Levantem es­se ra­bo da ca­dei­ra e co­me­mo­rem, ó bar­ri­gas de cer­ve­ja. O se­ma­ná­rio Sol aca­bou de des­co­brir que os ho­mens com uma gran­de pan­ça são me­lho­res par­cei­ros se­xu­ais do que aque­les que a têm li­sa.

Daqui em di­an­te, sem­pre que uma mu­lher se cru­zar com um ho­mem a trans­por­tar a bar­ri­ga num car­ri­nho de mão, irá olhá-lo co­mo uma opor­tu­ni­da­de de pra­zer. Ela po­de­rá até di­zer, pa­ra­fra­se­an­do o gran­de po­e­ta e dra­ma­tur­go fran­cês Alfred de Musset: «Eis uma be­la noi­te que ali vai!»

Sol

O se­ma­ná­rio Sol ci­ta um es­tu­do da Universidade de Kayseri, na Turquia. Desocupado co­mo sou, dei-me ao tra­ba­lho de des­car­re­gar o PDF e ler aqui­lo. Surpresa: em ne­nhum mo­men­to é men­ci­o­na­da a qua­li­da­de da re­la­ção se­xu­al. Só quan­do se re­fe­re que a obe­si­da­de não é sau­dá­vel e po­de cau­sar dis­fun­ção eréc­til.

Mas pen­so que por es­ta al­tu­ra to­da a gen­te já es­ta­rá fa­mi­li­a­ri­za­da com o fe­nó­me­no do click­bait, não é?

O es­tu­do es­ta­be­le­ce uma cor­re­la­ção en­tre o ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral e a eja­cu­la­ção pre­co­ce. Partindo de uma amos­tra de 200 ho­mens, os in­ves­ti­ga­do­res tur­cos ob­ser­va­ram que aque­les que pos­suíam um ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral mai­or du­ra­vam, em mé­dia, 7.3 mi­nu­tos na ca­ma. Já os ho­mens com me­nor ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral aguentavam-se, em mé­dia, me­nos dois mi­nu­tos.

Segundo os in­ves­ti­ga­do­res, a pro­vá­vel res­pon­sá­vel pa­ra o com­por­ta­men­to me­ri­tó­rio do bar­ri­gu­do na no­bre ar­te de afo­gar o gan­so é a pre­sen­ça, na zo­na do ab­dó­men, de uma hor­mo­na se­xu­al fe­mi­ni­na cha­ma­da es­tra­di­ol. Mais do que ima­gi­nar o Donald Trump ou os car­ta­zes au­tár­qui­cos do CDS, es­sa hor­mo­na ini­be o or­gas­mo nos ho­mens e adia o ine­vi­tá­vel.

O amor não escolhe barrigas

O amor não escolhe barrigas

Mas mes­mo que as con­clu­sões do es­tu­do jus­ti­fi­cas­sem o tí­tu­lo e a pe­ça do Sol, es­tes con­ti­nu­a­ri­am a ser en­ga­na­do­res. Eu não sou ne­nhum es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to, mas nun­ca ou­vi uma mu­lher di­zer que a du­ra­ção do ato é sem­pre si­nó­ni­mo de qua­li­da­de. Uma ra­pi­di­nha po­de ser mais ex­ci­tan­te pa­ra ela do que uma lon­ga e pe­no­sa ses­são de jog­ging ho­ri­zon­tal.

O Semanário Sol es­tá con­ven­ci­do que exis­te uma re­la­ção in­que­brá­vel en­tre du­ra­ção e qua­li­da­de. Até po­de ser o ca­so, pon­tu­al­men­te, mas tam­bém é fá­cil ima­gi­nar uma po­bre mu­lher es­car­ra­pa­cha­da en­tre as mo­las da ca­ma e as ba­nhas do par­cei­ro, con­sul­tan­do o re­ló­gio men­tal só pa­ra cal­cu­lar a que ho­ras é que aqui­lo es­ta­rá des­pa­cha­do.

O ar­ti­go do Sol de­ve ter si­do es­cri­to por um ti­po. Não te­nho a cer­te­za, cla­ro, mas apos­to que sim. E é com­pre­en­sí­vel. Os tem­pos são di­fí­ceis pa­ra nós. A con­ver­sa que os ho­mens cos­tu­ma­vam ter nas ca­ver­nas da men­te com a pró­pria pi­la sem­pre foi mui­to sim­ples e fron­tal.

«Queres?» «Bora!» «Correu bem?» «Sim, dis­se tu­do o que ti­nha a di­zer du­ran­te o tem­po em que pre­ci­sei de o di­zer. Sabes que nun­ca fui de gran­des dis­cur­sos, gos­to de ser su­cin­to.» «Boa, es­ta­mos sa­tis­fei­tos en­tão, até à pró­xi­ma.» «O quê, não va­mos sair pa­ra be­ber uma cer­ve­ji­nha?»

Pilinhas milenares

As pi­las do sé­cu­lo XXI já não po­dem ser co­mo an­ti­ga­men­te. Querem-se mais ci­vi­li­za­das. Têm de se ca­lar e sa­ber ou­vir por­que — e is­to foi uma gran­de sur­pre­sa — as par­cei­ras tam­bém que­rem di­zer mui­ta coi­sa du­ran­te o tem­po em que pre­ci­sam de o di­zer. E fa­la­rem os dois ao mes­mo tem­po sem dei­xa­rem de se ou­vir, re­quer al­gu­ma prá­ti­ca.

Não só te­mos de con­si­de­rar ques­tões de ta­ma­nho e con­sis­tên­cia, co­mo tam­bém al­gu­mas no­ções de eti­que­ta se­xu­al. Ter bo­as ma­nei­ras à me­sa, por as­sim di­zer. Não ad­mi­ra que al­gu­mas bar­ri­gas cres­çam. É ca­paz de ser uma for­ma de re­bel­dia. E de­pois, pa­ra pi­o­rar, os bar­ri­gu­dos co­me­çam a fa­lar so­zi­nhos com mais frequên­cia do que de­se­ja­ri­am.

Mas não de­ses­pe­res, meu ca­ro ami­go ci­vi­li­za­do com um bor­da­lo a con­di­zer. Nada co­mo re­la­ti­vi­zar as coi­sas. Ter uma pers­pe­ti­va mais abran­gen­te do mun­do que te ro­deia e da tua im­por­tân­cia no pla­ne­ta.

Por exem­plo, até po­des vangloriar-te que a tua pi­la é tão gran­de que pre­ci­sas de dobrá-la quan­do te sen­tas, mas ha­ve­rá sem­pre um ele­fan­te que se ri de ti por te­res uma trom­bi­nha pe­que­ni­na. Sim, vi es­ta pi­a­da num car­to­on. É de uma enor­me sa­pi­ên­cia.

O me­lhor é dar-lhe com tu­do — mas não no sen­ti­do mar­te­lo pneu­má­ti­co da ex­pres­são, por fa­vor, não se­jas co­mo o ti­po que es­cre­veu aque­la no­tí­cia. A pro­pó­si­to: não li­gues aos tí­tu­los do Semanário Sol e tem mas é cui­da­do com a bar­ri­gui­nha. Não a dei­xes cres­cer em de­ma­sia. Há pi­las so­rum­bá­ti­cas, pi­las ga­lho­fei­ras, pi­las pre­ci­pi­ta­das, mas na­da é mais la­men­tá­vel do que uma pi­la in­vi­sí­vel.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?