A na­tu­re­za é o úni­co li­vro que ofe­re­ce um con­teú­do va­li­o­so em to­das as su­as fo­lhas, es­cre­veu Goethe. É uma fra­se bo­ni­ta, mas apos­to que es­se ta­len­to­so ra­paz ale­mão nun­ca te­ve di­an­te do na­riz uma mel­ga com me­ta­de do ta­ma­nho da mão de um ho­mem adul­to.

Aposto que nun­ca se sen­tou di­an­te de um mo­ni­tor pa­ra es­cre­ver um post pa­ra o blo­gue e se de­pa­rou com um mons­tro a pou­sar in­de­co­ro­sa­men­te as pa­tor­ras so­bre um pa­rá­gra­fo.

Aposto que nun­ca deu um pu­lo da ca­dei­ra co­mo se ti­ves­se ou­tra vez 15 anos e sal­tas­se ao tram­po­lim na au­la de gi­nás­ti­ca. Garanto que nun­ca foi for­ça­do a gas­tar qua­se to­da a tes­tos­te­ro­na do cor­po só pa­ra não gri­tar co­mo uma pré-adolescente as­sus­ta­da.

E te­nho a cer­te­za de que nun­ca te­ve de se ar­mar em cam­peão dos ex­ter­mi­na­do­res só pa­ra não as­sus­tar ain­da mais os pu­tos, aca­ba­di­nhos de en­trar de rom­pan­te na sa­la, a pen­sar que eu ti­nha de­sa­ba­do da ca­dei­ra e que saí­ram a cor­rer co­mo se ti­vés­se­mos si­do in­va­di­dos por zom­bi­es.

Mostrem-me o li­vro da Natureza do Goethe, digam-me on­de es­tá a pá­gi­na da mel­ga e seus de­ri­va­dos, e eu arranco-a já.

Desfaço a por­ca­ria da fo­lha em mil pe­da­ci­nhos e quei­mo ca­da um des­ses mil pe­da­ci­nhos até ter a cer­te­za de que nem uma des­sas cri­a­tu­ras irá re­nas­cer das cin­zas. Tanta gen­te re­za a Deus por coi­sas su­pér­flu­as co­mo su­ces­so ou di­nhei­ro, não per­ce­bo por que ra­zão não se im­plo­ra ao Pai Nosso que es­tais no Céu que nos pro­te­ja a to­dos e de­cre­te o ge­no­cí­dio à chi­ne­la­da des­sas dan­ça­ri­nas de ca­ba­ré de­mo­nía­co.

Que ca­pri­cho cós­mi­co foi es­te que de­ter­mi­nou a ex­tin­ção de um bi­cha­ro­co tão ado­rá­vel co­mo o di­nos­sau­ro e per­mi­tiu que san­gues­su­gas so­bre­vo­an­do as nos­sas ca­be­ças co­mo aviões stu­kas da II Guerra Mundial in­fes­tem es­te po­bre pla­ne­ta nos úl­ti­mos 225 mi­lhões de anos?

E ago­ra? Como me li­vro do bi­cho pa­pão com um mí­ni­mo de dig­ni­da­de mas­cu­li­na?

Quando a mel­ga tem o azar de poi­sar na pa­re­de, dou-lhe uma chi­ne­la­da com ta­ma­nha for­ça que os vi­zi­nhos pen­sam que es­tou a pre­gar um qua­dro na pa­re­de. A his­tó­ria da mi­nha vi­da es­tá re­ple­ta des­sas obras-primas do es­ma­ga­men­to. Hoje a si­tu­a­ção é di­fe­ren­te: não pos­so cor­rer o ris­co de es­pa­ti­far um mo­ni­tor que me cus­tou os olhos da ca­ra.

Isto re­quer uma ação mais de­li­ca­da. Talvez pos­sa pri­mei­ro ti­rar uma fo­to­gra­fia pa­ra ilus­trar o post que ine­vi­ta­vel­men­te aca­ba­rei por es­cre­ver? Não va­le a pe­na. Estou de tal ma­nei­ra ner­vo­so que a fo­to vai sair to­da tre­mi­da. Os meus fi­lhos acham que eu tam­bém es­tou com me­do e es­prei­tam do cor­re­dor, du­vi­dan­do da mi­nha ca­pa­ci­da­de de res­tau­rar a paz pa­ter­na.

Que ideia! Nós, os adul­tos, nun­ca te­mos me­do, só sen­ti­mos al­gum re­ceio. E se a pa­la­vra re­ceio não for apro­pri­a­da por es­tar­mos com su­o­res fri­os na pal­ma da mão, di­ze­mos que é por ter­mos no­jo – na ver­da­de sig­ni­fi­ca que es­ta­mos chei­os de ca­gu­fa, mas ga­ran­to que tam­bém não é ho­je que lhes vou ex­pli­car o sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra eu­fe­mis­mo.

E ago­ra? Posso enxotá-la, mas não vou apro­xi­mar a mi­nha mão da­qui­lo.

Esperem! Já sei! Vou ali à co­zi­nha (res­pi­rar fun­do, be­ber água) pro­cu­rar um pa­no. Depois agito-o di­an­te da­qui­lo co­mo se fos­se um es­tan­dar­te re­al e ti­ves­se um exér­ci­to de ca­va­la­ria pres­tes a ata­car. Pode ser que o mons­tro pa­tu­do se as­sus­te e voe da­li pa­ra fo­ra, pou­san­do na pa­re­de e aca­ban­do os seus mi­se­rá­veis di­as pre­ga­do à so­la do meu chi­ne­lo.

A es­tra­té­gia deu re­sul­ta­do: o boi-melga le­van­tou voo, con­fu­so, an­dou às mar­ra­das pe­la pa­re­de até sos­se­gar no te­to.

«Vai bus­car um ban­co, pai» – gri­tou a mi­nha cla­que­zi­nha, cheia de es­pe­ran­ça.

Percebo a ideia. Já não te­nho cor­po pa­ra sal­tos de bas­que­te­bo­lis­ta, pe­lo que su­bin­do ao ban­co pos­so fi­car cara-a-cara com o bi­cho e esmagá-lo.

Excelente es­tra­té­gia, mas nem pen­sar. Sentir-me-ia co­mo se ti­ves­se si­do co­lo­ca­do em ci­ma de um ara­me a mi­lha­res de me­tros de al­tu­ra: se fa­lhas­se o al­vo e o bi­cho vo­as­se em di­re­ção à mi­nha ca­ra, o mais cer­to se­ria desequilibrar-me e par­tir as cos­te­las no chão.

Não, is­to re­quer uma ar­ma mais so­fis­ti­ca­da co­mo, por exem­plo, um mís­sil. «Vão bus­car a vas­sou­ra, de­pres­sa!»

Eles obedeceram-me com tan­ta pron­ti­dão que por bre­ves se­gun­dos ain­da con­si­de­rei o po­ten­ci­al va­lor pe­da­gó­gi­co da mel­ga. «Se não fo­res já pa­ra a ca­ma, vou di­zer ali à mel­ga» – es­tão a ver, coi­sas par­vas des­te gé­ne­ro.

E foi as­sim que nos li­vrá­mos do in­va­sor, à vas­sou­ra­da. Devo ter ma­no­bra­do a vas­sou­ra co­mo um jo­ga­dor de bi­lhar pres­tes a ex­pe­ri­men­tar a pri­mei­ra ta­ca­da, por­que acer­tei à pri­mei­ra e ela caiu, ino­fen­si­va co­mo um fio de lã. Vitória! Poderei ter re­gres­sa­do à co­zi­nha mon­ta­do na vas­sou­ra co­mo um Dom Quixote, com dois pe­que­nos Sanchos sal­ti­tan­do de alí­vio à mi­nha fren­te, mas sou ca­paz de es­tar a exa­ge­rar.

A fo­bia, con­tu­do, não é exa­ge­ra­da. É ca­so pa­ra o di­vã do se­nhor Jung. Ou ses­são de hip­no­tis­mo. Aranhas? Mantenho uma cor­di­al dis­tân­cia: elas te­cem as su­as tei­as, eu te­ço as mi­nhas. Osgas? Beijinho ne­las. Ratos? Até lhes dou de co­mer à mão, se pro­me­te­rem não me mor­der um de­do. Tigres? Gatinhos gran­des, uns fo­fos. Elefantes? São os mai­o­res. Melgas-boi? Um la­men­tá­vel er­ro que a Natureza de­ve­ria cor­ri­gir o mais de­pres­sa pos­sí­vel. Que re­ceio, per­dão, que no­jo!

Esta his­tó­ria tem um la­do po­si­ti­vo: de­pois de ter um mons­tri­nho da­que­les di­an­te do na­riz, to­do e qual­quer mos­qui­to­zi­nho que se apre­sen­te nes­ta ca­sa se­rá re­ce­bi­do com to­da a cor­di­a­li­da­de.

Marco Santos

­Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?