A frequência com que ocorrem supernovas nas galáxias não é muito bem conhecida. O valor depende de muitos fatores: o tipo de galáxia, luminosidade da mesma, ritmo de formação estelar ou fração de estrelas maciças.

As melhores estimativas para a Via Láctea, baseadas na ocorrência de certos radioisótopos disseminados pelas supernovas, sugerem que deve ocorrer uma em cada 50 anos. A maioria destes eventos não é observável a partir da Terra devido à grande quantidade de poeiras interestelares no disco galáctico.

Com esta condicionante, sugiro que façam um pequeno cálculo baseado numa estimativa, provavelmente muito conservadora, da frequência média de supernovas para uma qualquer galáxia no Universo: uma por milénio.

Com este número em mente, se quiséssemos observar em média uma supernova por ano teríamos de monitorizar com os nossos telescópios 1000 galáxias. Se quiséssemos observar uma supernova por dia teríamos de observar uma amostra 365 vezes maior, 365 mil galáxias.

Se quiséssemos observar uma supernova por segundo teríamos de monitorizar 60 (segundos) x 60 (minutos) x 24 (horas) x 365 mil galáxias, ou seja, aproximadamente 30 mil milhões de galáxias.

Uma supernova na galáxia NGC613, situada a apenas 67 milhões de anos-luz na direcção da constelação do Escultor. Crédito: Grupo i-Telescope Portugal.

Uma supernova na galáxia NGC613, situada a apenas 67 milhões de anos-luz na direcção da constelação do Escultor. Crédito: Grupo i-Telescope Portugal.

30 mil milhões é quase da ordem de grandeza do número total de galáxias na porção do Universo que podemos observar: extrapolações feitas com base nas imagens do Hubble eXtreme Deep Field, as mais profundas que temos, apontam para cerca de 100 mil milhões de galáxias em toda a esfera celeste.

Sendo assim, o cálculo simples que acabámos de fazer diz-nos algo de extraordinário: a cada segundo que passa, uma estrela explode numa supernova algures no Universo.

E porque não vemos tantas supernovas com os telescópios?

A maioria das supernovas ocorrem em galáxias muito distantes, demasiado longe para serem detetadas por telescópios terrestres. Os programas dedicados à deteção de supernovas usam telescópios de grande campo para cobrir grandes regiões do céu mas com aberturas modestas pelo que são capazes de detetar supernovas apenas até mil milhões de anos-luz.

Os telescópios maiores são muito requisitados e cobrem campos bem mais pequenos, pelo que não é prática a sua utilização para a deteção de supernovas, a não ser em programas especiais.

A supernova mais distante detetada até à data é fruto de um desses programas, o CANDELS Ultra Deep Survey, que usa o telescópio Hubble para observar uma região pequena do céu.

A luz da UDS10Wil, como foi designada, demorou 10 mil milhões anos a viajar até nós antes de ser registada pelas câmaras do telescópio espacial. Mas o CANDELS UDS é uma exceção e apenas são conhecidas algumas centenas de supernovas para galáxias com tempos de viagem da luz entre 2 mil milhões e 10 mil milhões de anos.

É certo também que nem todas as supernovas em galáxias mais próximas são detetadas devido a fatores como o movimento orbital da Terra (que torna partes do céu não observáveis devido à presença do Sol) e a poeira interestelar nas galáxias de origem que, tal como na Via Láctea, podem esconder estas explosões.

Luís Lopes

­ Luís Lopes

Professor na Universidade do Porto e astrónomo amador há mais de 30 anos.