A SPA (Sociedade Portuguesa de Autores) pu­bli­cou um do­cu­men­to in­ti­tu­la­do «Dez coi­sas que de­ve­ria sa­ber so­bre a Lei da Cópia Privada». O PDF po­de ser li­do aqui, se quiserem.

O tex­to es­tá di­vi­di­do em dez pon­tos, dez per­gun­tas com as res­pe­ti­vas res­pos­tas. As per­gun­tas fo­ram ela­bo­ra­das pe­la pró­pria SPA, obe­de­cen­do ao ve­lho pa­ra­dig­ma se que­res dar as me­lho­res res­pos­tas pos­sí­veis, certifica-te de que és tu a fa­zer as perguntas.

O do­cu­men­to tam­bém faz um uso mui­to pe­cu­li­ar das as­pas. E é ape­nas so­bre as as­pas que que­ro fa­lar. Porque as as­pas da SPA dão-me tan­ta in­for­ma­ção co­mo o do­cu­men­to in­tei­ro, ela­bo­ra­do com ba­se em coi­sas, coi­si­nhas e petas. (*)

Aspas entre aspas

As as­pas apa­re­cem lo­go a se­guir à per­gun­ta nú­me­ro 1:

Qual é o mo­ti­vo pe­lo qual a ta­ri­fa tem que ser apli­ca­da aos equi­pa­men­tos e su­por­tes se os mes­mos tam­bém po­dem ser usa­dos ape­nas pa­ra fins pessoais?

Resposta:

Os ca­sos par­ti­cu­la­res de equi­pa­men­tos ex­clu­si­va­men­te uti­li­za­dos pa­ra a re­pro­du­ção e ar­ma­ze­na­gem de “con­teú­dos” pró­pri­os não são um “comportamento-padrão”

Não per­ce­bo as as­pas à vol­ta da pa­la­vra con­teú­dos. Teria a SPA a gen­ti­le­za de ex­pli­car a di­fe­ren­ça en­tre con­teú­dos e “con­teú­dos”, en­tre comportamento-padrão e “comportamento-padrão”?

Talvez não se­jam as­pas, mas pinças.

Os con­teú­dos in­de­pen­den­tes pro­du­zi­dos pe­los ci­da­dãos que não es­tão sob a al­ça­da da SPA são dis­fun­ções no­jen­tas no sis­te­ma na­ci­o­nal de re­co­lha de fun­dos a que cha­ma­ram pro­je­to lei 118.

Deve-se por­tan­to pe­gar nes­sa pa­la­vra com pin­ças es­te­ri­li­za­das, tal co­mo se de­ve fa­zer o mes­mo com os ex­tra­ter­res­tres ma­nho­sos que pro­du­zem tais con­teú­dos: fo­tó­gra­fos, ci­ne­as­tas, mú­si­cos, es­tu­dan­tes, de­sig­ners, ilus­tra­do­res, es­sa cam­ba­da to­da que an­da a po­luir a net com li­cen­ças in­fec­ci­o­sas da Creative Commons.

Também po­de dar-se o ca­so de as as­pas não se­rem pin­ças, mas brin­cos ou piercings.

Se for as­sim, en­tão é ób­vio que “con­teú­do” sig­ni­fi­ca que a SPA acha que é tu­do tan­ga, a mal­ta an­da to­da a ar­ma­ze­nar con­teú­do pi­ra­ta; e que o “comportamento-padrão” des­ses pro­du­to­res in­de­pen­den­tes é o dos mar­gi­nais que an­dam na má vi­da do down­lo­ad ile­gal. É uma vi­são pre­con­cei­tu­o­sa da so­ci­e­da­de, um bo­ca­di­nho bo­ta de elás­ti­co, mas é tam­bém uma es­tra­té­gia de Relações Públicas.

Menções mais ou me­nos ve­la­das à pi­ra­ta­ria têm si­do fei­tas e con­ti­nu­a­rão a ser fei­tas pe­los de­fen­so­res des­te acor­do, mes­mo que o as­sun­to na­da te­nha a ver com a có­pia pri­va­da: é uma for­ma fá­cil de a SPA se ele­var mo­ral­men­te nu­ma dis­cus­são di­an­te de ci­da­dãos me­nos informados.

Se a SPA é ca­paz de ti­pi­fi­car e iso­lar com­por­ta­men­tos so­ci­ais usan­do ape­nas umas sim­ples as­pas, o que po­de­rá fa­zer com pa­la­vras e fra­ses inteiras?

Resposta:

Os ca­sos par­ti­cu­la­res de equi­pa­men­tos ex­clu­si­va­men­te uti­li­za­dos pa­ra a re­pro­du­ção e ar­ma­ze­na­gem de “con­teú­dos” pró­pri­os não são um “comportamento-padrão”. Os no­vos su­por­tes e equi­pa­men­tos são ho­je uti­li­za­dos, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te e em lar­ga es­ca­la, pa­ra ar­ma­ze­nar e re­pro­du­zir obras e pres­ta­ções protegidas.

Estão a ver? Com as as­pas, iso­la com­por­ta­men­tos in­di­vi­du­ais; com uma fra­se, a SPA já é ca­paz de de­fi­nir o com­por­ta­men­to de uma so­ci­e­da­de inteira.

Sim, é extorsão

Estamos to­dos sob o ju­go do prin­cí­pio da cul­pa­bi­li­da­de, em­bo­ra por au­sên­cia de es­tu­dos cre­dí­veis se­ja pre­fe­rí­vel chamar-lhe prin­cí­pio do ovo no cu da ga­li­nha. E ga­li­nhas se­re­mos nós, se os dei­xar­mos le­var por di­an­te es­te ela­bo­ra­do es­que­ma de extorsão.

A Internet dá a mi­lhões de pes­so­as a opor­tu­ni­da­de de par­ti­lhar e dis­tri­buir os seus pró­pri­os con­teú­dos: as pes­so­as fazem-no em blo­gues, no YouTube, no SoundCloud, nas re­des so­ci­ais. Este pro­ces­so ca­re­ce de me­di­a­do­res e es­tes ar­tis­tas não pre­ci­sam de representação.

Como não é pos­sí­vel fe­char a Internet ou obri­gar as pes­so­as a pres­cin­dir das su­as li­vres es­co­lhas, en­tão res­ta à SPA mi­ni­mi­zar pu­bli­ca­men­te a sua im­por­tân­cia e nú­me­ro, e trans­for­mar os dis­po­si­ti­vos de ar­ma­ze­na­men­to nu­ma no­va joia de ins­cri­ção: mes­mo que te­nhas de­ci­di­do não registar-te na SPA, tens de pa­gar pa­ra gra­var o que é teu.

Se fi­ze­res par­te dos ami­gui­nhos da SPA en­tão já po­de­rás ser re­co­nhe­ci­do co­mo le­gí­ti­mo pro­du­tor au­di­o­vi­su­al ou ar­tis­ta (sem en­fren­tar um in­fer­no bu­ro­crá­ti­co) e fi­car isen­to de ta­xa. É uma ofer­ta que nin­guém po­de recusar.

(*) Para uma aná­li­se mais acu­ti­lan­te e as­ser­ti­va a to­do o do­cu­men­to, pre­fi­ro encaminhá-los pa­ra o post da Maria João Nogueira: é as­sim a Net, uma di­nâ­mi­ca de par­ti­lha imparável.Também não fui o úni­co – nem o pri­mei­ro – a es­tra­nhar as as­pas da SPA. Leiam es­te ex­ce­len­te post n’A Loja do Mestre João: «10 coi­sas que a SPA não sa­be so­bre a lei da Cópia Privada».
Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?