The Handmaid’s Tale é um li­vro pu­bli­ca­do em 1985 por Margaret Atwood. Desde 26 de abril des­te ano, The Handmaid’s Tale é tam­bém uma sé­rie de te­le­vi­são ba­se­a­da no li­vro. E é uma das gran­des sé­ri­es que pou­ca gen­te te­rá vis­to em Portugal, uma vez que não pas­sa em qual­quer ca­nal por­tu­guês.

A his­tó­ria de The Handmaid’s Tale cos­tu­ma ser cri­ti­ca­da por dois mo­ti­vos: é de­ma­si­a­do fe­mi­nis­ta e passa-se num fu­tu­ro dis­tó­pi­co con­si­de­ra­do com­ple­ta­men­te ir­re­a­lis­ta.

Elisabeth Moss

Elisabeth Moss é Offred, a pro­ta­go­nis­ta da his­tó­ria.

A his­tó­ria de The Handmaid´s Tale es­tá si­tu­a­da num fu­tu­ro in­de­fi­ni­do, mas pou­co dis­tan­te. A in­jus­ti­ça e cru­el­da­de da­que­la so­ci­e­da­de mexe-nos com o sis­te­ma ner­vo­so. E é, de fac­to, uma si­tu­a­ção di­fí­cil de con­ce­ber pa­ra quem é ho­mem e nun­ca se sen­tiu opri­mi­do ou jul­ga­do por ser ho­mem.

Neste mun­do es­pe­cu­la­ti­vo, o pla­ne­ta vi­ve uma cri­se de in­fer­ti­li­da­de. Os nas­ci­men­tos são ca­da vez mais ra­ros. As cri­an­ças, um bem pre­ci­o­so.

O re­ceio de que a ra­ça hu­ma­na es­te­ja em vi­as de ex­tin­ção pro­vo­ca con­vul­sões so­ci­ais. A cri­se co­me­ça a ser vis­ta co­mo um cas­ti­go di­vi­no de­vi­do às li­ber­da­des se­xu­ais, à per­da dos va­lo­res fa­mi­li­a­res tra­di­ci­o­nais e aos com­por­ta­men­tos de­pra­va­dos.

O ca­os so­ci­al é apro­vei­ta­do por um gru­po de ex­tre­mis­tas re­li­gi­o­sos. Um gol­pe de Estado vi­o­len­to des­trói as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas norte-americanas e aca­ba com os Estados Unidos tal co­mo o co­nhe­ce­mos. Em seu lu­gar, ergue-se a República de Gilead.

Elisabeth Moss

Gilead é uma República pa­tri­ar­cal, to­ta­li­tá­ria e de ins­pi­ra­ção cris­tã, em­bo­ra na­da te­nha a ver com a Igreja Católica. A so­ci­e­da­de é or­ga­ni­za­da num sis­te­ma se­me­lhan­te a cas­tas on­de ca­da pes­soa tem uma fun­ção so­ci­al es­tri­ta­men­te de­fi­ni­da.

Os ho­mens man­dam. No to­po da hi­e­rar­quia mas­cu­li­na es­tão os co­man­dan­tes. Todos são pu­ros e pi­e­do­sos. E to­dos são hi­pó­cri­tas, pois clan­des­ti­na­men­te bus­cam os mes­mos pra­ze­res li­ber­ti­nos que cri­ti­ca­vam an­tes de al­can­çar o po­der.

As mu­lhe­res obe­de­cem. Não po­dem ocu­par car­gos de po­der. Não são au­to­ri­za­das a tra­ba­lhar, a não ser na li­da da ca­sa. Estão proi­bi­das de ler ou es­cre­ver. As es­po­sas dos co­man­dan­tes es­tão no to­po da hi­e­rar­quia fe­mi­ni­na, mas são tão sub­ser­vi­en­tes co­mo as res­tan­tes.

A uto­pia per­fei­ta que os co­man­dan­tes cons­truí­ram es­tá man­cha­da de san­gue. Os ca­dá­ve­res de mu­lhe­res e ho­mens que se in­sur­gem con­tra a di­ta­du­ra são exi­bi­dos nas ru­as, en­for­ca­dos, co­mo os na­zis fa­zi­am aos mem­bros da re­sis­tên­cia dos paí­ses que ocu­pa­vam.

As servas

O pro­ble­ma da in­fer­ti­li­da­de con­ti­nua a exis­tir nes­te mun­do emo­ci­o­nal­men­te claus­tro­fó­bi­co. As mu­lhe­res fér­teis são re­e­du­ca­das em cen­tros es­pe­ci­ais pa­ra ser­vir os co­man­dan­tes e res­pe­ti­vas es­po­sas.  E as­sim se tor­nam ser­vas — as «hand­maid» do tí­tu­lo ori­gi­nal.

Depois de re­e­du­ca­das e co­lo­ca­das, as ser­vas dei­xam de exis­tir co­mo in­di­ví­du­os. June (in­ter­pre­ta­da pe­la mag­ní­fi­ca Elisabeth Moss), a per­so­na­gem prin­ci­pal, é des­ta­ca­da pa­ra ser­vir na ca­sa do Comandante Fred, mas só res­pon­de pe­lo no­me Offred — «Of Fred», a que per­ten­ce a Fred.

O Comandante Fred (Joseph Fiennes)

O Comandante Fred (Joseph Fiennes) du­ran­te a «ce­ri­mó­nia»

As ser­vas são má­qui­nas re­pro­du­to­ras. Todos os me­ses par­ti­ci­pam nu­ma ce­ri­mó­nia on­de são fe­cun­da­das pe­lo che­fe da ca­sa. O ato é ce­ri­mo­ni­o­so e tão im­pes­so­al quan­to pos­sí­vel, e é exe­cu­ta­do na pre­sen­ça da es­po­sa. Depois de re­ci­tar uns ver­sos do Antigo Testamento, o Comandante tem re­la­ções com a ser­va, quer es­ta o de­se­je ou não, na es­pe­ran­ça de po­der con­ce­ber uma pre­ci­o­sa cri­an­ça.

Se «o mi­la­gre» acon­te­cer, a cri­an­ça é re­ti­ra­da à mãe bi­o­ló­gi­ca e en­tre­gue à es­po­sa do Comandante, en­quan­to a ser­va é trans­fe­ri­da pa­ra uma no­va fa­mí­lia de for­ma a «ser­vir» o Comandante se­guin­te.

The Handmaid’s Tale irrealista? Só à superfície.

Mike Pence

Mike Pence

The Handmaid’s Tale – trai­ler – não é uma his­tó­ria dis­tó­pi­ca ao es­ti­lo Hunger Games. É uma fic­ção es­pe­cu­la­ti­va que nos mos­tra co­mo se­ria uma so­ci­e­da­de do­mi­na­da por con­ser­va­do­res da di­rei­ta ra­di­cal de ins­pi­ra­ção cris­tã.

Não fi­quem já a pen­sar no mun­do ára­be e nas te­o­cra­ci­as opres­si­vas do Islão. Se acham que es­se ti­po de gen­te não exis­te no mun­do oci­den­tal, su­gi­ro que se in­for­mem so­bre um mo­vi­men­to cha­ma­do Christian Reconstructionism, do qual faz par­te o vice-presidente dos EUA Mike Pence. Leiam so­bre a in­fluên­cia que es­ta mi­no­ria de­men­te exer­ce so­bre di­rei­ta cris­tã mais tra­di­ci­o­nal nos EUA.

Tal co­mo os da República de Gilead, es­sas pes­so­as de­fen­dem a pe­na de mor­te pa­ra a ho­mos­se­xu­a­li­da­de, o adul­té­rio, pa­ra quem men­tir so­bre a vir­gin­da­de, pa­ra quem blas­fe­mar, en­tre ou­tros «cri­mes».

A Mulher-Maravilha e outras birras mais perigosas

Wonder Woman

As du­as crí­ti­cas que se fa­zem a The Handmaid’s Tale es­tão li­ga­das en­tre si. Catalogar co­mo exa­ge­ra­do ou ir­re­a­lis­ta um ce­ná­rio no qual as mu­lhe­res são ví­ti­mas de opres­são é um dos ar­gu­men­tos pre­fe­ri­dos do zé ma­cho quan­do quer des­qua­li­fi­car si­tu­a­ções re­ais que ocor­rem nos di­as de ho­je.

Mas es­te é o mes­mo zé a quem não pas­sa pe­la ca­be­ça per­gun­tar por que ra­zão se­res hu­ma­nos que exis­ti­am há mui­to, mui­to tem­po, nu­ma ga­lá­xia dis­tan­te, já ti­nham nes­ses tem­pos lon­gín­quos uma prin­ce­sa a pre­ci­sar de ser sal­va.

Tenho vis­to mui­tos zés des­tes ul­ti­ma­men­te. Sempre que os ve­jo em ação lembro-me de co­mo os hor­ro­res de The Handmaid’s Tale têm uma jus­ti­fi­ca­ção so­ci­al e psi­co­ló­gi­ca mui­to re­a­lis­ta.

Eis um exem­plo su­fi­ci­en­te­men­te es­tú­pi­do. Há quem se te­nha sen­ti­do ofen­di­do e dis­cri­mi­na­do por­que a ca­deia de ci­ne­mas Alamo Drafthouse, nos EUA, or­ga­ni­zou ses­sões do fil­me Mulher Maravilha ex­clu­si­va­men­te pa­ra mu­lhe­res. Acreditem ou não, há imen­sas quei­xi­nhas nos fó­runs de dis­cus­são.

Exibição «só para mulheres» | Foto: Deborah Cannon

Exibição «só pa­ra mu­lhe­res» | Foto: Deborah Cannon

Este even­to «só pa­ra mu­lhe­res» é di­ver­ti­do e até apro­pri­a­do. Qual é o pro­ble­ma de miú­das e mu­lhe­res se sen­ti­rem es­pe­ci­ais por lhes ser da­da a opor­tu­ni­da­de de ver um fil­me em que es­tão re­pre­sen­ta­das por uma super-heroína num uni­ver­so pre­do­mi­nan­te mas­cu­li­no? Uma he­roí­na que exis­te por si mes­ma e não em fun­ção do par­cei­ro mas­cu­li­no? Uma mu­lher que sal­va, ao in­vés de ser sal­va?

Nenhum, cla­ro, res­pon­dem os teus neu­ró­ni­os sen­sa­tos. A ex­clu­si­vi­da­de até po­de ser vis­ta co­mo uma pe­que­na e in­sig­ni­fi­can­te com­pen­sa­ção, ten­do em con­ta as mer­das que as mu­lhe­res atu­ra­ram e ain­da têm de atu­rar.

Mas a Internet veio dar voz a to­dos os idi­o­tas da al­deia. Jason Posobiec, au­tor co­no­ta­do com a alt-right nos EUA, apre­sen­tou quei­xa na Comissão de Direitos Humanos em Nova Iorque por se sen­tir dis­cri­mi­na­do. Está a meia-dúzia de cli­ques de se tor­nar um he­rói dos im­be­cis, co­mo o Trump.

O pa­ler­ma Posobiec não te­ve qual­quer pro­ble­ma em apropriar-se de uma pa­la­vra — dis­cri­mi­na­ção — que tem o pe­so de sé­cu­los de ver­da­dei­ra opres­são.

Luke é a chave. O Luke somos nós.

Luke (O-T Fagbenle), o marido de June

Luke (O-T Fagbenle), o ma­ri­do de June

E se acham que es­tou a exa­ge­rar quan­do me re­fi­ro às mer­das que as mu­lhe­res têm de atu­rar nu­ma ba­se diá­ria, aten­tem nu­ma ini­ci­a­ti­va da re­vis­ta PR Week ocor­ri­da es­ta se­ma­na em Nova Iorque.

Num even­to cha­ma­do «Hall of Femme», qua­tro es­pe­ci­a­lis­tas em Relações Públicas dis­cu­ti­ram o que as mu­lhe­res de­vem fa­zer pa­ra com­ba­ter a «cul­tu­ra ma­cho». Um de­les propôs uma so­lu­ção pa­ra se­rem mais ou­vi­das: «fa­lar mais al­to». Nem a re­vis­ta nem os par­ti­ci­pan­tes pa­re­cem ter da­do im­por­tân­cia ao fac­to de es­ta su­ges­tão ter si­do fei­ta du­ran­te um even­to em que os qua­tro ora­do­res eram to­dos ho­mens.

Mas elas fa­lam mais al­to, sim. E is­so po­de ser mui­to pe­ri­go­so. Por exem­plo, quan­do al­gu­mas cri­a­do­ras de soft­ware de jo­gos cri­ti­ca­ram a in­dús­tria de jo­gos por ser «chau­vi­nis­ta», to­das elas re­ce­be­ram ame­a­ças de mor­te e vi­o­la­ção atra­vés das re­des so­ci­ais. O cha­ma­do ca­so Gamergate, é só go­o­glar. Está cheio de rou­pa su­ja.

Sim, elas atu­ram mui­ta mer­da opres­si­va — das ri­dí­cu­las, co­mo as quei­xi­nhas por cau­sa das ses­sões fe­mi­ni­nas de Wonder Woman, às pe­ri­go­sas, co­mo es­tas ame­a­ças dos ma­chos des­con­so­la­dos das con­so­las.

A fic­ção es­tá re­ple­ta de pre­vi­sões dis­tó­pi­cas, de 1984, do Orwell, ao Fahrenheit 451, do Bradbury. Exemplos de mun­dos fic­ci­o­nais cri­a­dos a par­tir dos nos­sos re­cei­os atu­ais não fal­tam. Contudo, se as pi­o­res ex­pe­ri­ên­ci­as do pas­sa­do e do pre­sen­te das mu­lhe­res nos são apre­sen­ta­das de for­ma ale­gó­ri­ca, co­mo o faz The Handmaid´s Tale, a es­pe­cu­la­ção pas­sa a ser «ir­re­a­lis­ta».

O Comandante que as agarra

Que tem a ver es­te Luke da fo­to ali em ci­ma com o que es­tou a fa­lar? É o ma­ri­do de June em The Handmaid’s Tale, o ho­mem que ela jul­ga nun­ca mais vol­ta­rá a ver, as­sim co­mo a fi­lha de am­bos.

Luke é um ho­mem de­cen­te, mas é in­ca­paz de ima­gi­nar al­go que vá pa­ra além da sua pró­pria ex­pe­ri­ên­cia. Quando os pri­mei­ros si­nais de opres­são do re­gi­me co­me­çam a manifestar-se, Luke não con­se­gue le­var a sé­rio a ame­a­ça. Não o atin­ge di­re­ta­men­te a ele.

Luke re­pre­sen­ta mui­tos de nós. Estamos imer­sos nas nos­sas pró­pri­as ex­pe­ri­ên­ci­as. Estamos de­ma­si­a­do ha­bi­tu­a­dos ao pri­vi­lé­gio de ser­mos ho­mens. É di­fí­cil con­ce­ber um mun­do em que mu­lhe­res se­jam cri­mi­na­li­za­das ou jul­ga­das só por se­rem mu­lhe­res. Ridículas ou mais sé­ri­as, as si­tu­a­ções por ve­zes passam-nos ao la­do. O nos­so ra­dar foca-se nou­tras coi­sas.

The Handmaid’s Tale po­de não ser uma his­tó­ria de an­te­ci­pa­ção na tra­di­ção da fic­ção ci­en­tí­fi­ca, mas espevita-nos a ima­gi­na­ção. Estimula-nos a em­pa­tia. Enerva-nos. Deixa-nos com von­ta­de de en­trar pe­lo ecrã aden­tro e es­mur­rar uns quan­tos cre­ti­nos pi­e­do­sos, vi­o­la­do­res de sor­ri­sos pu­ri­ta­nos.

Faz-nos pen­sar nas con­sequên­ci­as prá­ti­cas de vir­mos a ser go­ver­na­dos pe­los idi­o­tas da al­deia. Convida-nos a as­su­mir uma pers­pe­ti­va fe­mi­ni­na. Consegue fa­zer uma coi­sa mui­to di­fí­cil: pôr-nos no lu­gar de­las. Sentimo-nos vi­o­la­dos, co­mo elas. Força-nos a ti­rar as nos­sas pró­pri­as con­clu­sões em re­la­ção ao que es­ta­mos a ver, não ao que que­re­mos ver. Porque The Handmaid’s Tale não é fe­mi­nis­ta, é hu­ma­nis­ta.

Irrealista? Exagerado? The Handmaid’s Tale lembra-nos que os EUA ele­ge­ram um pre­si­den­te que se ga­bou de «as agar­rar pe­la pus­sy». Sim, o Comandante Trump e as su­as ser­vas.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?