Gostei mui­to de «Birdman», de Alejandro G. Iñárritu, gran­de ven­ce­dor dos úl­ti­mos ós­ca­res, por­tan­to a ideia de ver o no­vo fil­me des­te re­a­li­za­dor me­xi­ca­no pareceu-me mui­to apelativa.

Melhor ain­da: era com Leonardo DiCaprio, um ator que po­dia ter ti­do uma car­rei­ra lu­cra­ti­va co­mo me­ni­no bo­ni­to de Hollywood, mas que em vez dis­so pre­fe­riu ar­ris­car uma car­rei­ra lu­cra­ti­va co­mo ator de cinema.

DiCaprio não é a úni­ca ra­zão pa­ra ver «The Revenant», a ex­ce­ci­o­nal qua­li­da­de da fo­to­gra­fia tam­bém é de­ter­mi­nan­te. Para sim­pli­fi­car as coi­sas, apresento-vos dois mo­ti­vos pa­ra irem já ao ci­ne­ma vê-lo e um que tal­vez vos fa­ça pen­sar que afi­nal não se­rá ne­ces­sá­rio ter as­sim tan­ta pressa.

1 Por causa de Leonardo DiCaprio

Talvez o óscar esteja aí, Leonardo.

Talvez o ós­car es­te­ja aí, Leonardo.

Quando Leonardo DiCaprio par­ti­ci­pa em um fil­me es­ta­mos cer­tos de que o seu ní­vel de com­pro­me­ti­men­to se­rá al­to. Em «The Revenant», é es­tra­tos­fé­ri­co. Só pa­ra ver um ator com es­ta ge­ni­ca va­le a pe­na pa­gar o bilhete.

Por ra­zões que en­ten­de­rão quan­do vi­rem o fil­me, o per­so­na­gem de DiCaprio, o des­bra­va­dor de fron­tei­ras Hugh Glass, é dei­xa­do ao aban­do­no nu­ma re­gião inós­pi­ta do centro-oeste dos Estados Unidos.

Glass ti­nha si­do ata­ca­do por um ur­so e os fe­ri­men­tos são fa­tais pa­ra qual­quer ho­mem nas su­as cir­cuns­tân­ci­as: a per­na es­tá par­ti­da, um cor­te na gar­gan­ta deixa-o in­ca­paz de fa­lar, um ras­gão nas cos­tas é tão pro­fun­do que par­te das cos­te­las es­tá à vista.

O que não fal­ta nos fil­mes ame­ri­ca­nos são his­tó­ri­as so­bre a so­bre­vi­vên­cia de um in­di­ví­duo que lu­ta con­tra o po­der im­pla­cá­vel da Natureza e as su­as pró­pri­as li­mi­ta­ções en­quan­to ser humano.

«The Revenant» tam­bém é as­sim, mas o per­so­na­gem de Leonardo DiCaprio en­fren­ta ain­da a cru­el­da­de de­su­ma­ni­za­da dos ho­mens: dois com­pa­nhei­ros de ex­pe­di­ção pa­gos pa­ra cui­dar de­le e sepultá-lo con­dig­na­men­te aca­bam por roubar-lhe ar­mas e equi­pa­men­to, deixando-o so­zi­nho pa­ra morrer.

A ne­ces­si­da­de de so­bre­vi­ver pa­ra se vin­gar da­que­les que o aban­do­na­ram dá a Glass uma de­ter­mi­na­ção tão sel­va­gem e im­pla­cá­vel co­mo a Natureza que o rodeia.

Tendo em con­ta a si­tu­a­ção em que o per­so­na­gem se en­con­tra e o fac­to de o re­a­li­za­dor Alejandro G. Iñárritu ter de­ci­di­do fil­mar em re­giões inós­pi­tas do Canadá, Estados Unidos e Argentina usan­do ape­nas luz na­tu­ral, sem re­cor­rer a em­be­le­za­men­tos com­pu­to­ri­za­dos, dá-vos uma boa ideia do que im­pli­ca es­te «com­pro­me­ti­men­to es­tra­tos­fé­ri­co» de Leonardo DiCaprio.

DiCaprio dei­xou as tri­pas e o co­ra­ção nes­te filme.

Rasteja na la­ma e na ter­ra e no ge­lo, ge­me, ar­que­ja, sus­pi­ra, gri­ta de dor, tre­me de frio, deixa-se le­var pe­la cor­ren­te ge­la­da do rio pa­ra fu­gir a ín­di­os hos­tis, co­me os res­tos dei­xa­dos pe­los lo­bos e tu­do o que pa­re­ce co­mes­tí­vel, dor­me den­tro do ca­dá­ver de um ca­va­lo pa­ra es­ca­par ao ge­lo da noi­te, en­fren­ta mer­ce­ná­ri­os fran­ce­ses sem hon­ra — o que a Internet mais de­se­ja é vê-lo ago­ra go­zar um me­re­ci­do des­can­so nos bra­ços do se­nhor Óscar.

2 A fotografia é magnífica

The Revenant foi filmado no Canadá, EUA e a sequência final na Argentina.

The Revenant foi fil­ma­do no Canadá, EUA e a sequên­cia fi­nal na Argentina.

O di­re­tor de fo­to­gra­fia Emmanuel Lubezki ga­nhou dois ós­ca­res com «Gravity» e «Birdman», es­te tam­bém de Alejandro G. Iñárritu, e não me sur­pre­en­de se ga­nhar um ter­cei­ro com «The Revenant».

Os fa­bu­lo­sos planos-sequência das vi­o­len­tas ce­nas ini­ci­ais, as águas tur­bu­len­tas dos ri­os, a res­pi­ra­ção ge­la­da que dei­xa a pró­pria câ­ma­ra em­ba­ci­a­da, as co­pas das ár­vo­res sa­cu­di­das por ven­tos cruéis, as fo­guei­ras dis­tan­tes bru­xu­le­an­do en­tre a ne­ve co­mo mi­ra­gens — o olhar de Lubezki aju­da es­te me­ni­no da ci­da­de a com­pre­en­der uma ver­da­de anun­ci­a­da des­de tem­pos ime­mo­ri­ais, a de que não há ma­ni­fes­ta­ção ar­tis­ti­ca­men­te mais po­de­ro­sa do que a da Natureza em es­ta­do selvagem.

Lubezki transporta-nos pa­ra to­da aque­la imen­si­dão e faz-nos acre­di­tar ime­di­a­ta­men­te na au­ten­ti­ci­da­de do ce­ná­rio, mes­mo an­tes de se tor­nar ameaçador.

3 Mais uma história de vingança?

O pro­ble­ma com his­tó­ri­as de vin­gan­ça é sim­ples: já es­tou um bo­ca­di­nho far­to de­las. Se a prin­ci­pal mo­ti­va­ção pa­ra so­bre­vi­ver é a exe­cu­ção de uma vin­gan­ça, en­tão já sei que ine­vi­ta­vel­men­te o per­so­na­gem te­rá de so­bre­vi­ver pa­ra que a his­tó­ria te­nha o seu clímax.

Leonardo DiCaprio vai fazer a folha a alguém, assim que acabar de sobreviver.

Leonardo DiCaprio vai fa­zer a fo­lha a al­guém, as­sim que aca­bar de sobreviver.

O pro­ble­ma co­me­ça quan­do a jor­na­da se tor­na de­ma­si­a­do lon­ga ten­do em con­ta que o des­fe­cho é pre­vi­sí­vel: ex­ce­len­te se o clí­max é re­al­men­te me­mo­rá­vel, co­mo por exem­plo nos fil­mes do Sergio Leone; frus­tran­te se che­gar ao fi­nal com tan­ta von­ta­de pa­ra dis­cu­tir o que vi co­mo pa­ra fa­lar nos in­gre­di­en­tes das ba­ta­tas fri­tas de pacote.

Depois de du­as ho­ras e meia de «ste­a­di­cams» flu­tu­an­do so­bre a ne­ve e a bar­ba de DiCaprio, já me sen­tia um bo­ca­do can­sa­do, à es­pe­ra que o he­rói des­pa­chas­se de vez a vin­gan­ça e ter­mi­nas­se a jornada.

Quentin Tarantino tam­bém con­ta uma his­tó­ria de vin­gan­ça em «Kill Bill»: a sua he­roí­na an­da à por­ra­da e a de­ce­par ini­mi­gos du­ran­te qua­se três ho­ras, mas quan­do fi­nal­men­te fi­ca cara-a-cara com o Bill da his­tó­ria a lu­ta é qua­se in­tei­ra­men­te psi­co­ló­gi­ca — Tarantino é da­que­les que acre­di­ta que gran­des ce­nas de ação nem sem­pre re­que­rem que os ato­res an­dem aos pu­los, bas­ta que o con­fron­to se­ja es­ta­be­le­ci­do com gran­des diálogos.

Não há na­da de me­mo­rá­vel no con­fron­to fi­nal en­tre Hugh Glass e o vi­lão res­pon­sá­vel pe­lo seu aban­do­no, in­ter­pre­ta­do pe­lo im­pe­cá­vel Tom Hardy — o que Iñárritu nos ofe­re­ce, cor­ta­di­nho às fa­ti­as, é mais vi­o­lên­cia, mais san­gue na ne­ve, mais sel­va­ja­ria, ou se­ja, mais do mesmo.

O fil­me co­me­ça com uma cor­ri­da, de­pois cai, ras­te­ja, levanta-se, co­xeia, põe-se de pé e no fim ras­te­ja ou­tra vez, quan­do eu es­ta­va a con­tar que vol­tas­se a correr.

Marco Santos

Bitaite de Marco Santos

Editor @Sapo. Blogger @Bitaites. Legendas @LegDivx. Pai em todo o lado. Queres contactar-me?