Teotihuacan es­tá en­vol­ta em mis­té­rio. Não se sa­be quem a cons­truiu e os pró­pri­os Aztecas não con­ti­ve­ram a es­tu­pe­fac­ção quan­do de­ram com aque­la ci­da­de, ge­ni­al­men­te cons­truí­da e ali­nha­da con­for­me os as­tros co­nhe­ci­dos na épo­ca. Com que ob­jec­ti­vo? Podemos ape­nas con­jec­tu­rar. Talvez o mes­mo que le­vou à cons­tru­ção das pi­râ­mi­des do Egipto.

Haverá uma ex­pli­ca­ção ci­en­tí­fi­ca pa­ra o mo­do atra­vés do qual es­tes sím­bo­los de gran­des ci­vi­li­za­ções per­di­das fo­ram eri­gi­das, em­bo­ra se­ja de es­pan­tar o avan­ço ci­vi­li­za­ci­o­nal, tec­no­ló­gi­co e es­pi­ri­tu­al que le­vou à in­tros­pec­ção mí­ti­ca e à ma­te­má­ti­ca ne­ces­sá­ri­as. Poderá ser jus­ti­fi­cá­vel com a ado­ra­ção, re­gis­ta­da e com­pro­va­da há mui­to, dos cor­pos ce­les­tes.

Sabe-se, por exem­plo, que o cul­to so­lar, im­preg­na­do em vá­ri­os po­vos, deu ori­gem a pra­ti­ca­men­te to­das as re­li­giões or­ga­ni­za­das, de uma for­ma ou de ou­tra:

O deus Ra era con­si­de­ra­do o “Deus Sol” pa­ra os egíp­ci­os; Gnowee é a Deusa Sol pa­ra al­gu­mas tri­bos abo­rí­ge­nes aus­tra­li­a­nos, trans­por­tan­do a sua tor­cha du­ran­te o dia, na pro­cu­ra eter­na pe­lo seu fi­lho per­di­do. É uma ra­ri­da­de, pois as deu­sas cos­tu­mam sim­bo­li­zar mais fre­quen­te­men­te a lua. Estes são só al­guns exem­plos.

Os sa­cri­fí­ci­os bru­tais que os Aztecas con­ce­di­am aos deu­ses re­pre­sen­ta­vam a sua lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia. A sua vi­da de­pen­dia das co­lhei­tas, e se os “deu­ses” não co­la­bo­ras­sem na me­te­o­ro­lo­gia, a po­pu­la­ção mor­ria de fo­me. Havia que ma­tar vo­lun­tá­ri­os ou mem­bros de agru­pa­men­tos ini­mi­gos pa­ra amai­nar a rai­va di­vi­na.

Tudo is­to não im­pe­diu a que­da de Teotihuacan. Esse fim é ou­tro gran­de mis­té­rio, ten­do co­mo úl­ti­ma te­o­ria a de que os “99%” zangaram-se a sé­rio com os “1%” que con­tro­la­vam o lo­cal (aqui).

O Universo sem­pre ma­ra­vi­lhou o Homem, tal­vez por­que so­mos com­pos­tos por ele e compomo-lo. Pitágoras cal­cu­lou a quan­ti­da­de de va­zio que é ne­ces­sá­ria pa­ra se atin­gir a ple­ni­tu­de. Essa ple­ni­tu­de é o si­lên­cio do Espaço e cha­ma por nós por­que é o cú­mu­lo da per­fei­ção.

Cá, se­ja­mos egíp­ci­os, mai­as, za­po­te­cos, gre­gos, ro­ma­nos ou ca­pi­ta­lis­tas, to­do o Império tem um iní­cio e um fim, se­ja por que ra­zão for. É as­sus­ta­dor? Sim, mas é ra­ci­o­nal. Mais va­le convencermo-nos an­tes que não nos con­si­ga­mos ha­bi­tu­ar, quan­do ou­tras cir­cuns­tân­ci­as e con­jun­tu­ras sur­gi­rem.

Ana Costa

Bitaite de Ana Costa

Cientista da informação. Escritora. Futura pobre e campista.