Li que o Dia Mundial do Orgasmo é ce­le­bra­do a 31 de ju­lho. Sendo o se­xo um te­ma tão ren­tá­vel, os me­dia sal­ta­ram so­bre o as­sun­to sem se­quer ti­rar as mei­as.

Passei os olhos por al­guns ar­ti­gos so­bre a efe­mé­ri­de e vi que to­dos fa­la­vam das mu­lhe­res. Não me ad­mi­ra. O Dia Mundial do Orgasmo é so­bre o or­gas­mo fe­mi­ni­no. O nos­so tam­bém é es­pe­ci­al e dig­no de men­ção, mas não te­mos gran­de coi­sa a di­zer so­bre o as­sun­to.

O que te­mos a afir­mar so­bre o nos­so or­gas­mo é mais ou me­nos o que Júlio César pro­cla­mou ao Senado quan­do che­gou vi­to­ri­o­so da Batalha de Zela: «Veni, vi­di, vi­ci». Ou se­ja, em cir­cuns­tân­ci­as nor­mais, che­ga­mos, ve­mos e vimo-nos, na­da de es­pe­ci­al.

Mas te­mos cons­ci­ên­cia das nos­sas li­mi­ta­ções e que­re­mos agra­dar à nos­sa par­cei­ra. Tentamos con­tra­ri­ar o que a nos­sa na­tu­re­za nos im­plo­ra pa­ra fa­zer, já. E quan­do con­se­gui­mos, sentimo-nos es­pe­ci­ais co­mo aque­le in­can­sá­vel co­e­lhi­nho que se tor­nou mas­co­te das pi­lhas Duracell.

O Dia Mundial da Pasmaceira

Enquanto a mai­o­ria de nós faz o que po­de pa­ra se con­tro­lar, elas an­sei­am por atin­gir o des­con­tro­lo con­nos­co. E mui­tas não con­se­guem. Um es­tu­do pu­bli­ca­do es­ta se­ma­na pe­lo Projeto de Sexualidade na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo con­cluiu que me­ta­de das mu­lhe­res bra­si­lei­ras nun­ca atin­giu o or­gas­mo du­ran­te o se­xo.

Um ou­tro es­tu­do pa­tro­ci­na­do por uma re­de de «sex shops» em Inglaterra — e fo­ram es­tas lo­jas que cri­a­ram, em 1999, o Dia Mundial do Orgasmo — mos­trou que cer­ca de 80 por cen­to das in­gle­sas tam­bém não che­gam lá.

Estes «di­as mun­di­ais» são mar­ca­dos pa­ra nos re­cor­dar, de for­ma ce­ri­mo­ni­al, al­go que de­ve­ria acon­te­cer sem­pre. Se a paz no mun­do exis­tis­se to­dos os di­as de to­dos os anos, não ha­ve­ria ne­ces­si­da­de de or­ga­ni­zar di­as es­pe­ci­ais. Comemora-se o Dia Mundial do Orgasmo por­que pa­ra mui­tas mu­lhe­res os res­tan­tes são Dias Mundiais da Pasmaceira.

O úni­co dia que fa­ria sen­ti­do co­me­mo­rar fra­ter­nal­men­te se­ria o Dia Mundial da Mão por­que, há que reconhecê-lo, qua­se to­dos co­me­çá­mos as­sim.

Quando Manuel Alegre es­cre­veu o cé­le­bre «Com mãos se faz a paz se faz a guer­ra, Com mãos tu­do se faz e se des­faz», por aí fo­ra, a mai­o­ria dos ado­les­cen­tes de­ve ter pen­sa­do que o nos­so po­e­ta dei­xa­ra mui­ta coi­sa su­ben­ten­di­da.

Fazer ou não fazer, eis a questão

Dia Mundial do OrgasmoDia Mundial do Orgasmo

Claro que nós te­mos mui­ta cul­pa no car­tó­rio. Podíamos ser mais aten­ci­o­sos e cri­ar o Dia Mundial do Minete. Incentivava-se a mal­ta a pra­ti­car. Se um mi­ne­te mui­to bem ser­vi­do não po­de mu­dar o mun­do, ho­nes­ta­men­te não sei o que po­de­rá.

Em vez dis­so, os es­tu­dos di­zem que mui­tos ho­mens têm com o cli­tó­ris a mes­ma re­la­ção que um mío­pe tem com o Wally.

O or­gas­mo fe­mi­ni­no sem­pre foi tão ex­tra­ter­res­tre que no sé­cu­lo XIX era con­si­de­ra­do pe­la so­ci­e­da­de pa­tri­ar­cal e pu­ri­ta­na uma ma­ni­fes­ta­ção his­té­ri­ca. Esta «his­te­ria» já era conhe­ci­da há mui­to tem­po. Os gre­gos chamavam-lhe a doen­ça do úte­ro arden­te, um mal tão incon­ve­ni­en­te co­mo uma pra­ga de gafa­nho­tos.

O Dia do Orgasmo de­via ser uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra os ho­mens re­fe­ri­dos nes­ses es­tu­dos. Aprendam umas coi­sas so­bre a ma­ra­vi­lho­sa e com­ple­xa cri­a­tu­ra com que se dei­tam to­dos os di­as. Não é di­fí­cil.

Com perseverança chega-se lá

Dia Mundial do Orgasmo

Caramba, se so­mos ca­pa­zes de se­guir um ma­nu­al de ins­tru­ções e mon­tar um ar­má­rio do IKEA qua­se sem pes­ta­ne­jar, por que raio não ha­ve­re­mos de apren­der a dar à mu­lher aque­la sen­sa­ção de não sa­ber bem on­de aca­ba o quar­to e co­me­çam as es­tre­las?

O or­gas­mo fe­mi­ni­no tem aces­so a mais di­men­sões, é ver­da­de. Se o pro­fes­sor Abbott ti­ves­se es­cri­to um «Flatland» do or­gas­mo, o nos­so se­ria re­pre­sen­ta­do por um qua­dra­do num mun­do bi­di­men­si­o­nal; o de­las, por uma es­fe­ra a flu­tu­ar em três di­men­sões.

Mas com per­se­ve­ran­ça e mui­to es­tu­do, po­de­mos che­gar lá.

Elas são mais so­fis­ti­ca­das. As mu­lhe­res são um sis­te­ma ope­ra­ti­vo com­ple­xo, mul­ti­ta­re­fa, ca­paz de tra­ba­lhar com vá­ri­os pro­gra­mas or­gás­ti­cos ao mes­mo tem­po. Nós ain­da so­mos um Windows 98. Só não que­re­mos é crashar a meio de uma ta­re­fa im­por­tan­te. A nos­sa ges­tão de me­mó­ria é pés­si­ma, di­zem elas. E o ecrã azul da eja­cu­la­ção pre­co­ce? Ninguém apre­cia.

Senhores des­ses es­tu­dos que an­dam a dei­xar mal as mu­lhe­res: atualizem-se, ins­ta­lem um Service Pack, mu­dem pa­ra Linux, mas fa­çam qual­quer coi­sa.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?