No dia em que mor­res­te, meu amor, o Sol bri­lhou tão in­ten­sa­men­te que pa­re­cia ter nas­ci­do em tua ho­me­na­gem.

A ma­nhã es­ta­va lu­mi­no­sa, pa­cí­fi­ca, ver­de­jan­te, exa­ta­men­te o gé­ne­ro de ma­nhã que te fa­zia le­van­tar, ape­sar do can­sa­ço, da dor e do so­fri­men­to, co­mo se a tua dis­po­si­ção e a dis­po­si­ção da Natureza es­ti­ves­sem li­ga­das por um cor­dão um­bi­li­cal que só tu con­se­gui­as ver.

Visitara-te pou­cas ho­ras an­tes e sa­bia o que ia acon­te­cer. Já ti­nhas par­ti­do quan­do me des­pe­di de ti e a no­tí­cia da tua «al­te­ra­ção de es­ta­do» — eu­fe­mis­mo hos­pi­ta­lar pa­ra o fa­le­ci­men­to do pa­ci­en­te — não era mais do que uma coi­sa bu­ro­crá­ti­ca, um ca­rim­bo a con­fir­mar o que a Natureza já de­ter­mi­na­ra e tu sa­bi­as mas, por al­truís­mo, in­sis­ti­ras sem­pre em des­va­lo­ri­zar.

Deixei as lá­gri­mas pa­ra de­pois — não por or­gu­lho, mas pa­ra pa­re­cer mais for­te di­an­te dos nos­sos miú­dos. Limitei-me a se­guir o teu exem­plo: du­ran­te al­gu­mas se­ma­nas, fiz o que tu con­se­guis­te du­ran­te anos. E ago­ra, pai e mãe, é ra­ro o dia em que não pen­se no que fa­ri­as ou de­ci­di­ri­as se es­ti­ves­ses aqui con­nos­co.

Abandonei o blo­gue du­ran­te es­tes me­ses por­que não con­se­guia pen­sar em mais na­da a não ser em ti, mas sei que fi­ca­ri­as sa­tis­fei­ta por ter re­co­me­ça­do, qua­se qua­tro me­ses de­pois de te ter per­di­do. O dia em que re­co­me­ças­se a es­cre­ver im­pli­ca­ria, por fim, convencer-me de que tam­bém a mi­nha vi­da ti­nha con­ti­nu­a­do.

O teu exem­plo se­rá nos­so até ao fim das nos­sas vi­das. E tal­vez fu­tu­ros ne­tos e bis­ne­tos pos­sam tam­bém aproveitá-lo. É um be­lo le­ga­do, me­lho­rar o mun­do ape­nas com a nos­sa sim­ples pre­sen­ça, o le­ga­do que me­re­ces por se­res a mais ge­ne­ro­sa e bon­do­sa das pes­so­as.

O mun­do nun­ca sou­be na­da de ti mas, na­que­la ma­nhã, por al­guns se­gun­dos, acre­di­tei que pa­ra o mun­do te co­nhe­cer bas­ta­ria sen­tir, co­mo eu, o ca­lor do Sol so­bre o ros­to. A tua ma­nhã.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?