Conheço al­gu­mas pes­so­as que não gos­ta­ram mui­to de Arrival. Esperavam que o fil­me se fo­cas­se ape­nas na his­tó­ria de um pri­mei­ro en­con­tro en­tre ex­tra­ter­res­tres e se­res hu­ma­nos.

A ver­da­dei­ra his­tó­ria não é es­sa. Arrival con­ta a his­tó­ria de vá­ri­os en­con­tros. E o de Louise (Amy Adams) com o seu pró­prio des­ti­no é o mais im­por­tan­te de to­dos. Era pre­ci­so que a his­tó­ria des­se en­con­tro es­pe­ci­al de Louise ti­ves­se um po­der emo­ci­o­nal ca­paz de nos fa­zer es­que­cer que fo­mos ver o fil­me por cau­sa dos ex­tra­ter­res­tres. 

Amy Adams

Para al­gu­mas pes­so­as não te­ve.

Para mim, a his­tó­ria que nos ca­lha com­pen­sou, pe­lo me­nos em par­te, por­que Amy Adams é tre­men­da a car­re­gar o pe­so do Espaço-Tempo às cos­tas.

Por ou­tro la­do, pa­ra apre­ci­ar o fil­me é pre­ci­so con­se­guir des­li­gar a par­te do cé­re­bro que gos­ta de coi­sas li­ne­a­res e dei­xar bem ace­sa ape­nas a par­te emo­ci­o­nal. Nem sem­pre con­se­gui.

Este é um fil­me so­bre o qual é di­fí­cil de es­cre­ver. Estou a pen­sar em to­dos vo­cês que ain­da não vi­ram Arrival, mas que­rem vê-lo e fi­ca­ram cu­ri­o­sos em ler es­te tex­to. Difícil de es­cre­ver por­que não pos­so en­trar em gran­des por­me­no­res so­bre a na­tu­re­za des­se en­con­tro de Louise.

Esse en­con­tro é de­ma­si­a­do im­por­tan­te pa­ra o des­fe­cho da his­tó­ria. É des­po­le­ta­do pe­la vi­si­ta dos ex­tra­ter­res­tres, sim, mas na­da tem a ver di­re­ta­men­te com a pre­sen­ça dos ex­tra­ter­res­tres. Tem a ver com ela, o seu Espaço, o seu Tempo.

Eu sei, es­tou a ser am­bí­guo e pou­co re­ve­la­dor. Spoilers, na­da pos­so fa­zer.

Extraterrestres sem jeito para línguas

Amy Adams

Dado que não pos­so fa­lar do en­con­tro prin­ci­pal, vou es­cre­ver so­bre o se­cun­dá­rio: os ex­tra­ter­res­tres.

Tendo em con­ta o mun­do em que vi­ve­mos, qual­quer ci­vi­li­za­ção ex­tra­ter­res­tre avan­ça­da sa­be­ria co­mo co­mu­ni­car con­nos­co. Se eu fos­se um ET, de­se­nha­ria um li­ke gi­gan­tes­co no céu. Quase to­dos os se­res hu­ma­nos do pla­ne­ta Terra ha­ve­ri­am de per­ce­ber.

Bem, um li­ke tal­vez não: os ali­e­ní­ge­nas de «Independence Day» tam­bém po­de­ri­am ter fei­to o mes­mo, mas is­so não sig­ni­fi­ca que es­ti­ves­sem a di­zer que gos­ta­vam de nós. Também po­de­ría­mos fa­zer um li­ke se es­ti­vés­se­mos com fo­me e vís­se­mos a fo­to de um be­lo bi­fi­nho gre­lha­do, mas não me pa­re­ce que a va­ca apre­ci­as­se o ges­to.

Um emo­ji­con sor­ri­den­te era ca­paz de cau­sar me­lhor efei­to.

Fronteiras da linguagem, fronteiras do Universo

Amy Adams

Os ex­tra­ter­res­tres de Arrival não são gam­bo­zi­nos ge­no­ci­das co­mo no Independence Day, são be­ne­vo­len­tes, pas­si­vos, di­a­lo­gan­tes, co­mo os de Encontros Imediatos de 3º Grau. Spielberg fil­mou es­se en­con­tro com gra­ça e ele­gân­cia, usan­do a mú­si­ca co­mo for­ma de co­mu­ni­ca­ção en­tre nós e eles.

Arrival é mais li­te­ral. A pon­te en­tre nós e eles te­rá de ser cons­truí­da pe­la pró­pria lin­gua­gem. Nós te­mos de apren­der a de­les, eles a nos­sa. Nós pre­ci­sa­mos de sa­ber o que eles que­rem de nós. Eles pre­ci­sam de com­pre­en­der que lhes es­ta­mos a fa­zer uma per­gun­ta. «As fron­tei­ras da mi­nha lin­gua­gem são as fron­tei­ras do meu uni­ver­so», já di­zia Wittgenstein.

Louise é uma das mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas mun­di­ais em lin­guís­ti­ca e é re­cru­ta­da pe­lo exér­ci­to pa­ra cri­ar es­sas pon­tes de co­mu­ni­ca­ção. Este é um pon­to a fa­vor do fil­me: o fo­co es­tá na co­mu­ni­ca­ção e no diá­lo­go, não na guer­ra. Esta é um fan­tas­ma a pai­rar so­bre o dra­ma, mas não o de­fi­ne. Farto de pa­lha­ça­das pi­ro­téc­ni­cas do ti­po Independence Day já es­tou eu.

A ten­ta­ti­va de de­ci­frar o que es­tão a di­zer e de lhes «en­si­nar» a nos­sa lín­gua é a me­lhor par­te do fil­me. Esperaria que qual­quer ci­vi­li­za­ção ex­tra­ter­res­tre su­fi­ci­en­te­men­te avan­ça­da pa­ra nos vi­si­tar já te­ria cap­ta­do as nos­sas emis­sões no Espaço e apren­di­do o ru­di­men­tar dos nos­sos prin­ci­pais idi­o­mas. Não é o ca­so des­tes ex­tra­ter­res­tres.

Os ex­tra­ter­res­tres, já ago­ra, pa­re­cem pol­vos gi­gan­tes­cos. As mãos lem­bram estrelas-do-mar. A es­cri­ta faz lem­brar bor­ras de ca­fé, mas is­so é a mi­nha po­bre li­mi­ta­ção de hu­ma­no não-linguista. Seja co­mo for, es­tes en­con­tros re­sul­tam mui­to bem vi­su­al­men­te.

Falta-lhe qualquer coisa, pois

Amy Adams e Jeremy Renner

O sus­pen­se, a ten­são des­te pri­mei­ro en­con­tro, a mú­si­ca de Jóhann Jóhannsson, a ci­ne­ma­to­gra­fia, até os efei­tos es­pe­ci­ais — ex­ce­len­tes. Chega a pa­re­cer um cru­za­men­to bi­zar­ro en­tre Terrence Malick e o M. Night Shyamalan dos seus me­lho­res tem­pos.

Sei que a crí­ti­ca tem di­to ma­ra­vi­lhas do fil­me e per­ce­bo porquê. Quanto a mim, há qual­quer coi­sa que não me fez gos­tar tan­to do fil­me co­mo es­pe­ra­ria. Talvez o fo­co da his­tó­ria não fos­se aque­le que mais de­se­ja­va. E es­se «qual­quer coi­sa» tam­bém não o pos­so de­fi­nir, por­que re­ve­la­ria a re­vi­ra­vol­ta fi­nal.

Talvez nes­ta fa­se da mi­nha vi­da não es­te­ja tão in­te­res­sa­do em pen­sar so­bre o que se­ria a mi­nha es­co­lha nu­ma si­tu­a­ção im­pos­sí­vel de acon­te­cer. Não, não me re­fi­ro ao apa­re­ci­men­to de ex­tra­ter­res­tres, mas ao dra­ma que Louise é for­ça­da a en­fren­tar.

Já me bas­tam as es­co­lhas que te­nho de fa­zer em si­tu­a­ções pos­sí­veis do dia-a-dia. Não me ape­te­ce pen­sar so­bre a éti­ca ou a mo­ra­li­da­de de es­co­lhas fei­tas em si­tu­a­ções ci­en­ti­fi­ca­men­te pou­co plau­sí­veis. Mais uma vez, é di­fí­cil ser mais es­pe­cí­fi­co sem re­ve­lar de­ma­si­a­do.

Talvez o pro­ble­ma es­te­ja em mim e não no fil­me. Talvez da­qui a uns anos o re­ve­ja e con­clua que afi­nal é uma obra-prima  que não es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra com­pre­en­der. Por ago­ra, não é uma pre­sen­ça mui­to for­te nas mi­nhas me­mó­ri­as ci­ne­ma­to­grá­fi­cas. Gostei, mas não saí do ci­ne­ma des­lum­bra­do.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?