Os bo­no­bos são uns que­ri­dos fo­di­lhões. Palavra de hon­ra que não en­con­tro me­lhor ex­pres­são pa­ra des­cre­ver es­tes chim­pan­zés. Podia ter ex­pe­ri­men­ta­do «fo­di­lhões fo­fi­nhos», «bi­chi­nhos fo­di­lhões» ou qual­quer ou­tra se­me­lhan­te – lá es­tá, des­de que man­ti­ves­se a pa­la­vra «fo­di­lhões», tu­do con­ti­nu­a­ria a fa­zer sen­ti­do.

E se o meu ca­ro faz par­te da mi­no­ria de vi­si­tan­tes des­te blo­gue que se in­co­mo­da em ler tan­tas as­nei­ras, fi­que des­de já a sa­ber que aqui se de­fen­de a te­o­ria se­gun­do a qual uma pa­la­vra as­nei­ren­ta só é or­di­ná­ria se o con­tex­to da fra­se for or­di­ná­rio.

Ora, acon­te­ce que os bo­no­bos não são gros­sei­ros nem or­di­ná­ri­os – são pu­ros e, ao mes­mo tem­po, fo­dem por tu­do e por na­da. Que po­de um po­bre mor­tal fa­zer pa­ra re­sol­ver es­ta con­tra­di­ção tão cris­tã en­tre se­xo e pu­re­za, ex­ce­to sus­pi­rar pe­los lon­gín­quos tem­pos em que tí­nha­mos deu­ses pa­ra a vi­nha­ça e o ba­ca­nal, e ne­nhum pa­ra a ver­go­nha?

E sai­bam tam­bém que es­tes mag­ní­fi­cos es­pé­ci­mes (e não a nos­sa pá­li­da imi­ta­ção ex­pe­ri­men­ta­da nas dé­ca­das de 60 e 70) são os ver­da­dei­ros per­cur­so­res do cé­le­bre «Make Love, Not War».

Com es­tes chim­pan­zés «hip­pi­es» a ba­da­lho­qui­ce es­tá ga­ran­ti­da, mas a paz do Senhor tam­bém.

Andam à pi­no­ca­da pa­ra re­sol­ver con­fli­tos, ad­qui­rir sta­tus, con­quis­tar afe­to e até re­du­zir o stress. Na ver­da­de, to­da a es­tru­tu­ra so­ci­al do bo­no­bo as­sen­ta no se­xo. Macho com fê­mea, ma­cho com ma­cho, fê­mea com fê­mea, jo­vens adul­tos com ve­lhos, ve­lhos com jo­vens adul­tos – é tu­do mal­ta mui­to so­ciá­vel.

E não se tra­ta da­que­le se­xo à can­za­na tão tí­pi­co dos ma­mí­fe­ros me­nos so­fis­ti­ca­dos nes­tas ar­tes, co­mo os leões, os cães e os ski­nhe­ads, é se­xo saí­do das pró­pri­as pá­gi­nas do Kama Sutra: os bo­no­bos ex­pe­ri­men­tam vá­ri­as po­si­ções com de­di­ca­ção de bi­bli­o­te­cá­rio, beijam-se co­mo um ca­sal de pom­bi­nhos e co­nhe­cem o sig­ni­fi­ca­do das pa­la­vras cun­ni­lin­gus e fel­la­tio co­mo qual­quer pro­fes­sor de Latim.

Juntamente com os chim­pan­zés co­muns – mais agres­si­vos e me­nos fo­di­lhões, por si­nal – par­ti­lham uns 98, 3 por cen­to dos nos­sos ge­nes.

Talvez es­tes dois chim­pan­zés de per­so­na­li­da­des tão di­fe­ren­tes nos aju­dem a per­ce­ber me­lhor os con­fli­tos da Humanidade, di­vi­di­da en­tre a he­ran­ça do bo­no­bo ba­ca­no e a do chim­pan­zé co­mum.

Marco Santos

­Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?