Os ví­de­os da Maria Leal multiplicam-se nas re­des so­ci­ais, tão nu­me­ro­sos co­mo lar­vas de mos­ca. Só con­se­gui ver os pri­mei­ros trin­ta se­gun­dos do pri­mei­ro. Nunca fui o ti­po de pes­soa com ne­ces­si­da­de de abran­dar quan­do há um aci­den­te de trân­si­to. Não gos­to de de­sas­tres. Não con­si­go entreter-me com de­sas­tres. Não con­si­go achar pi­a­da.

Mas há mal­ta que acha pi­a­da e se far­ta de rir e par­ti­lhar. Na enor­me cor­te do en­tre­te­ni­men­to exis­tem reis, rai­nhas, prín­ci­pes, ba­rões, con­des e du­ques, mas tam­bém de­vem exis­tir bo­bos.

Maria Leal é o bo­bo fa­vo­ri­to da cor­te, mas não vai du­rar mui­to. Nunca du­ra. Sai da fren­te, ó Guedes, vem aí o pró­xi­mo.

A mim não ale­gra nem dá von­ta­de de rir. Envergonha-me. Vê-la a can­tar e a dan­çar, a gra­var can­ções, a apa­re­cer nos ca­nais de te­le­vi­são, nas re­vis­tas e nas re­des so­ci­ais faz-me pen­sar que o mun­do se trans­for­mou num gi­gan­tes­co pro­gra­ma de apa­nha­dos.

Alguém mon­tou um ce­ná­rio fic­tí­cio no qual os do­tes de Maria Leal pa­ra o can­to e a dan­ça são apre­ci­a­dos. Ela cai na es­par­re­la e põe-se a can­tar e a dan­çar. Todos fin­gem in­te­res­se no que ela jul­ga ter pa­ra dar, mas só es­tão a go­zar a par­ti­da que lhe pre­ga­ram.

Não, a Maria Leal não tem assim tanta piada

Esta al­deia glo­bal tec­no­lo­gi­ca­men­te tão so­fis­ti­ca­da aborrece-me. Todos es­tes go­zos. Todas es­tas gar­ga­lha­das. Estes li­kes e par­ti­lhas. Como se quem dis­se­mi­na es­tes ví­de­os fos­se isen­to de res­pon­sa­bi­li­da­des no fe­nó­me­no que cri­ti­ca. Como se não con­tri­buís­se pa­ra a sua lu­cra­ti­vi­da­de.

O que há tem­pos cha­má­va­mos de ar­te obe­de­ce ago­ra à mes­ma ló­gi­ca da pu­bli­ci­da­de. Não in­te­res­sa se é bom ou mau, se é ou não é, im­por­ta é a ca­pa­ci­da­de de ge­rar aten­ção.

O mun­do com­pe­te pe­la nos­sa aten­ção, não pe­la nos­sa in­te­li­gên­cia, sen­si­bi­li­da­de ou sen­ti­do crí­ti­co. É aten­ção que se quer. Atenção ge­ra di­nhei­ro. Os me­dia con­ti­nu­a­rão a fa­lar de Maria Leal en­quan­to as pes­so­as con­ti­nu­a­rem a abran­dar pa­ra ver o de­sas­tre.

Maria Leal

E sen­tir es­tas coi­sas en­quan­to tan­tos se di­ver­tem faz-me sen­tir des­lo­ca­do des­ta al­deia. É co­mo es­tar sen­ta­do a um can­to, abor­re­ci­do, ven­do to­da a gen­te a dan­çar ao som de má mú­si­ca.

A ver­go­nha que sin­to nem tem ra­zão de ser. Afinal, na­da dis­to é pa­ra ser le­va­do a sé­rio, tu­do pas­sa num ápi­ce. Hoje um bo­bo, ama­nhã ou­tro, bo­bo mor­to, bo­bo pos­to, não é?

Mas é as­sim que me sin­to e não há na­da a fa­zer. A Maria Leal e as pes­so­as que go­zam o pra­to à con­ta de­la não são as­sim tão di­fe­ren­tes co­mo acre­di­tam. Fazem to­das par­te do mes­mo mun­do — um mun­do on­de o en­tre­te­ni­men­to não é va­lo­ri­za­do pe­la qua­li­da­de e in­te­li­gên­cia, mas pe­la aten­ção e di­nhei­ro que ge­re.

Vivemos nu­ma eco­no­mia de mer­ca­do. O mer­ca­do pa­ga mais pe­lo en­tre­te­ni­men­to da Maria Leal do que pe­la Educação. Assim se cri­am ge­ra­ções que pres­tam aten­ção ao fú­til e ig­no­ram o im­por­tan­te. E é por is­to que não me con­si­go rir.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?