Se a bom­ba ca­tas­tro­fis­ta que vi­ra­li­zou on­tem nas re­des so­ci­ais fos­se ver­da­de, es­sa que anun­cia o obi­tuá­rio do Grande Recife de Corais, en­tão po­de­ría­mos en­ter­rar com ele os es­for­ços pa­ra o sal­var.

Esta é a con­clu­são ló­gi­ca que Rowan Jacobsen — o alar­mis­ta res­pon­sá­vel pe­lo bo­a­to — foi in­ca­paz de pre­ver. E es­te é mais um ca­so pa­ra re­for­çar a ideia de que os mei­os não jus­ti­fi­cam os fins e não es­tá cer­to al­dra­bar o pú­bli­co, ain­da que as cau­sas se­jam vir­tu­o­sas.

A bar­rei­ra de co­rais en­fren­ta de fac­to pro­ble­mas sé­ri­os atri­buí­dos às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, mas não es­tá mor­ta. Mentir só con­tri­bui pa­ra de­sa­cre­di­tar os es­for­ços de con­ser­va­ção.

Na era da Internet os al­dra­bões já de­vi­am ter per­ce­bi­do que não po­dem con­ti­nu­ar a con­tar com a am­né­sia cró­ni­ca dos tem­pos da ora­li­da­de e do pa­pel, que as men­ti­ras têm as per­nas ca­da vez mais cur­tas.

Se que­rem ser le­va­dos a sé­rio quan­do ata­cam a cor­rup­ção de po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os, têm for­ço­sa­men­te de ser um exem­plo de in­te­gri­da­de, pri­mar pe­la ver­da­de, res­pei­tar quem tra­ba­lha e se pre­o­cu­pa por es­tu­dar e re­sol­ver os pro­ble­mas.

Quem di­go is­to, te­nho em men­te en­ti­da­des co­mo a Greenpeace ou os par­ti­dos eco­lo­gis­tas que nos têm tris­te­men­te ha­bi­tu­a­do a es­te «mo­dus ope­ran­di».

Carlos Daniel Abrunheiro

Bitaite de Carlos Daniel Abrunheiro

Músico autodidata, Físico não praticante.