­vi­li­za­ções dis­tin­tas, uma diur­na e ou­tra no­tur­na?» – Pergunta a jor­na­lis­ta Maria João Pratt en­quan­to be­be um co­pi­nho de vi­nho bran­co fres­qui­nho pa­ra es­pan­tar o tri­plo ca­lor nos céus. – «Com ca­rac­te­rís­ti­cas quí­mi­cas se­me­lhan­tes (com ba­se em car­bo­no, si­lí­cio, ar­sé­nio, o que qui­se­rem) e até mes­mo fí­si­cas. Apresentariam di­fe­ren­ças adap­ta­ti­vas, por cau­sa do am­bi­en­te em que vi­vem: os que vi­vem na lu­mi­no­si­da­de, de­pen­dem da vi­são; os que vi­vem na es­cu­ri­dão, te­rão ou­tros sen­ti­dos apu­ra­dos.»

«A exis­tir vi­da fo­ra da Terra é mais pro­vá­vel que se­ja ba­se­a­da em car­bo­no do que nou­tra coi­sa qual­quer, pe­lo sim­ples fac­to de o car­bo­no ter si­do cri­a­do pri­mei­ro do que ou­tros ele­men­tos com pro­pri­e­da­des se­me­lhan­tes, co­mo o si­lí­cio» – in­ter­vém Marco Filipe, Mestrado em Biotecnologia pa­ra as Ciências da Saúde. «A vi­da ba­se­a­da em car­bo­no já te­ve mui­to mais tem­po pa­ra evo­luir do que a hi­po­té­ti­ca vi­da ba­se­a­da em si­lí­cio.»

O as­tro­bió­lo­go Carlos Oliveira sa­co­de a pa­la­vra ci­vi­li­za­ções co­mo se fos­se uma da­que­las mos­cas que nos azu­cri­na os pi­que­ni­ques na dis­tan­te Terra. «Mas por que raio se pen­sa lo­go em ci­vi­li­za­ções? É um con­cei­to bas­tan­te an­tro­po­cên­tri­co».

«Mas não me cho­ca­ria exis­tir vi­da nes­sas con­di­ções, tal co­mo exis­te aqui na Terra em am­bi­en­tes sem luz ne­nhu­ma e vi­da em am­bi­en­te on­de exis­te 24 ho­ras de Sol. E por­que não um ti­po de vi­da e in­te­li­gên­cia que não con­se­gui­ría­mos se­quer clas­si­fi­car ou re­co­nhe­cer co­mo in­te­li­gen­te ou mes­mo co­mo vi­da, à se­me­lhan­ça do que su­ce­de no ro­man­ce Solaris, do Stanislaw Lem?»

Carlos Oliveira refere-se ao oce­a­no in­te­li­gen­te do pla­ne­ta Solaris – aca­bou de as­so­bi­ar uma can­ção de fic­ção ci­en­tí­fi­ca mui­to agra­dá­vel aos meus ou­vi­dos.

O ali­e­ní­ge­na in­te­ra­ge de for­ma in­di­re­ta com os ci­en­tis­tas que o ten­tam es­tu­dar. A um de­les faz sur­gir um amor per­di­do: a mu­lher fa­le­ci­da há mui­to, ago­ra uma ré­pli­ca per­fei­ta cri­a­da pe­lo oce­a­no, es­pe­lho da sua pró­pria me­mó­ria mas imor­tal e auto-consciente, do­ta­da de uma for­ça e re­sis­tên­cia sobre-humanas.

Essas ré­pli­cas têm um pro­pó­si­to be­nig­no ou ma­lig­no? Essa ques­tão faz se­quer sen­ti­do? Qual a sua fi­na­li­da­de? A res­pos­ta não se en­con­tra ao al­can­ce da mo­ral hu­ma­na — e é es­sa au­sên­cia de res­pos­ta com sen­ti­do éti­co que, pou­co a pou­co, vai en­lou­que­cen­do to­da a tri­pu­la­ção.

Vá lá que nes­te pla­ne­ta diur­no po­de­mos di­va­gar e per­der tem­po à von­ta­de que não há re­ceio que se fa­ça tar­de – ou noi­te, nes­te ca­so.

Marco Filipe faz si­nal pa­ra eu es­que­cer os ad­mi­rá­veis mun­dos fic­tí­ci­os de Stanislaw Lem por­que ain­da há umas quan­tas de­cla­ra­ções re­le­van­tes que se po­dem acres­cen­tar. «A vi­da no­tur­na, is­to é, sem luz so­lar, é pos­sí­vel, atra­vés de ou­tras for­mas al­ter­na­ti­vas de ob­ten­ção de ener­gia: a vi­da te­ria de basear-se em qui­mi­os­sín­te­se e não em fo­tos­sín­te­se– sen­do a pri­mei­ra mui­to me­nos efi­ci­en­te do que a úl­ti­ma. Acho du­vi­do­so que dê ori­gem a ci­vi­li­za­ções», con­si­de­ra.

«Contudo, po­de dar-se o ca­so de es­pé­ci­es mais com­ple­xas que evo­luí­ram no la­do ex­pos­to ao Sol mi­gra­rem mais tar­de pa­ra o la­do no­tur­no, adaptando-se e vi­ven­do de or­ga­nis­mos mais sim­ples que pra­ti­cam qui­mi­os­sín­te­se, da mes­ma for­ma que ver­mes e ca­ran­gue­jos mi­gra­ram pa­ra as fon­tes hi­dro­ter­mais pa­ra se ali­men­ta­rem de bac­té­ri­as.»

Flutuações quânticas, pois já bebemos muito

Flutuações quânticas

«E li­mi­ta­mos a vi­da à bi­oquí­mi­ca», pa­re­ce queixar-se Paulo Palma Ramos. «Não po­de­rá exis­tir vi­da em pro­ces­sos quân­ti­cos ou em plas­ma su­per­quen­te?»

«E por­que não se­res mi­nús­cu­los e in­te­li­gen­tes a vi­ver den­tro de um ser vi­vo?» – per­gun­ta o fí­si­co José Gonçalves, que es­te­ve to­do es­te tem­po en­tre­ti­do com ama­zo­nas ima­gi­ná­ri­as e só ago­ra se lem­brou da ter­tú­lia.

«Tu tens se­res mi­nús­cu­los a vi­ver den­tro de ti. Imensos até», ex­pli­ca Carlos Oliveira, com o co­po cheio de ce­va­da pe­da­gó­gi­ca. «E há de­fi­ni­ções de in­te­li­gên­cia que en­tram den­tro da­qui­lo que po­des con­si­de­rar co­mo in­te­li­gen­tes.»

«E se o ví­rus for um uni­ver­so den­tro de um or­ga­nis­mo?» – de­sa­fia Cláudio Tereso, ou­tro in­for­má­ti­co que vai ga­nhan­do ca­be­los bran­cos à con­ta de tan­to me­xer em lin­gua­gens de pro­gra­ma­ção co­mo o SQL e em fra­meworks co­mo o ASP.NET. – «Melhor! E se o or­ga­nis­mo for um uni­ver­so den­tro de um ví­rus?»

«E se o Universo for um ví­rus den­tro de um or­ga­nis­mo…» – con­tra­põe José Gonçalves. – «Os bu­ra­cos ne­gros se­ri­am os an­ti­cor­pos.»

«Eu sou ga­ja» – es­cla­re­ce Maria João Pratt en­quan­to sa­bo­reia umas gam­bas ao alhi­nho, mui­to ra­ras nes­ta re­gião da ga­lá­xia. «Vou mais pa­ra uma ver­são ga­lác­ti­ca do Romeu e Julieta. Um ti­po da es­cu­ri­dão apaixona-se por uma ti­pa da cla­ri­da­de.»

Estão a ver o que po­de acon­te­cer quan­do a cer­ve­ja cir­cu­la li­vre­men­te em Gliese 667Cc – vi­nho bran­co, no ca­so da Maria João? Adivinharam, flu­tu­a­ções quân­ti­cas: tan­to se po­de con­ver­sar co­mo des­con­ver­sar e nin­guém con­se­gue pre­ver qual dos es­ta­dos pre­va­le­ce­rá. Felizmente te­mos aqui um ca­va­lhei­ro na me­sa que co­lo­ca es­ta mal­ta to­da na or­dem:

«Falta abor­dar um pon­to im­por­tan­te», re­cor­da Pedro Cotrim. «A vi­da pre­ci­sa de um su­por­te lí­qui­do. Os su­por­tes só­li­dos não per­mi­tem mo­vi­men­to às mo­lé­cu­las – às gran­des mo­lé­cu­las, en­tão, nem se fa­la. Os flui­dos ga­so­sos tam­bém não ser­vem co­mo am­bi­en­te de gé­ne­se de vi­da: vo­la­ti­li­da­de e fal­ta de su­por­te. Para mim, a vi­da tem sem­pre que apa­re­cer num meio aquo­so e nin­guém me con­se­gue con­ven­cer do con­trá­rio.»

Com ou sem ver­mes ex­tra­ter­res­tres num meio am­bi­en­te aquo­so, es­te pla­ne­ta é um mun­do es­pan­to­so: três sóis bri­lham no céu, mas só o mais fra­co – uma es­tre­la de clas­se M, uma anã ver­me­lha com pou­co mais de 1,4 por cen­to da lu­mi­no­si­da­de do nos­so sol – es­tá su­fi­ci­en­te­men­te per­to pa­ra fa­zer a di­fe­ren­ça. As res­tan­tes du­as, es­tre­las de clas­se K, du­as anãs la­ran­ja, são mai­o­res mas encontram-se mais lon­ge: vis­tas da­qui, pa­re­cem dois sal­pi­cos ex­ce­ci­o­nal­men­te bri­lhan­tes, in­tru­sas da noi­te que bri­lha­ri­am na Terra com a mag­ni­tu­de de du­as lu­as chei­as.

«O sé­ti­mo exo­pla­ne­ta foi con­fir­ma­do por­que ti­nha que es­tar ali pa­ra o sis­te­ma ter es­ta­bi­li­da­de or­bi­tal de lon­go pra­zo», ex­pli­ca Manuel Rosa Martins. «Isso e ser uma M-anã de bai­xa mas­sa in­di­ca que o sis­te­ma po­de ser ve­lhi­nho, ter cer­ca de 10 mil mi­lhões de anos».

É a pri­mei­ra vez que des­co­bri­mos três pla­ne­tas na zo­na ha­bi­tá­vel, o que sig­ni­fi­ca que do­ra­van­te os as­tró­no­mos po­de­rão pro­cu­rar pla­ne­tas ha­bi­tá­veis nu­ma úni­ca es­tre­la na es­pe­ran­ça de des­co­brir vá­ri­os, co­mo acon­te­ce aqui, em vez de ras­tre­ar dez es­tre­las à pro­cu­ra de um úni­co.

Independentemente do que pos­sa­mos vir a des­co­brir em Marte, no pro­vá­vel oce­a­no sub­ter­râ­neo da lua Europa ou nos exo­pla­ne­tas con­si­de­ra­dos ha­bi­tá­veis, a vi­da emer­ge à mí­ni­ma opor­tu­ni­da­de e nem pre­ci­sa­mos de per­cor­rer im­pos­si­bi­liões de qui­ló­me­tros pa­ra des­co­brir as mais bi­zar­ras:

«Os ex­tre­mó­fi­los, se­res vi­vos aqui mes­mo no nos­so pon­to azul cla­ro, vi­vem em con­di­ções há uns anos con­si­de­ra­das com­ple­ta­men­te im­pos­sí­veis pa­ra a exis­tên­cia de vi­da», lem­bra Ricardo Cardoso Reis. «Por exem­plo, ao lar­go da cos­ta dos Açores exis­te uma fau­na ex­tre­ma­men­te ri­ca à vol­ta das fon­tes hi­dro­ter­mais, ou se­ja, se­res vi­vos que pros­pe­ram a tem­pe­ra­tu­ras de 400 graus num meio cheio de en­xo­fre».

Um brin­de à vi­da, en­tão – que flo­res­ça em paz, aqui e em to­dos os pla­ne­tas do Universo.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?