Os gran­des as­sas­si­nos em sé­rie da his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de são, re­gra ge­ral, ho­mens. O po­der de ti­rar a vi­da aos ou­tros sur­giu aos olhos de to­dos co­mo coi­sa mas­cu­li­na. Essa foi, aliás, uma das ra­zões – im­plí­ci­ta, não anun­ci­a­da – que le­va­ram a que, até há pou­co, os exér­ci­tos fos­sem cons­ti­tuí­dos ex­clu­si­va­men­te por quem nas­ceu com um pen­du­ri­ca­lho en­tre as per­nas.

A mu­lher ge­ra vi­da; o ho­mem tem a ca­pa­ci­da­de de a rou­bar – é es­se ain­da ho­je o pres­su­pos­to exis­ten­te. Ainda que se sai­ba não ter cor­res­pon­dên­cia com a re­a­li­da­de. Elas tam­bém ma­tam (fi­gu­ra­ti­va e li­te­ral­men­te), e fazem-no com es­pe­ci­ais re­quin­tes de cru­el­da­de.

Sabe-se is­so des­de que, no tem­po de Shakespeare, uma con­des­sa hún­ga­ra de no­me Erzsébet Bathory fez com que de­sa­pa­re­ces­sem de­ze­nas, se­não cen­te­nas, de jo­vens vir­gens.

Erzsébet acre­di­ta­va que o san­gue de ra­pa­ri­gas «ain­da não cor­rom­pi­das pe­lo amor» a man­te­ria sem­pre be­la, pe­lo que man­da­va rap­tar as cam­po­ne­sas ado­les­cen­tes do seu con­da­do e sangrava-as até à mor­te pa­ra as be­ber na fon­te.

Chegou mes­mo a con­ce­ber um es­ca­fan­dro de me­tal com es­pi­gões no in­te­ri­or on­de eram me­ti­das as po­bres cri­a­tu­ras pa­ra que o pre­ci­o­so lí­qui­do jor­ras­se das fe­ri­das e che­gas­se aos seus lá­bi­os.

É es­sa a his­tó­ria que nos con­ta o ál­bum de ban­da de­se­nha­da «Erzsébet», ago­ra lan­ça­do pe­la Chili Com Carne. O seu au­tor res­pon­de pe­lo no­me de Nunsky e é por­tu­guês. Antes des­te li­vro só uma vez foi pu­bli­ca­do – o seu «88», de 1997, saiu no nº 13 da zi­ne Mesinha de Cabeceira.

Assinale-se que com o mes­mo ti­po de te­má­ti­ca psico-gótica, com re­fe­rên­cia nos Love & Rockets e em Charles Burns.

Depois, Nunsky de­sa­pa­re­ceu de ce­na e daí que a CCC o apre­sen­te co­mo «um co­me­ta da BD un­der­ground por­tu­gue­sa». «Como sa­be­mos, os co­me­tas cos­tu­mam re­gres­sar pas­sa­do al­gum tem­po», co­men­ta a edi­to­ra.

Ou me­lhor: de­sa­pa­re­ceu da ban­da de­se­nha­da, mas cir­cu­lou por aí co­mo vo­ca­lis­ta da ban­da (gó­ti­ca, co­mo não po­dia dei­xar de ser) The ID’s, que tan­to quan­to sei já não es­tá ati­va. Nunsky tro­ca­ra a BD pe­la mú­si­ca e ago­ra tro­cou a mú­si­ca pe­la BD. Para mim, faz to­do o sen­ti­do, da­da a ve­lha cum­pli­ci­da­de en­tre am­bas as dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas.

O que não dei­xa de ser in­te­res­san­te é que se­ja um ho­mem a re­cor­dar o ca­so de Erzsébet. É o mi­to da «va­gi­na den­ta­ta» que aqui res­plan­de­ce, ape­sar de a con­des­sa não re­pre­sen­tar uma di­re­ta ame­a­ça à mas­cu­li­ni­da­de: as su­as ví­ti­mas fo­ram ou­tras mu­lhe­res.

O em­pa­re­da­men­to da as­sas­si­na sim­bo­li­za, de qual­quer mo­do, o me­do que uma so­ci­e­da­de ge­ri­da por ho­mens tem de uma mu­lher que de­tém o po­der da mor­te. Ou, sim­ples­men­te, que de­tém o po­der.

Com ca­da vez mais mu­lhe­res à fren­te dos des­ti­nos eco­nó­mi­cos e po­lí­ti­cos do mun­do, já se com­pre­en­deu que elas não to­ma­ram o po­der pa­ra al­te­rar o sis­te­ma por den­tro, ao con­trá­rio do que an­si­a­va o mo­vi­men­to fe­mi­nis­ta. Antes o tor­nam ain­da mais na­qui­lo que é.

Uma mu­lher no po­der é mais ho­mem do que qual­quer ho­mem, mais du­ra, mais au­to­ri­tá­ria, mais pa­tri­ar­cal. Conheci em­pre­sá­ri­as que são co­mo Erzsébets dos ne­gó­ci­os, ain­da que só ma­tem vir­tu­al­men­te.

E é cla­ro que a ma­cha­ria não apre­cia que ha­ja quem se­ja mais ma­cho do que eles, ain­da por ci­ma quan­do ves­te saia. «Erzsébet», o li­vro, é o re­la­to im­plí­ci­to, emu­de­ci­do, de um re­ceio: o de que a mor­te es­ca­pe de­fi­ni­ti­va­men­te ao con­tro­lo mas­cu­li­no.

Afinal, é a mor­te que con­duz ca­da um e to­dos os pas­sos da hu­ma­ni­da­de, tal e qual co­mo vem anun­ci­an­do a es­té­ti­ca gó­ti­ca em to­das as su­as for­mas. Nunsky recorda-nos is­so mes­mo com es­ta edi­ção…

Rui Eduardo Paes

Bitaite de Rui Eduardo Paes

Jornalista cultural e crítico de música. Editor da Jazz.pt. Quer dizer-me alguma coisa?