A re­a­ção que pes­so­as ra­ci­o­nais cos­tu­mam ter em re­la­ção à pro­li­fe­ra­ção de cer­tas te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção não é di­fe­ren­te da dos per­so­na­gens de um fil­me de ter­ror pe­ran­te uma in­fes­ta­ção de mortos-vivos: a prin­cí­pio, nin­guém acre­di­ta que am­bos os fe­nó­me­nos pos­sam ser pos­sí­veis.

Quando o as­sun­to é de­ba­ti­do nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, par­ti­lha­do nas re­des so­ci­ais e os re­la­tos de tes­te­mu­nhas que avis­ta­ram mortos-vivos de­am­bu­lan­do pe­la vi­zi­nhan­ça se avo­lu­mam, es­sas pes­so­as co­me­çam a pen­sar se o mun­do não te­rá per­di­do o juí­zo.

Dado tratar-se de um fil­me de ter­ror, tan­to num ca­so co­mo nou­tro, é pos­sí­vel que um ami­go ou fa­mi­li­ar fi­que in­fe­ta­do e as ten­te in­fe­tar tam­bém.

«Zombies» e teó­ri­cos de cer­tas te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção têm em co­mum uma pre­di­le­ção es­pe­ci­al por co­mer cé­re­bros até na­da res­tar a não ser um exér­ci­to de ca­be­ças ba­ba­das dis­se­mi­nan­do a pra­ga, pe­lo que pes­so­as mais im­pres­si­o­ná­veis po­de­rão en­trar em pâ­ni­co e esconder-se, com me­do da con­ta­mi­na­ção.

Isto é de virar a cabeça a qualquer um

Isto é de virar a cabeça a qualquer pessoa

Aqui en­tre nós, as pes­so­as sen­sa­tas têm ra­zão em assustar-se. O sen­so co­mum po­de não ser tão co­mum co­mo se jul­ga­va. E se es­ta te­o­ria da Terra pla­na for ver­da­dei­ra, a im­pli­ca­ção mais ime­di­a­ta é a de que «eles» nos an­dam a men­tir há mais de dois mil anos.

Dois mil! Não me re­fi­ro às me­tá­fo­ras bí­bli­cas que os de­fen­so­res do pla­ne­ta pla­no in­ter­pre­tam li­te­ral­men­te, refiro-me aos gre­gos.

Consta que um tal de Eratóstenes — as­tró­no­mo, ma­te­má­ti­co, geó­gra­fo, lin­guis­ta, po­e­ta, di­re­tor da Biblioteca de Alexandria e o pri­mei­ro Illuminati — che­gou a cal­cu­lar ge­o­me­tri­ca­men­te o di­â­me­tro da Terra com ex­ce­len­te pre­ci­são, o que não se­ria pos­sí­vel ca­so o pla­ne­ta fos­se pla­no.

Como o fez? Soube que na ci­da­de de Siena o Sol po­dia ser ob­ser­va­do den­tro de um po­ço ao meio-dia mas que em Alexandria, à mes­ma ho­ra, na mes­ma da­ta e sob as mes­mas cir­cuns­tân­ci­as, o Sol não fi­ca­va su­fi­ci­en­te­men­te per­to do seu zé­ni­te.

Eratóstenes man­dou en­tão me­dir em pas­sos a dis­tân­cia en­tre Siena e Alexandria, in­cluin­do o ta­ma­nho das som­bras pro­je­ta­das por uma es­ta­ca co­lo­ca­da em ca­da uma das su­as ci­da­des. O ta­ma­nho das som­bras era di­fe­ren­te, o que não se­ria pos­sí­vel ca­so o pla­ne­ta fos­se pla­no.

Mas is­to, já se sa­be, são «opi­niões». E en­tre al­guém que de­bi­ta pro­vas em ví­de­os no YouTube e um bár­ba­ro obs­cu­ro que san­da­le­ou pe­lo pla­ne­ta há dois mil anos, é na­tu­ral que a «opi­nião» com mais pos­si­bi­li­da­des de pre­va­le­cer se­ja a que for mais fá­cil de apre­en­der.

O mais pro­vá­vel é Eratóstenes ter par­ti­do de Alexandria por­que ou­viu fa­lar de uma tas­ca em Siena que ser­via vi­nha­ça da boa.

Consigo imaginá-lo a pen­sar na ino­cên­cia dos seus con­ter­râ­ne­os que o ob­ser­va­vam com cu­ri­o­si­da­de: «Eles es­tão con­ven­ci­dos de que vou usar re­la­ções tri­go­no­mé­tri­cas pa­ra cal­cu­lar a cir­cun­fe­rên­cia da Terra — gran­des pa­ler­mas, co­mo se eu ago­ra não ti­ves­se na­da me­lhor pa­ra fa­zer!»

As opiniões têm asas, os factos andam a passo de tartaruga

Tartaruga sustentando a Terra

Bem sei que de­nun­ci­ar Eratóstenes e se­guin­tes co­mo frau­des é in­te­lec­tu­al­men­te ape­la­ti­vo pa­ra os gra­du­a­dos da Universidade do YouTube, mas eu con­ti­nuo a pen­sar no que foi fei­to da tar­ta­ru­ga — já pa­ra não fa­lar dos po­bres ele­fan­tes.

Na Índia an­ti­ga os hin­dus já de­fen­di­am a exis­tên­cia de uma ter­ra pla­na. Os atu­ais de­fen­so­res — os so­fis­ti­ca­dos hu­ma­nos que usam a Internet — acham que a gra­vi­da­de não exis­te e que uma bar­rei­ra de ge­lo à vol­ta da Terra nos im­pe­de de cair pa­ra o abis­mo. Só nun­ca vi­mos es­sa bar­rei­ra por­que «eles» não per­mi­tem que as ima­gens se­jam di­vul­ga­das.

Já os hin­dus acre­di­ta­vam que a Terra pla­na era sus­ten­ta­da por qua­tro ele­fan­tes os quais, por sua vez, eram sus­ten­ta­dos por uma tar­ta­ru­ga gi­gan­te. Eu até po­dia re­fe­rir as cren­ças na Mesopotâmia e no Egipto, se­gun­do as quais o pla­ne­ta era pla­no, cir­cu­lar e cir­cun­da­do por um oce­a­no cós­mi­co, mas fico-me pe­la ques­tão da tar­ta­ru­ga. Onde es­tá? Tem pro­ble­mas nas cos­tas ou ain­da es­tá aí pa­ra as cur­vas, a sustentar-nos a to­dos?

Não es­tou a que­rer em­bir­rar. Não se po­de é des­pre­zar os cál­cu­los tri­go­no­mé­tri­cos que Eratóstenes fez há mais de dois mil anos, re­jei­tar a gra­vi­da­de e to­das as evi­dên­ci­as e pro­vas ci­en­tí­fi­cas, e de­pois fa­zer de con­ta que uma tar­ta­ru­ga que sus­ten­ta a Terra pla­na nun­ca exis­tiu.

Caros pla­nos, vo­cês têm de pro­var que a tar­ta­ru­ga não exis­te an­tes de pro­po­rem bar­rei­ras de ge­lo e o fim da gra­vi­da­de.

Não sou só eu. Há mais gen­te que os con­tes­ta. Os mortos-vivos que an­dam a ten­tar converter-nos ao dog­ma da Terra pla­na ain­da têm mui­tos cé­re­bros pa­ra des­pa­char até po­de­rem ser con­si­de­ra­dos uma pra­ga, mas há pes­so­as que não se dei­xam le­var pe­la con­ver­sa de­les por­que sa­bem mui­to bem que a Terra é oca.

É uma ques­tão per­ti­nen­te por­que só um dos gru­pos po­de ter ra­zão. Corrijam-me se es­ti­ver en­ga­na­do, mas parece-me ci­en­ti­fi­ca­men­te im­pro­vá­vel que uma Terra pla­na pos­sa ser oca e que uma Terra oca pos­sa ser pla­na. É co­mo obri­gar uma pes­soa a es­co­lher en­tre um ber­lin­de e uma ca­ri­ca.

O que mais faltava agora era uma zaragata

Seria ma­ra­vi­lho­so po­der as­sis­tir a um de­ba­te en­tre os pla­nos e os ocos, pre­ci­sa­men­te pa­ra nos dar a opor­tu­ni­da­de de es­cla­re­cer es­tas dú­vi­das exis­ten­ci­ais tão im­por­tan­tes pa­ra o fu­tu­ro dos sis­te­mas GPS. Seria cho­can­te que só ago­ra des­co­brís­se­mos que afi­nal eles nun­ca ti­nham fun­ci­o­na­do e que os com­pu­ta­do­res não cal­cu­la­vam um tra­je­to, só fa­zi­am uma ideia.

Astérix e a Zaragata

Dada a im­por­tân­cia do de­ba­te, acre­di­to que a dis­cus­são po­de­ria co­me­çar com uma ci­vi­li­za­da tro­ca de opi­niões (per­dão, fac­tos, es­tou sem­pre a ba­ra­lhar es­tas coi­sas), mas a for­ça das con­vic­ções aca­ba­ria por sobrepor-se à re­sis­tên­cia da to­le­rân­cia.

Posso até imaginá-los a lan­çar ví­de­os do YouTube à ca­ra uns dos ou­tros co­mo se fos­sem pe­dre­gu­lhos. Infelizmente, não vis­lum­bro em qual­quer dos gru­pos uma pa­cí­fi­ca fi­gu­ra mes­si­â­ni­ca que aca­bas­se com a za­ra­ga­ta gau­le­sa di­zen­do al­go co­mo «quem nun­ca se en­ga­nou, que ati­re o pri­mei­ro ví­deo».

Para de­sa­nu­vi­ar o am­bi­en­te, um mo­de­ra­dor mais sen­sa­to — por exem­plo, um ti­po que acre­di­ta em dis­cos vo­a­do­res e em ho­men­zi­nhos ver­des — po­de­ria pro­por a am­bas as par­tes que fa­las­sem da­que­les que an­dam a es­con­der a ver­da­de das pes­so­as.

Os teó­ri­cos da cons­pi­ra­ção que não con­se­guem con­tra­ri­ar a re­a­li­da­de cri­am uma re­a­li­da­de al­ter­na­ti­va na qual a NASA, o Governo, os Illuminati ou to­dos ao mes­mo tem­po con­tro­lam, ocul­tam ou dis­se­mi­nam coi­sas. É uma re­a­li­da­de al­ter­na­ti­va di­fí­cil de re­fu­tar por­que exi­gi­ria uma men­te ra­ci­o­nal ca­paz de car­re­gar — com pa­chor­ra de san­to — o ónus de pro­var a re­a­li­da­de, em vez de exi­gir o mes­mo a quem a des­men­te.

Mas man­te­rei a ca­be­ça aber­ta co­mo um pa­ra­que­das e, com a es­pe­ran­ça de não me es­pa­ti­far no so­lo da im­be­ci­li­da­de, ad­mi­ti­rei que até são ca­pa­zes de ter ra­zão nas acu­sa­ções à NASA.

E Marte aqui tão perto, é só um pulinho

Mars Research Center

Não de­ve ser fá­cil es­con­der que o Homem nun­ca foi à Lua, que exis­tem cri­a­tu­ras em Marte ou que ex­tra­ter­res­tres an­dam a rap­tar pes­so­as aqui, quan­to mais es­con­der do gran­de pú­bli­co a exis­tên­cia de du­as Terras, uma pla­na e ou­tra oca. A NASA é mul­ti­fa­ce­ta­da e mul­ti­dis­ci­pli­nar, mas não exa­ge­re­mos.

Agora per­ce­bo por que ra­zão ain­da não en­viá­mos uma mis­são tri­pu­la­da a Marte ou es­ta­mos lon­ge de en­vi­ar son­das au­to­ma­ti­za­das às es­tre­las vi­zi­nhas: não tem a ver com a fal­ta de di­nhei­ro, os de­sa­fi­os de en­ge­nha­ria ou a nos­sa fra­gi­li­da­de car­bó­ni­ca, é por­que os me­lho­res cé­re­bros da NASA an­dam ata­re­fa­dos a esconder-nos múl­ti­plas cons­pi­ra­ções ao mes­mo tem­po. Uma mis­são tão co­los­sal de­ve comer-lhes qua­se to­do o or­ça­men­to.

À se­me­lhan­ça dos com­pa­dres das cons­pi­ra­ções, de­se­jo que a NASA re­ve­le que nun­ca foi à Lua — a ver se fi­nal­men­te con­se­gui­mos pou­par uns di­nhei­ri­tos pa­ra vi­si­tar Marte ain­da na mi­nha ge­ra­ção.

Vá, NASA, con­fes­sa tu­do e pla­ni­fi­ca uma mis­são, mas des­ta vez a sé­rio. Se ti­ve­res dú­vi­das de co­mo fa­zer uma vi­a­gem tri­pu­la­da ao pla­ne­ta ver­me­lho — de­pois lo­go se vê se é pla­no ou não —, vais ao YouTube que os ci­en­tis­tas aí re­si­den­tes explicam-te co­mo se faz.

Aviso

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?