Começo por uma de­cla­ra­ção de in­te­res­ses: as­si­nei a pe­ti­ção «Impedir a apro­va­ção da pro­pos­ta de lei n° 246/XII, da Cópia Privada», partilhei-a e con­si­de­ro a lei um de­sas­tre e uma ame­a­ça. O meu “la­do” nes­te com­ba­te é inequí­vo­co.

Não quis ver o Prós & Contras so­bre a Lei da Cópia Privada. Antecipava a cha­ci­na me­diá­ti­ca a que, pe­lo que se­gui nas re­des, o país veio a as­sis­tir.

O Twitter vi­nha abai­xo com a in­dig­na­ção nas hash­tags dos con­tras. Já no Facebook a in­dig­na­ção fi­ca mui­to di­luí­da, qua­se im­per­cep­tí­vel, mes­mo nu­ma ti­me­li­ne co­mo a mi­nha, cheia de pes­so­as co­mo eu, com­ple­ta­men­te imer­sas na cul­tu­ra re­ti­cu­lar. Fora des­tas re­des o as­sun­to não des­per­ta gran­des en­tu­si­as­mos ou pai­xões. Quem es­tá a ver te­le­vi­são mal ab­sor­ve os dis­cur­sos, ti­ra con­clu­sões das fa­ti­o­tas, da apre­sen­ta­ção, dos de­ta­lhes. Atribui «vi­tó­ria» ou «der­ro­ta» em fun­ção de um con­jun­to de fa­to­res en­tre os quais a in­for­ma­ção con­cre­ta so­bre o que es­tá em cau­sa é uma mi­ga­lha se­cun­dá­ria.

Ora, os mem­bros das as­so­ci­a­ções de «di­rei­tos de au­tor» são pro­fun­dos co­nhe­ce­do­res dos pro­ces­sos me­diá­ti­cos de atri­bui­ção de sig­ni­fi­ca­do que, mais tar­de, po­de­rão pres­si­o­nar os le­gis­la­do­res de bai­xo pa­ra ci­ma. Conhecem mui­to bem os me­an­dros da te­le­vi­são — em mui­tos ca­sos há coin­ci­dên­cia de pes­so­as. E do­mi­nam os me­ca­nis­mos de in­fluên­cia dos le­gis­la­do­res de ci­ma pa­ra bai­xo. Na ver­da­de eles SÃO es­ses me­ca­nis­mos. Ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da, re­a­gin­do ao meio am­bi­en­te que lhes ia cor­tan­do o aces­so ao «ali­men­to», agruparam-se num ló­bi po­de­ro­so, mui­to bem fi­nan­ci­a­do (em gran­de me­di­da pe­la pró­pria in­dús­tria dos me­dia, que tam­bém se jul­ga di­mi­nuí­da no seu «ali­men­to»).

Um ló­bi que não tem ape­nas re­cur­sos pa­ra apa­re­cer e fi­car bem em pro­gra­mas de te­le­vi­são, pro­je­tan­do, atra­vés de uma cui­da­da teia de no­men­cla­tu­ras e or­ga­ni­za­ções apa­ren­te­men­te au­tó­no­mas, a ideia que re­pre­sen­ta to­do um se­tor de ati­vi­da­de cul­tu­ral e de pro­du­ção ar­tís­ti­ca.

Esse ló­bi — um exér­ci­to bem ali­men­ta­do, mo­ra­li­za­do e equi­pa­do — en­con­trou pe­la fren­te um gru­po de in­di­ví­du­os bem-intencionados, que fa­lam al­to, que se re­pre­sen­tam a si pró­pri­os e acham que is­so é um va­lor, e que ati­ra­ram umas se­tas com o ve­ne­no da ra­zão jul­gan­do que es­ta é mor­tí­fe­ra. Era fá­cil adi­vi­nhar o re­sul­ta­do.

A ig­no­rân­cia ma­ni­fes­ta­da pe­lo po­der e pe­lo ló­bi acer­ca do no­vo am­bi­en­te pro­du­ti­vo e eco­nó­mi­co que ca­rac­te­ri­za a pro­du­ção e con­su­mo de en­tre­te­ni­men­to é de las­ti­mar? É.

Mas sê-lo-á me­nos a ig­no­rân­cia ma­ni­fes­ta­da pe­lo gru­po de «con­tras» acer­ca dos pro­ces­sos de ela­bo­ra­ção das leis?

Não se tra­ta — ra­ra­men­te se tra­ta — de ter ou não ter ra­zão. Trata-se de ter ou não ter a for­ma de le­var a água a cor­rer a nos­so fa­vor.

A so­ci­e­da­de em re­de tem vin­do a pro­vo­car su­ces­si­vos ter­ra­mo­tos, des­truin­do e re­cons­truin­do in­dús­tri­as. Sabemos que é uma ques­tão de tem­po até to­do o ema­ra­nha­do le­gal so­bre «di­rei­tos» de «au­tor» e so­bre «pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al» se des­fa­zer em pó, dan­do lu­gar a um no­vo en­qua­dra­men­to ju­rí­di­co pa­ra as múl­ti­plas ati­vi­da­des cri­a­ti­vas e pa­ra os no­vos in­ter­ve­ni­en­tes nes­sas in­dús­tri­as (al­gu­mas das quais no­vas).

Portanto, há du­as for­mas de en­fren­tar pro­je­tos de lei co­mo es­te. Uma é es­toi­ca: es­pe­rar que es­ta gen­te saia de ce­na, o que é uma ine­vi­ta­bi­li­da­de.

A ou­tra é ati­va: com­ba­ter as idei­as re­tró­gra­das de um gru­po de pes­so­as en­trin­chei­ra­das no sé­cu­lo XX pa­ra abrir es­pa­ço pa­ra os au­to­res emer­gen­tes, que são aos mi­lha­res, e me­lho­rar as for­mas de os com­pen­sar (is­to par­tin­do do prin­cí­pio que elas não exis­tem ou são de­fi­ci­en­tes).

Quem op­tar pe­la se­gun­da tem de se com­pe­ne­trar que é pre­ci­so mu­dar de ní­vel. O jo­go já não es­tá no mes­mo pa­ta­mar de há 10 anos: o ad­ver­sá­rio muniu-se de ar­mas en­quan­to nós nos en­tre­tí­nha­mos a di­va­gar. Para com­ba­ter um ló­bi é pre­ci­so ou­tro ló­bi. Um gru­po de in­di­ví­du­os sem ou­tra inter-relação além da hash­tag não é um ló­bi: é uma pre­sa fá­cil pa­ra um ló­bi.

Paulo Querido

Bitaite de Paulo Querido

Sonhador. Fazedor. Editor. Programador. Descobridor. Jornalista.