«Perdido em Marte», de Ridley Scott, é um bom fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, mas co­me­ça com uma ba­to­ta e aca­ba com uma improbabilidade.

Não pos­so fa­lar da im­pro­ba­bi­li­da­de, por cau­sa dos spoi­lers, mas pos­so fa­lar da ba­to­ta. O tí­tu­lo do fil­me e os car­ta­zes já nos di­zem que a his­tó­ria é so­bre um as­tro­nau­ta per­di­do em Marte in­ter­pre­ta­do por Matt Damon, pe­lo que con­tar por que ra­zão o ho­mem fi­cou so­zi­nho no pla­ne­ta ver­me­lho não es­tra­ga o fil­me a ninguém.

O per­so­na­gem de Damon, Mark Watney, é lan­ça­do pe­los ares nu­ma for­te tem­pes­ta­de de areia. O sa­té­li­te prin­ci­pal da equi­pa de ex­plo­ra­do­res é ar­ran­ca­do da sua ba­se de su­por­te, co­li­din­do com uma fi­lei­ra de an­te­nas de re­ce­ção. Com o bi­o­mo­ni­tor do fa­to ava­ri­a­do, sem dar si­nais de vi­da à res­tan­te tri­pu­la­ção, Watney é da­do co­mo mor­to e aban­do­na­do no planeta.

Qual é a ba­to­ta? O aci­den­te di­fi­cil­men­te po­de­ria ter acon­te­ci­do. A at­mos­fe­ra em Marte é tão ra­re­fei­ta que pos­sui 1 por cen­to da den­si­da­de da nos­sa. Isto sig­ni­fi­ca que a tem­pes­ta­de que ob­ser­va­mos no fil­me nun­ca te­ria for­ça pa­ra ar­ran­car sa­té­li­tes ou pro­je­tar as­tro­nau­tas pe­los ares. Por cau­sa da sua fi­na at­mos­fe­ra, uma ven­ta­nia de ar­ran­car ca­be­los na Terra tem a for­ça de uma su­a­ve bri­sa de ve­rão em Marte.

Não pen­sem que fa­lo em ba­to­ta só pa­ra em­bir­rar. Uma das mi­nhas sé­ri­es de te­le­vi­são pre­fe­ri­das já mos­trou uma be­la mu­lher mon­ta­da num dra­gão e cri­a­tu­ras de ge­lo a res­sus­ci­tar as su­as ví­ti­mas, por­tan­to re­a­li­da­des al­ter­na­ti­vas ou mun­dos de fan­ta­sia não me cha­tei­am na­da – des­de que as su­as pre­mis­sas ir­re­a­lis­tas fi­quem lo­go es­ta­be­le­ci­das co­mo re­gras às quais es­ses mun­dos obe­de­cem. Sem es­tas pre­mis­sas, um fil­me co­mo «Matrix» parecer-nos-ia com­ple­ta­men­te absurdo.

No «Game of Thrones», fi­ca ime­di­a­ta­men­te es­ta­be­le­ci­do nos pri­mei­ros epi­só­di­os que em­bo­ra Westeros e res­tan­tes ter­ri­tó­ri­os se­jam fi­si­ca­men­te pa­re­ci­dos com os nos­sos – a lei da gra­vi­da­de fun­ci­o­na da mes­ma ma­nei­ra, o sol aque­ce, o ge­lo ge­la –, ali exis­tem, já exis­ti­ram ou vão exis­tir deu­ses de fo­go, de ge­lo e ou­tras cri­a­tu­ras so­bre­na­tu­rais. Uma vez acei­te es­sa pre­mis­sa co­mo fa­zen­do par­te da re­a­li­da­de da­que­le mun­do, não é o apa­re­ci­men­to de uma cri­a­tu­ra ala­da a cus­pir fo­go que me vai fa­zer sen­tir en­ga­na­do e pen­sar «que ir­re­a­lis­ta, não exis­tem dra­gões no mun­do real».

Em «Perdido em Marte», tal co­mo de res­to no li­vro «o Marciano» em que se ba­seia, estabelece-se a pre­mis­sa de que aque­le é o Marte re­al, com os pe­ri­gos e di­fi­cul­da­des do pla­ne­ta re­al en­fren­ta­dos por um as­tro­nau­ta da NASA, não um Marte com uma at­mos­fe­ra mais den­sa. Já pa­ra não fa­lar dos pe­ri­gos ób­vi­os da ex­po­si­ção à ra­di­a­ção, pra­ti­ca­men­te ig­no­ra­dos no fil­me (e no livro).

Pondo es­tas ma­ri­qui­ces de par­te, só pe­dia qua­tro coi­sas a Ridley Scott:

1

que o ar­gu­men­to fos­se fi­el ao es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor e de­sen­ras­ca­do do as­tro­nau­ta que Andy Weir, au­tor de «O Marciano», ima­gi­nou pa­ra o livro;

2

man­ti­ves­se o des­pren­di­men­to na for­ma co­mo Watney en­fren­ta os pro­ble­mas, um hu­mor pe­cu­li­ar e bre­jei­ro que se pe­ga às pá­gi­nas co­mo po­ei­ra mar­ci­a­na e às ve­zes nos faz es­que­cer que aque­le é um ter­rí­vel dra­ma de so­bre­vi­vên­cia ao es­ti­lo náu­fra­go espacial;

3

o pa­pel ful­cral da Ciência na so­bre­vi­vên­cia de Watney fos­se respeitado;

4

que a par­ti­ci­pa­ção chi­ne­sa na mis­são de sal­va­men­to não fos­se es­que­ci­da ou mi­ni­mi­za­da. Não bas­ta cri­ar he­róis pa­ra agi­tar ban­dei­ri­nhas ame­ri­ca­nas, tam­bém con­vém mos­trar que a co­o­pe­ra­ção en­tre se­res hu­ma­nos é mais im­por­tan­te que as nacionalidades.

O filme deixa-nos também em Marte, o que já é muito bom

Tudo is­to foi con­se­gui­do, em par­te gra­ças ao res­pei­to pe­lo ma­te­ri­al ori­gi­nal, em par­te de­vi­do ao bom tra­ba­lho de Matt Damon, pe­lo que saí do ci­ne­ma sa­tis­fei­to e bem en­tre­ti­do. Passar du­as ho­ras em Marte no con­for­to de uma sa­la de ci­ne­ma é um lu­xo de que não abdico.

Robinson Crusoe on Mars

A sin­gu­lar si­tu­a­ção do as­tro­nau­ta Watney – for­ça­do a so­bre­vi­ver so­zi­nho num pla­ne­ta há mui­to aban­do­na­do pe­la vi­da (se es­ta al­gu­ma vez exis­tiu) – fez com que mui­ta gen­te o com­pa­ras­se à his­tó­ria de Robinson Crusoé, pu­bli­ca­da em 1719.

O que tal­vez es­sa mal­ta des­co­nhe­ça é que a ideia de re­con­tar a his­tó­ria de Daniel Defoe em con­tex­to mar­ci­a­no já foi fei­ta: «Robinson Crusoe on Mars», com um extraterrestre-escravo a fa­zer as ve­zes de «Sexta-feira», é um fil­me ame­ri­ca­no de mé­dio or­ça­men­to lan­ça­do em 1964 sem gran­de su­ces­so mas que é ago­ra uma obra de cul­to en­tre os aman­tes mais «hard­co­re» da fic­ção científica.

O gigante e as criaturas insignificantes

«Perdido em Marte» não me faz lem­brar ne­nhum fil­me em es­pe­ci­al, mas al­guns pla­nos – os que mos­tra­vam a de­so­la­da so­li­dão de Watney – fizeram-me pen­sar num ve­lhi­nho li­vro de Voltaire, es­se ge­ni­al sá­ti­ro, es­cri­tor e fi­ló­so­fo que de­fen­dia a li­ber­da­de de ex­pres­são e a se­pa­ra­ção en­tre Igreja e Estado nu­ma épo­ca em que os in­qui­si­do­res ain­da quei­ma­vam bru­xas, in­fiéis e ou­tras cri­a­tu­ras do demo.

(Já ago­ra: uma das cra­te­ras de im­pac­to de Deimos – a lua mais afas­ta­da das du­as de Marte – chama-se, pre­ci­sa­men­te, Voltaire.)

Voltaire es­cre­veu em 1752 um li­vri­nho de fic­ção ci­en­tí­fi­ca quan­do ain­da nin­guém sa­bia o que era a fic­ção ci­en­tí­fi­ca – e foi is­to que des­per­tou o meu in­te­res­se. «Micrómegas» é um pre­tex­to pa­ra sa­ti­ri­zar ou ana­li­sar o pen­sa­men­to de fi­ló­so­fos co­mo Descartes, Aristóteles ou Leibniz, mas são os ele­men­tos de fic­ção ci­en­tí­fi­ca que in­te­res­sam ago­ra no con­tex­to des­te post.

«Micrómegas» conta-nos a his­tó­ria de um ser que vi­ve num dos pla­ne­tas em ór­bi­ta da es­tre­la Sírio. Micrómegas é o no­me da cri­a­tu­ra, um ser gi­gan­tes­co com 36 qui­ló­me­tros de al­tu­ra que ha­bi­ta um mun­do 21,6 mi­lhões de ve­zes mai­or do que a Terra! Ao che­gar ao fim da in­fân­cia – 450 anos de ida­de –, pu­bli­ca um tra­ba­lho ci­en­tí­fi­co so­bre in­se­tos de 30 me­tros de ta­ma­nho, de­ma­si­a­do pe­que­nos pa­ra se­rem ob­ser­va­dos ao microscópio.

O li­vro não é bem re­ce­bi­do en­tre os seus com­pa­dres si­ri­a­nos. Alguns consideram-no mes­mo uma heresia.

Tem lu­gar um jul­ga­men­to que du­ra 200 anos. Ao fim des­se tem­po, o ra­paz é ba­ni­do du­ran­te um pe­río­do de 800 anos. Aproveita en­tão pa­ra fa­zer uma vi­a­gem pe­lo Universo.

De no­tar que a es­pe­ran­ça de vi­da mé­dia de um «si­ri­a­no» é de 10 mi­lhões e meio de anos, pe­lo que a vi­a­gem até ao nos­so Sistema Solar foi fei­ta nas calmas.

Durante a vi­a­gem, tra­va co­nhe­ci­men­to com um sa­tur­ni­a­no, um anão com me­nos de dois qui­ló­me­tros de al­tu­ra. Apesar das di­fe­ren­ças fí­si­cas, con­ver­sam co­mo iguais, dão-se mui­to bem e de­ci­dem vi­a­jar jun­tos, pas­san­do por Marte – um pla­ne­ta va­zio e sem vi­da – e aca­ban­do por fi­nal­men­te che­gar à Terra. O sa­tur­ni­a­no ba­nha as per­nas nos oce­a­nos pro­fun­dos; o gi­gan­tes­co Micrómegas mal che­ga a mo­lhar os tornozelos.

Acabam por des­co­brir um bar­co. Depois de um cui­da­do­so exa­me às mi­cros­có­pi­cas cri­a­tu­ras que o bar­co trans­por­ta, con­clu­em que for­mas de vi­da tão in­sig­ni­fi­can­tes não de­vem con­ter in­te­li­gên­cia ou es­pi­ri­tu­a­li­da­de. Quando des­co­brem que os mi­nús­cu­los se­res pa­re­cem con­ver­sar uns com os ou­tros, Micrómegas usa um tu­bo pre­so à unha e en­cos­ta o de­do à ore­lha pa­ra os con­se­guir ou­vir. Depois de apren­der a lín­gua e con­se­guir co­mu­ni­car, o nos­so sá­bio fi­ca mui­to ad­mi­ra­do com a am­pli­tu­de da in­te­li­gên­cia humana.

A par­tir da­qui, Micrómegas con­ver­sa com os se­res hu­ma­nos so­bre os en­si­na­men­tos de al­guns fi­ló­so­fos hu­ma­nos e con­tra­põe os seus pró­pri­os co­nhe­ci­men­tos. Quando os mi­nús­cu­los se­res ci­tam a te­se do fra­de e fi­ló­so­fo Tomás de Aquino, se­gun­do a qual to­do o Universo foi fei­to ex­clu­si­va­men­te pa­ra a Humanidade, Micrómegas e o com­pa­nhei­ro sa­tur­ni­a­no re­ben­tam à gargalhada.

Voltaire

Voltaire

Que tem is­to a ver com «Perdido em Marte»? Bem, nos pla­nos que o fil­me nos mos­tra a par­tir das ima­gens cap­ta­das pe­los sa­té­li­tes ge­o­es­ta­ci­o­ná­ri­os em Marte, quan­do a NASA de­te­ta e pas­sa a acom­pa­nhar as ati­vi­da­des do as­tro­nau­ta de­sa­pa­re­ci­do, percebe-se co­mo de­ve ter si­do o olhar de Micrómegas so­bre os tri­pu­lan­tes do barco.

Watney, con­tu­do, não con­si­de­ra que o Universo foi fei­to de pro­pó­si­to pa­ra a Humanidade – e por is­so é ca­paz de so­bre­vi­ver. Em vez da gar­ga­lha­da de Micrómegas, o fil­me evo­ca o res­pei­to pe­la in­te­li­gên­cia e sa­ga­ci­da­de de uma cri­a­tu­ra in­sig­ni­fi­can­te, mas notável.

«Perdido em Marte» não é a sa­ga de um Robinson Crusoé mar­ci­a­no, é uma ale­go­ria so­bre o triun­fo da Ciência e da Razão. Numa épo­ca ain­da man­cha­da por su­pers­ti­ções, vi­ga­ris­tas quân­ti­cos, sen­sa­ci­o­na­lis­moscons­pi­ra­ções anti-científicas, re­a­li­zar um «block­bus­ter» com tal men­sa­gem só po­de fa­zer bem a to­dos. Não ad­mi­ra que a NASA te­nha gos­ta­do tan­to do filme.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?